quinta-feira, 30 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/CONTEMPLEMOS A NOSSA VITÓRIA COM OS OLHOS DA FÉ!

CONTEMPLEMOS A NOSSA VITÓRIA COM OS OLHOS DA FÉ!

Aconselhou-se com o povo e ordenou cantores para o SENHOR, que, vestidos de ornamentos sagrados e marchando à frente do exército, louvassem a Deus, dizendo: Rendei graças ao SENHOR, porque a sua misericórdia dura para sempre. Tendo eles começado a cantar e a dar louvores, pôs o SENHOR emboscadas contra os filhos de Amom e de Moabe e os do monte Seir que vieram contra Judá, e foram desbaratados”. II Crônicas 20.21,22.

                                                               


Louvemos ao Senhor em meio às lutas enfrentadas! Contemplemos as nossas vitórias com os olhos da fé! O texto traz o relato da grande luta enfrentada pelo Rei Josafá de Judá, quando três poderosos exércitos se levantaram para destruir o seu pequeno reino.
Diante daquela investida, o rei sente medo, mas se recompõe e busca a única saída possível nessas horas: O Deus Todo Poderoso. No Senhor o rei pôs seus olhos e esperou a vitória oferecendo a ele um sacrifício de louvor. Aqui aprendemos preciosas lições.  Estamos todos enfrentando lutas cada vez mais intensas, não podemos abaixar a guarda diante delas.
E é precisamente quando as nossas demandas se tornam sem saída que contamos com as estratégias do céu para vencê-las. Essas estratégias são absolutamente fora do alcance humano. Como podemos cantar estando tristes, assolados e perseguidos por tantos inimigos humanos e espirituais? Aprendemos aqui que as saídas de Deus não cabem na lógica humana tão limitada. No entanto, se passarmos por cima da nossa racionalidade e observarmos essas saídas nos surpreenderemos com os resultados.
Aliás, as respostas de Deus e suas estratégias de ação sempre nos surpreendem. Quando clamamos o Senhor vem em nosso auxílio. O Senhor diz por meio de Jeremias: “Clama a mim e responder-te-ei, anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas que não sabes”. O Senhor se revela aos seus escolhidos lhes dando direções e estratégias de combate no meio das lutas. A luta de um justo é luta de Deus. Nada podemos fazer a não ser orar e confiar que ele moverá águas em nossa direção nos dando a vitória. A obediência de Josafá à direção de Deus fez toda diferença. Quando andamos em obediência o Senhor nos concede “infinitamente mais de tudo aquilo que pensamos ou pedimos, segundo o seu poder que opera em nós”. Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/








quarta-feira, 29 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/PODE UM CRISTÃO FICAR ABATIDO, DESANIMADO?

PODE UM CRISTÃO FICAR ABATIDO, DESANIMADO?

Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai de misericórdias e Deus de toda consolação! É ele que nos conforta em toda a nossa tribulação, para podermos consolar os que estiverem em qualquer angústia, com a consolação com que nós mesmos somos contemplados por Deus. Porque, assim como os sofrimentos de Cristo se manifestam em grande medida a nosso favor, assim também a nossa consolação transborda por meio de Cristo”. II Coríntios 1. 3-5.

                                                              


Busquemos estratégias e respostas de Deus para atravessarmos as tribulações e não nos sentirmos derrotados! O apóstolo Paulo escreveu aos cristãos de Corinto por vários motivos: mas gostaria de destacar o propósito de consolar aqueles que se encontravam abatidos. Paulo traz palavras de ações de graças e de conforto aos irmãos que atravessavam dificuldades, partilhando com eles a sua própria experiência. Paulo aqui em contraste com os falsos apóstolos se mostra fraco e inútil, mas através de sua fraqueza a graça e o poder de Deus são engrandecidos. Temos a tendência de achar que os servos de Deus muito consagrados a ele e a sua obra, não enfrentam lutas e pressões tanto internas, quanto externas. Contudo, esse é um grande engano. Por isso é sempre edificante e terapêutico fazermos releituras constantes de textos bíblicos que nos mostrem o contrário. É sempre bom e confortador observarmos o caminhar de homens e mulheres de Deus como os que estão na grande galeria dos Heróis da fé de Hebreus onze, por exemplo.
Qual o segredo da vitória de Paulo e dos demais ao passarem por lutas e pressões externas e internas? Só há uma resposta. Seu segredo: DEUS. Olhar para Deus, depender de Deus, clamar a Deus, descansar em Deus, se refugiar em Deus. Essa é a grande diferença e o grande segredo da vitória dos seus escolhidos. Quando nos encontramos desanimados e prontos para desistir, devemos mudar o foco de nossa atenção de nós mesmos e dos problemas, para Deus.  O desânimo não faz acepção de pessoas: crente, descrente. Velho, moço. Homem, mulher. Rico, pobre. Todos nós estamos sujeitos a enfrentar momentos de desânimo. Paulo não nega seus sentimentos e Deus também não deseja que neguemos as nossas emoções. O apóstolo no capítulo sete desta epístola diz: “Em tudo fomos atribulados: lutas por fora, temores por dentro”. O Senhor deseja que sejamos absolutamente sinceros com ele em oração. Ouvi certa vez que Charles Spurgeon, considerado um dos maiores pregadores de todos os tempos disse num sermão: “Passo por depressões do espírito tão assustadoras, que peço a Deus que vocês jamais experimentem tais extremos de infelicidade”.
O próprio Paulo diz no contexto lido que passou por tribulações acima das suas forças ao ponto de desesperar da própria vida, ou seja, ele sentiu desejo de morrer. Quantas vezes não nos sentimos assim também? Paulo era semelhante a nós. A Bíblia também diz que Elias, outro grande homem de fé era semelhante a nós, sujeito às mesmas fraquezas. Todos nós estamos sujeitos a atravessar desertos abrasadores.  De repente o que Deus quer com essa luta é completar a boa obra e trabalhar em nosso caráter.

É quando os estreitos se tornam absolutamente instransponíveis que a hora de Deus é chegada, para interferir na situação. Por isso Paulo recorre às ações de graças e procura trazer à memória o que lhe pode dar ânimo e esperança. É precisamente no momento do estreito que precisamos aprender a nos aquietar e nos refugiar em Deus. Só ele preenche o vazio. A nossa Fortaleza é o Senhor e Dele vem o nosso socorro. Se há algo a ser dito neste momento aos que atravessam estreitos e se acham desanimados, é: “Não percam Deus de vista!”. E respondendo a pergunta título: “Abatidos sim, derrotados jamais! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

terça-feira, 28 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/“BUSQUEMOS O SENHOR! QUANDO? HOJE!"

“BUSQUEMOS O SENHOR! QUANDO? HOJE!"    
                                                  ”
 “Buscai o Senhor, enquanto se pode achar; invocai-o, enquanto está perto. Deixe o perverso o seu caminho, o iníquo os seus pensamentos; converta-se ao Senhor, que se compadecerá dele, e volte-se para o nosso Deus que é rico em perdoar”. Isaías 55.6, 7.

                                                                            


Despertemos como igreja a buscar ao Senhor em verdade. O texto citado faz parte de um contexto maior que vai do versículo primeiro até o treze deste capítulo e conclama os seus leitores a buscarem ao Senhor em um grande despertamento espiritual. No versículo três deste capítulo, o Senhor diz através do profeta Isaias: “Inclinai os ouvidos e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei uma aliança perpétua, que consiste nas fiéis misericórdias prometidas a Davi”. Parece um apelo dramático da parte de nosso Pai Celestial. Deus deseja que desfrutemos de um relacionamento intimo com ele. Ele é a saída, ele é a Porta, ele é a possibilidade, ele é a resposta. Contudo precisa ser buscado enquanto se pode achar. O convite gracioso de Deus aqui, diz respeito à salvação, mas podemos aplicá-lo também às nossas vitórias, especialmente na área complexa da santificação progressiva.
Quando olhamos à nossa volta, o panorama é verdadeiramente desolador. Vemos pessoas enlouquecidas correndo de um lado para o outro procurando escapes para os problemas que as assolam. Umas buscam na bebida e nas farras o consolo, outras nas drogas e na prostituição. Quantos pais e mães de família têm deixado o aconchego de seus lares para buscar refúgio lá fora? O homem sem Deus está simplesmente morto em seus delitos e pecados. Nada vai preencher o vazio do seu coração a não ser o Senhor. Mesmo os que estão na igreja por mera religiosidade, não vão ser saciados. É preciso mais que uma fachada religiosa. O Cristo vivo precisa ser plasmado em nós. Ele precisa ocupar todos os nossos espaços, do contrário, o que temos experimentado até então, não passa de simples “igrejismo” ou religiosidade de aparência. 
O Senhor se deixa encontrar quando buscado com sinceridade por aqueles que o invocam. O Senhor se compadece desses. O Senhor perdoa os nossos pecados e apaga as nossas transgressões, nos fazendo novas criaturas. Para aqueles que se posicionam diante dele, dando os passos de fé mencionados pelo profeta Isaías, ele promete ao final deste contexto: “Saireis com alegria e em paz sereis guiados; os montes e os outeiros romperão em cânticos diante de vós, e todas as árvores do campo baterão palmas. Em lugar do espinheiro, crescerá o cipreste, e em lugar da sarça, crescerá a murta; e será isto glória para o Senhor e memorial eterno, que jamais será extinto”. Busquemos ao Senhor, pois só Ele pode encher os nossos espaços! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/



segunda-feira, 27 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/TEMOS UMA NOVA IDENTIDADE, AGORA SOMOS FILHOS DE DEUS!


TEMOS UMA NOVA IDENTIDADE, AGORA SOMOS FILHOS DE DEUS!

 “E porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito do seu Filho, que clama Aba, Pai! De sorte que já não és escravo, porém filho; e, sendo filho, também herdeiro de Deus”.  Gálatas 4.6,7.       

                                                 

                                                   
Como povo de Deus a experimentemos a nossa condição de filhos e herdeiros de Deus. O apóstolo Paulo fala a respeito dessa nossa nova identidade em Cristo. Percebemos aqui, a Trindade toda envolvida nessa experiência pessoal de filiação: Deus, o Pai enviou Jesus, o Filho para morrer por nós. Deus, o Pai enviou o Espírito Santo para habitar em nós. A ênfase dessa passagem não é entre filhos pequenos e adultos, mas entre filhos e escravos. Apesar dos gálatas se comportarem como escravos, eles eram filhos e precisavam se comportar como tal. Por isso Paulo os exorta tão severamente.
A Igreja de Jesus Cristo hoje se divide em duas vertentes: Primeira: Aqueles que externam uma reverência hipócrita e farisaica deixando de experimentar a intimidade com o Pai Celestial, mas parecendo escravos do que filhos. Segunda: Aqueles que extrapolam e manifestam uma intimidade tão irreverente, ao ponto de agirem como se Deus fosse o seu empregado. Agem como se Deus tivesse obrigação de fazer o que eles querem. Precisamos encontrar o equilíbrio de um relacionamento intimo e ao mesmo tempo respeitoso com o nosso Pai Celestial. O que é preciso para alguém se tornar um filho de Deus? A resposta é simples: Crer em Jesus Cristo e o receber como Senhor e Salvador. O Espírito Santo continua ministrando sobre isto desde os dias do pentecostes, a quantos tenham ouvidos para ouvir.
Em sua epístola aos Romanos encontramos o Apóstolo instruindo os seus leitores a cerca desse assunto: “Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, são filhos de Deus”.Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes outra vez atemorizados, mas recebestes o Espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai”. Todo o que é nascido de Deus é filho e herdeiro de Deus. O grande problema, é que insistimos em nos comportar como escravos, por isso é que vivemos atemorizados.  O povo de Deus quando foi libertado do cativeiro do Egito e se dirigia para a Terra Prometida, ainda carregava no peito o peso e o embaraço do cativeiro. Eles haviam saído do Egito, mas o Egito não havia saído dos seus corações. Assim como muitos de nós, fomos libertados do reino das trevas, mas continuamos agindo como escravos do diabo. Essa mentalidade de deserto, de escravidão tem sido cultivada por muitos de nós e precisa ser banida de nosso meio.
Acordemos para a nossa nova realidade! Deus é o nosso Pai e deseja que nos acheguemos a ele como filhos amados e o chamemos de Aba (papai). Ele é o nosso Papai querido que nos vê em secreto e sempre que o buscamos de todo o nosso coração, não voltamos de mãos vazias. Precisamos olhar para a lei (A Palavra de Deus) e obedecê-la, como um ato de amor ao nosso Pai, não por medo do inferno como escravos assustados. Temos um futuro glorioso a nossa frente, porque o nosso Pai Celestial tem entesourado para nós.  Todos os que receberam a Cristo, não são mais escravos, mas filhos e herdeiros, portanto é necessário combater a mentalidade de escravos. Assumamos a nossa condição de filhos e herdeiros, não mais de escravos medrosos. Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/




domingo, 26 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/COMPLETUDE É PARA OS ADULTOS!

COMPLETUDE É PARA OS ADULTOS!

Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé”. II Timóteo 4.7

                                                                     


Tudo concorre para que procrastinemos ou desistamos. E essa falta de completude parece que atinge todas as áreas: emocional, física e espiritual. Cabe a nós resistir bravamente a essa inclinação infantil da nossa parte! Completude é para os adultos. Até quando seremos meninos no proceder? Fechemos ciclos. Subamos degraus. Avancemos! Que sejamos encorajados a não desistir das lutas e desafios diários perseverando na fé até que a carreira seja completada! O texto traz palavras encorajadoras de despedida do apóstolo Paulo. No contexto maior, ele além de prevê seu martírio iminente também encoraja o jovem pastor Timóteo em seu ministério.
Entendemos que a grande jornada de um servo de Deus sobre a terra é feita de muitas jornadas secundárias que se fundem ao final.  É necessário compreender que essas jornadas são recursos didáticos de Deus para crescimento espiritual. Esse treinamento do Senhor visa o nosso fortalecimento e santificação. Nada é aleatório na vida de um servo. Não é porque não entendemos o propósito do Senhor que não vamos prosseguir! A Palavra do Senhor nos adverte que somos entregues a morte todos os dias. As lutas são grandes, mas o Senhor nos capacita a vencer sempre.
O apóstolo João em sua primeira carta revela que “a fé é a vitória que vence o mundo”. Em Romanos Paulo completa a revelação dizendo: “E não somente isto, mas também nos gloriamos nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança”. No meio de nossas lutas precisamos focar no Cristo que é a nossa Esperança Viva! Caso não haja motivação pra prosseguir em nós mesmos, façamos tudo como para o Senhor e não para homens! O Senhor não merece o nosso empenho? Cristão verdadeiro não desiste nunca! A perseverança dos santos é uma das grandes marcas da nossa eleição. Aquele que persevera até o fim será salvo. A perseverança com que perseveramos nas pequenas coisas são treinos, ensaios para a vocação final como eleitos de Deus. Será que somos? Minha mãe costumava dizer: “Pelo toque do zabumba a gente sabe se o boi é bem ensaiado!”.
Como bons soldados arregimentados pelo Grande General precisamos estar a postos em posição ofensiva e defensiva diante dos inúmeros levantes do inferno. A terra não é um parque de diversões, mas uma arena de guerra e a nossa luta não é contra seres humanos, mas contra principados e potestades, contra os príncipes espirituais do mal nas regiões celestes. Isto demanda vigilância e oração constantes. Deixemos as distrações próprias de meninos!
Aqui fala da perseverança que devemos ter como atletas bem disciplinados para completar a carreira que nos está proposta. O verdadeiro santo de Deus não abandona a corrida, mas persevera até o fim, pois sabem em quem crê. O autor de Hebreus citando o profeta Habacuque diz: “Porque, ainda dentro de pouco tempo, aquele que vem virá e não tardará; Todavia, o meu justo viverá pela fé; se retroceder, nele não se compraz a minha alma”.
A prática diária da fé que temos em depósito como bons despenseiros de Deus não pode ser negligenciada. A medida de fé repartida com cada um de nós, pelo Senhor precisa ser manifesta e testemunhada a cada dia com aqueles que estão à nossa volta. Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/




sábado, 25 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/BORBOLETAS E FLORES!

BORBOLETAS E FLORES!

                                                  


Encantei-me com uma frase que li recentemente, desconheço a autoria. Só sei que não é minha! A frase dizia: “Borboleta parece flor que o vento tirou pra dançar!”. Só uma alma sensível poderia captar essa imagem. A frase tem “borboleteado” em minha mente. Lindo demais!
Borboletas remetem a transformação. E transformação invariavelmente pressupõe dores. É incrível como algo que se torna tão belo, surge de forma tão dolorosa. É a lagarta que se revolve dentro do seu casulo até conseguir seu intento. Tornar-se uma linda borboleta! Lagarta que não se esforça jamais chegará à condição de borboleta. E o interessante é que nenhum agente externo pode ajudá-la. São as inevitáveis dores do crescimento pelas quais passamos todos.
Na verdade, se pararmos para pensar descobriremos que estamos sempre passando por um processo transformador que leva a uma mudança efetiva. Somos lagartas e borboletas muitas vezes até completarmos a nossa jornada por esta terra. Esse processo nos atinge por inteiro, física, emocional e espiritualmente. O grande problema é que olhamos só o que está perto e a primeira reação é nos livrar dos agentes dolorosos. Esquecemos que eles são instrumentos de fortalecimento e de grandes transformações. Sempre para melhor! O propósito das dores de hoje só entenderemos amanhã!
Em tempos de busca do prazer pelo prazer é difícil falar de dores, mas elas são inevitáveis! Ah, se encarássemos nossos processos transformadores com outros olhos! Sem tantos dramas, aliás, não gosto dos dramas. Prefiro as comédias! Se percebêssemos quão necessárias são essas dores que nos dilaceram! Olhando para trás, não numa perspectiva saudosista, mas de aprendizado descobrimos que se chegamos até aqui é porque o treinamento valeu a pena! É como soldados arregimentados sendo treinados para o combate!
Desde que nascemos que vamos sendo preparados, treinados e fortalecidos para liberar as borboletas que vivem dentro de nós. Contudo, muitos estagnaram. Coitados! Preferiram continuar como lagartas escondidas em seus casulos. Tinham tanto a doar emocional, profissional e relacionalmente, mas sabotaram o próprio processo de crescimento. Era mais cômodo continuar como lagartas escondidas! Como diria meu marido: “É a lei do menor esforço, ou da maior preguiça!”. Crescer dá trabalho! Essas pessoas tornam-se ácidas, críticas, tóxicas! Acabam sozinhas. Sabem sempre o que os outros devem fazer, mas elas nunca fazem!

Que bom que há os que querem crescer, os que não se importam com as dores, os que se arriscam. Viver é correr riscos. Esses voam alto, bem alto e fazem a diferença nesta terra tão árida de encantos! A esses, o vento espera e elegantemente os tira para dançar! Borboletas são sim, flores dançantes! Que seja assim conosco! Nadia Malta.

Meditação/Nadia Malta/SOMOS MORDOMOS DA DESPENSA DE DEUS!


SOMOS MORDOMOS DA DESPENSA DE DEUS! 

Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus”. I Pe. 4. 10.


                                                     


Na época em que o apóstolo Pedro escreveu esta epístola, o imperador Nero havia desencadeado uma intensa perseguição aos cristãos, obrigando-os a fugir para as regiões mais remotas do império romano. Essa fuga não os livrou da fúria assassina do imperador e muitos cristãos foram martirizados.
Pedro escreve estas palavras prevendo que muitos morreriam inclusive ele. Ele diz para os seus leitores: “O fim de todas as coisas está próximo!” e passa a exortá-los a viverem sob a perspectiva de uma morte iminente. Ele chama a atenção dos seus leitores quanto a um caráter de urgência que deve ser mantido em relação à brevidade da vida. É necessário buscar tanto um viver em crescente santificação, quanto em disponibilidade para o serviço como fiéis despenseiros da multiforme graça de Deus. Isto para que a obra de Deus seja feita sobre a terra o mais rápido possível. Temos acompanhado pela mídia o que tem acontecido à igreja oriental. Permaneçamos em estado de alerta, não sabemos o dia em que partiremos desta terra. Por isso a necessidade de despertar do sono e vigiar. Assim, vivamos sob a perspectiva de uma partida iminente!
As palavras proferidas por Pedro foram dirigidas a crentes. Se o Senhor o chamasse hoje, você estaria preparado? O mesmo caráter de urgência e prontidão trazido aos leitores do passado é trazido hoje a cada um de nós. Se tivermos sentidos espirituais aguçados perceberemos que há um mover de Deus neste mundo para que as profecias em relação às últimas coisas se cumpram. Façamos urgentemente a obra de Deus enquanto é dia! Já começa a anoitecer na terra quando não vamos poder trabalhar!
O apostolo Paulo ratifica as palavras de Pedro e diz em Ef.5.15, 16: “Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, e sim como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus”. Estamos vivendo dias maus sobre a terra, isso é um fato. O Senhor já nos vocacionou como bons despenseiros da multiforme graça de Deus. Será que os nossos atos têm testificado dessa mordomia que será requerida de nós? Somos despenseiros, mordomos da despensa de Deus. E muitas vezes o dono da despensa requer que doemos a nós mesmos! A graça de Deus é multiforme, se manifesta através de várias maneiras por intermédio de nós. Precisamos aproveitar o tempo que temos. E esse tempo se chama hoje. O apóstolo Pedro diz de forma profética: “O FIM DE TODAS AS COISAS ESTÁ PRÓXIMO!”.
O que temos visto à nossa volta? Terremotos, tornados, tsunamis, enchentes, secas, incêndios, a natureza parece que enlouqueceu. São catástrofes de dimensões nunca imaginadas. Quando ouvimos as palavras de Pedro, elas mais parecem manchetes do jornal do dia. Contudo, não precisamos temer. O apóstolo Pedro diz que fomos regenerados para uma viva esperança por meio da ressurreição de Cristo. E o Senhor Jesus diz: “Ora, ao começarem estas coisas a suceder, exultai e erguei a vossa cabeça porque a vossa redenção se aproxima”.

Os crentes precisam se mover, cumprir seu chamado. Falar do amor de Deus, deixar de brigar por bobagem, tirar os olhos desta terra e focá-los na eternidade. Não importa o que está acontecendo no mundo precisamos exercer nossa vocação de despenseiros, custe o que custar. Vivamos como bons despenseiros da multiforme graça de Deus! Sejamos sensíveis a real necessidade à nossa volta! A maior necessidade das pessoas é do próprio Deus! Que o Senhor nos use segundo seus propósitos! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/HONREMOS A CIDADANIA CELESTIAL!


HONREMOS A CIDADANIA CELESTIAL!

Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus”. Filipenses 3.13,14.

                             


Precisamos nos disciplinar como regenerados em Cristo para vencer a grande corrida da fé rumo à santificação, com a finalidade de receber o prêmio da soberana vocação. O texto fala de uma corrida a ser empreendida e o apóstolo Paulo se apresenta como um atleta cheio de vigor espiritual rumo à linha de chegada. Na verdade, nenhum de nós está pronto. Crente pronto, maduro, Deus colhe!
Os estudiosos não apresentam um consenso quanto Ao tipo de corrida aqui descrito: se é uma corrida à pé ou uma corrida de carros não sabemos ao certo. No entanto, o carro grego da época, usado nos jogos olímpicos e em outras atividades nos oferece pistas para entender o texto. Era na verdade uma pequena plataforma com uma roda de cada lado. Para o condutor se equilibrar e controlar os cavalos, precisava se inclinar para frente retesando todos os nervos e músculos. O esforço era muito grande. Imaginamos que Paulo tinha esta corrida em mente ao escrever estas recomendações. O verbo “avançar” aqui, segundo estudiosos significa literalmente: “se esticar como quem está numa corrida”.
O apóstolo aqui não está falando de esforço para obter a salvação, pois sabemos que ela “vem pela graça, mediante a fé, e não por obras para que ninguém se glorie”. A salvação é a grande largada para essa corrida de fé pela santificação. A prerrogativa para o atleta participar da corrida era ter a cidadania grega. Ele não competia para obter a cidadania, nem a perdia se não conseguisse o prêmio. Assim é o cristão, ele precisa ter a cidadania celestial para participar da corrida da fé rumo à santificação, mas não a perde, caso não receba a premiação (galardão).
O cristão corre em sua própria raia. É uma corrida de obstáculos a transpor e objetivos a alcançar. O que falhar perderá a recompensa, o galardão, não a cidadania celestial. Não sabemos o tipo de prêmio que recompensa a “soberana vocação”, suponho que seja alcançarmos a estatura de varões perfeitos conformados à imagem de Cristo, nos esforcemos para alcançá-lo.
As várias modalidades esportivas de hoje nos dão uma ideia do que o apostolo Paulo está falando. Para obter os títulos e premiações em cada uma é necessário grande empenho por parte dos atletas. Ele precisa de horas de treino, alimentação balanceada, abstinência de bebidas alcoólicas, de drogas, horário rígido de sono e muita, muita disciplina. Todo atleta tem um foco bem definido: ganhar em sua modalidade e fazer bonito como representante de seu país. Ele precisa honrar a sua cidadania! O que nos faz pensar que com os cristãos é diferente?
O atleta espiritual deve agir do mesmo modo, ele tem uma cidadania celestial para honrar e defender. O atleta físico corre por uma coroa perecível, nós por uma imarcescível coroa de glória. Não podemos perder de vista que todo dia há um obstáculo a ser vencido, uma dificuldade a ser superada e precisamos nos esforçar para isto. A. W. Tozer diz: “Lute, não há atalhos para a santidade”. Essa corrida pode ser comparada também a uma guerra interior entre a nossa velha carne pecaminosa e o nosso novo espírito recriado pelo Espírito de Deus.
Há pecados a serem abandonados e se não nos empenharmos arduamente, matando a carne de fome, de modo algum alcançaremos a vitória. Há uma corrida à nossa frente, o sinal da largada já foi dado, que possamos nos empenhar para a vitória. Repito: Nenhum de nós está pronto! Há muito ainda a ser alcançado! Corramos e honremos a nossa nova cidadania! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


quinta-feira, 23 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/POR QUE NÃO COGITAMOS DAS COISAS DE DEUS?

POR QUE NÃO COGITAMOS DAS COISAS DE DEUS?

Mas Jesus, voltando-se, disse a Pedro: Arreda satanás! Tu és para mim pedra de tropeço, porque não cogitas das coisas de Deus, e sim das dos homens”. Mateus 16.23

                                                             


Encaremos com olhos espirituais os propósitos das lutas e AFLIÇÕES diárias. A repreensão de Jesus a Pedro é citada por três dos evangelistas: Mateus, Marcos e Lucas, dada a importância do ensino que Jesus queria ministrar. O episódio se deu logo após Jesus predizer a sua morte e ressurreição. Naquele momento Pedro foi repreendido por tentar dissuadir Jesus do propósito para o qual tinha vindo ao mundo. As palavras de Jesus a Pedro no versículo 23 ecoam ainda hoje em nossos ouvidos: “Arreda satanás! Tu és para mim pedra de tropeço, porque não cogitas das coisas de Deus, e sim das dos homens”. Cogitar significa refletir, pensar à respeito, imaginar. O erro de Pedro foi pensar como homem, instigado por satanás, desejando escapar do sofrimento e da morte. Na verdade é isso que todos nós fazemos ante a perspectiva da dor ou da perda. 
Precisamos olhar para o texto que estamos examinando na perspectiva dessas palavras de Jesus a Pedro. Só assim, entenderemos a ideia central apresentada aqui, que é a percepção dos propósitos de Deus para as situações. O Espírito de Deus tem ministrado fortemente ao nosso coração sobre o discernimento espiritual, que devemos ter em relação aos desígnios de Deus nas situações adversas que enfrentamos. Há momentos que tudo nos parece tão injusto, tão incompreensível, que humanamente ficamos sem ação, perplexos. A única explicação plausível é que infelizmente ainda não conseguimos cogitar das coisas de Deus. Todos nós somos míopes espirituais só conseguimos enxergar o que está perto! Confesso que não é fácil falar sobre provações e aflições num tempo em que a maioria dos pregadores, sobretudo, da igreja eletrônica, não cogita das coisas de Deus e sim das dos homens. Apregoam um triunfalismo ufanista absolutamente inconsequente. Quando as pessoas descobrem na prática, que mesmo os cristãos por viverem num mundo caído estão sujeitos a passar por aflições, se decepcionam com Deus.
As pessoas procuram meios para fugir do sofrimento e resolver a qualquer custo os seus problemas. Esse contexto, no entanto, me ensina que o único meio de encararmos a vida e as dificuldades que nos acometem, é cogitar (refletir, meditar, pensar) das coisas de Deus. “Os pensamentos e Caminhos de Deus são infinitamente maiores que os nossos”. Percebemos uma ressurreição do hedonismo, aquela filosofia grega que apregoava a fuga do sofrimento a todo e qualquer custo e a busca do prazer pelo prazer. Esse caminho não procede de Deus. A terra é a arena da nossa santificação, é lugar de lutas, de crescimento e de amadurecimento, não um parque de diversões ou colônia de férias. Ninguém escapa das dores do crescimento, nem física, nem emocionalmente e muito menos espiritualmente.
Não há ressurreição sem cruz, nem vitória sem lutas. Foi assim com Jesus, o ungido de Deus, será assim conosco. As fórmulas mágicas que prometem nos livrar dos sofrimentos nesta vida não procedem de Deus, porque a cruz é uma realidade na vida do cristão para que ele alcance a ressurreição nas suas lutas e aflições diárias. Antes clamemos para que sejamos fortalecidos para enfrentar as dores provocadas pelo peso de nossas cruzes. Que possamos nos disciplinar para desconsiderar os ganhos e facilidades do mundo que tentam nos dissuadir do plano de Deus para nós. Muitas vezes no cenário desse plano tem uma cruz para ser encarada. Que possamos aprender com a ajuda do Espírito de Deus a cogitar das coisas de Deus e não das dos homens.  Que Diante das situações que nos assolam, possamos perguntar: “Senhor, qual o teu propósito para isto?”. Que possamos nos empenhar para realizar as obras de Deus. Realizar obras de Deus= “crer naquele que por ele foi enviado”= Jesus Cristo. Meditemos sobre isto! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


quarta-feira, 22 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/PRESTE ATENÇÃO! VIGIE! PERIGOSO, AFASTE-SE!

PRESTE ATENÇÃO! VIGIE! PERIGOSO, AFASTE-SE!

 “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca”. Mt. 26.41.

                                                     



Andemos prudentemente em oração e vigilância para não ceder aos apelos da nossa carnalidade. Tenhamos cuidado com a tentação, porque os dias são maus e a carne ainda não foi transformada e apela desesperadamente para satisfazer seus apetites!
As palavras deste versículo foram proferidas por Jesus a poucas horas de sua prisão. Mesmo nas horas mais cruciais do Senhor aqui na terra, ele procurou ministrar aos seus discípulos preciosas lições, tendo em vista o que eles haveriam de passar. Nunca essas lições foram tão necessárias quanto nos dias em que vivemos, quando um evangelho raso de facilidades tem sido pregado a fim de atrair seguidores e lotar templos, sem que haja nenhum compromisso com o Senhor.
Naquele dia, o Senhor entrou no Jardim do Getsâmane com seus discípulos e lá, se afastou para um lugar reservado levando consigo Pedro, Tiago e João, seus discípulos mais chegados. Ele os deixou em uma pequena vigília de intercessão, enquanto se afastava para orar sozinho, aquele era um momento dramático e decisivo para ele. Ao voltar por três vezes os encontrou dormindo.
O principal ensino aqui é ressaltar a necessidade de oração e vigilância, sobretudo, em meio às crises e fraquezas pelas quais passamos. Vigiar e orar para nós, cristãos é uma questão de sobrevivência. Por isso, essa grande estratégia foi dada por Jesus aos seus discípulos no apagar das luzes de seu ministério terreno.
Quem precisa vigiar e orar? Todos os crentes: homens, mulheres, jovens, idosos, crianças, adolescentes, veteranos na fé ou novos convertidos. Todos indistintamente. Aprendemos aqui a necessidade de encontrarmos parceiros fiéis na oração e vigilância. Há sempre aqueles irmãos com os quais nos identificamos, procure-os e lhes proponha uma parceria de oração, não apenas para resolver problemas exteriores, mas especialmente para ajudá-lo a resistir às tentações internas mais secretas. Homens de Deus procurem parceiros de oração! Mulheres de Deus procurem parceiras de oração! Cônjuges orem juntos, porque vocês são herdeiros da mesma graça de vida.
Orem concordemente. A Bíblia diz em Mt 18.19, 20: “Em verdade também vos digo que, se dois dentre vós, sobre a terra, concordarem à respeito de alguma coisa, que, porventura pedirem, ser-lhe- á concedida por meu Pai que está no céu. Onde houver dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles”. Na oração de concordância abrimos passagem para Deus.
Há crentes em sua casa? Reúna-os e ore concordemente e você verá a glória de Deus descer na situação. Há lutas a serem vencidas, gigantes a serem derrubados e tentações a serem resistidas, não podemos nos descuidar da oração e da vigilância. Às vezes os maiores gigantes são os desejos malignos que militam em nossa própria carne. Brincar com a tentação achando que não seremos atingidos é como brincar com uma cobra ou escorpião achando que não seremos picados!

Busquemos parceiros confiáveis de oração e vigilância! A oração de concordância move os céus a nosso favor. Jamais fiquemos sozinhos em momentos de intensa luta espiritual. Revelemos o motivo da nossa luta. Jesus revelou o motivo dele aos seus discípulos mais chegados. Reconheçamos e confessemos diante de Deus as nossas fraquezas e inclinações. Confessemos também ao nosso parceiro ou parceiros de oração. Claro, que aqui precisamos ter cautela para não sair falando indiscriminadamente, como é o costume de alguns, dos nossos problemas pessoais. Façamos isto à luz do Espírito Santo. Esses parceiros orarão e vigiarão conosco e nos ajudarão a resistir às tentações. Vigiemos, fiquemos atentos a esses apelos da carne e não brinquemos com o pecado. Oremos, oremos e oremos sem cessar pedindo ao Senhor que nos fortaleça e nos liberte das tentações. Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

terça-feira, 21 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/UMA ENCHENTE TRANSFORMADORA!

UMA ENCHENTE TRANSFORMADORA!

Então, me disse: Estas águas saem para a região oriental, e descem à campina, e entram no mar Morto, cujas águas ficarão saudáveis. Toda criatura vivente que vive em enxames viverá por onde quer que passe este rio, e haverá muitíssimo peixe, e, aonde chegarem estas águas, tornarão saudáveis as do mar, e tudo viverá por onde quer que passe este rio”. Ez 47.8, 9.

                                             



O texto citado faz parte de um contexto maior e fala de uma visão gloriosa dada por Deus ao profeta Ezequiel em um tempo de cativeiro e dificuldade. O profeta é levado à entrada do templo e vê águas que saem do limiar do templo para o oriente. Ele é levado por um homem que se apresenta com um cordel de medir e começa a medir o nível das águas, cada vez que ele mede faz o profeta passar pelas águas, quanto mais ele entra, mais o nível da água sobe. O homem que se apresenta ao profeta parece ser o mesmo do capítulo quarenta, que tinha também um cordel de medir. Uma grande enchente de águas purificadoras descerá do céu e seremos renovados! Ela arrastará tudo que for abalável e transformará a esterilidade em lugar de frutificação! Essas águas são renovadoras e brotam do Trono de Deus. O texto aponta para a magnitude da obra do Espírito Santo de Deus na vida dos fieis.
A vida do servo de Deus é feita de muitas travessias. Tantas quantas sejam necessárias para o seu crescimento e maturidade espiritual (Mar vermelho, Jordão, Jaboque). Deixando de lado a analogia das travessias,  falaremos de uma enchente. Não de uma enchente qualquer, mas de uma enchente de águas purificadoras que descem aos borbotões do Trono de Deus, para inundar a vida dos fiéis. Quem de nós não gostaria de experimentar essa torrente vivificadora do Rio de Deus? Essa torrente é geradora de vida e de mudanças profundas. Aponta para o controle do Espírito Santo sobre a vida do fiel! A visão de Ezequiel nos dá conta, que por onde essa torrente passou tudo ganhou vida. O próprio profeta parece não ter compreendido muito bem aquela visão.
Há um rio cujas águas estão subindo e trarão transformação a quantos crerem e se entregarem ao Deus Vivo. O salmista no Sl 46.4 “diz: “Há um rio, cujas águas alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo”. O santuário das moradas do Altíssimo somos nós e Deus quer nos inundar de sua presença.
O Senhor está enviando um grande torrente do céu sobre o seu povo. A chuva vai cair, será que estamos preparados? Quanto mais avançamos para o Arrebatamento da igreja, mais alto se tornará o nível das águas. Essa torrente nos preparará para viver ou morrer por Cristo! Será que temos tido sensibilidade para perceber isto? Essas águas trarão vida por onde passarem. Que possamos receber da força vivificadora desse rio de Vida, em nome de Jesus Cristo! Essas águas também trarão purificação e conserto. Muitos ficarão de fora por causa da rebelião e resistência à Palavra de Deus. Que venham as Águas! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


segunda-feira, 20 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/PARE, OLHE, ESCUTE E AJA!

PARE, OLHE, ESCUTE E AJA!

Mas aquele que considera, atentamente, na lei perfeita, lei da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte negligente, mas operoso praticante, esse será bem-aventurado no que realizar”. Tiago 1. 25.

                                         



Exortemo-nos como igreja a alcançar o alvo do padrão de Deus através da prática da sua Santa Palavra. Na vida de um servo de Deus que anda em fidelidade, até quando tudo dá errado dá certo! A Epístola de Tiago é considerada a mais prática das epístolas gerais. A linguagem do meio irmão de Jesus é direta e pastoral. O autor tinha em mente os crentes fiéis que passam por provas e testes de Deus, com o fim de serem exemplo de uma “religião pura”. Ele também foca os que se dizem cristãos, mas na verdade são carnais e egoístas, a esses Tiago repreende com vigor.
O texto citado fala a cerca da prática da Palavra de Deus, não como um cumprimento mecânico de regras pesadas, mas como um alvo a ser atingido, se quisermos alcançar a bem-aventurança tão desejada. A Palavra de Deus é chamada por Tiago de Lei Perfeita, Lei da Liberdade.
Observando o grande mover de Deus percebemos uma preparação dos crentes para uma vida santa de adoração genuína e testemunho. Cremos que seja o Senhor adornando a sua Noiva para o encontro glorioso com ele.
Mesmo à despeito das loucuras apregoadas em nossos dias em termos teológicos, há muita gente séria e comprometida com Deus, que têm sofrido dores de parto para que Jesus Cristo seja plasmado nos corações daqueles que se dizem cristãos. Há muitos joelhos que não se dobraram aos baalins modernos!
Estamos vivendo um momento onde as pessoas anseiam por resultados. Todos querem ser bem sucedidos. Aliás, produtividade tem sido palavra de ordem nos tempos atuais.  Todos querem numa certa medida mostrar desempenho! Todos buscam meios mágicos para sair das dificuldades. E muitas igrejas ditas cristãs prometem estes meios de maneira antibíblica à custa da boa fé dos tolos.
O texto de Tiago nos aponta um único caminho para a bem-aventurança. Caminho esse que passa pela observação da Palavra de Deus chamada por Tiago de Lei Perfeita e Lei da Liberdade porque não nos obriga a fazer nada que nós realmente não queiramos fazer. De acordo com essa Lei Perfeita, quando abandonamos determinada prática, é porque fomos constrangidos pelo Espírito Santo que habita em nós a nos esvaziar dela. Essa Lei perfeita não força, liberta. Não obriga, convence.
A religiosidade pode mudar a aparência de uma pessoa, enquanto o relacionamento íntimo com Jesus muda o caráter, a essência dessa pessoa, repercutindo em todas as áreas de sua vida: espiritual, emocional e física. Ela não quer mais as coisas do trato passado, porque foi esvaziada delas, não por uma exigência religiosa ou eclesiástica, mas por um novo nascimento, pela regeneração do seu espírito morto. Os verdadeiramente regenerados são transformados! Em Mt 5.48 Jesus diz: “Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso pai celeste”. Perfeito tem o sentido de maduro.

A regra de ouro dessa Lei está em Mt 7.12: “Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles; porque essa é a Lei e os Profetas”. Precisamos nos guardar a nós mesmos incontaminados do mundo. Quando agirmos assim seremos bem-aventurados no que realizarmos. Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

domingo, 19 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/JESUS, A ÁGUA VIVA QUE NOS REFRIGERA!

JESUS, A ÁGUA VIVA QUE NOS REFRIGERA!

Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados, a fim de que, da presença do Senhor, venham tempos de refrigério, e que envie ele o Cristo, que já vos foi designado, Jesus”. Atos 3.19,20

                                                                      



Experimentemos o verdadeiro refrigério interior que só pode vir a partir do arrependimento sincero e da conversão genuína a Cristo Jesus. É como um derramar de água em uma terra desertificada! O texto citado faz parte do segundo sermão proferido pelo apóstolo Pedro, logo após a cura de um coxo à porta do templo. À vista daquele milagre, o povo correu atônito, diz o texto, para junto de Pedro e João. Diante daquela reação do povo, Pedro de forma veemente diz: “Israelitas, por que vos maravilhais disto, ou por que fitais em nós os vossos olhos como se pelo nosso próprio poder ou piedade o tivéssemos feito andar?”- v.12.
Pedro preocupa-se em tirar os méritos dados a ele e a João pelo povo, por conta da cura do coxo. A honra e a glória daquela situação precisavam ser dadas unicamente a Jesus. Isso deveria ficar muito bem explicado. Como os líderes de hoje necessitam aprender essa verdade! Por isso mais adiante Pedro arremata: “pela fé em o nome de Jesus, é que esse mesmo nome fortaleceu a este homem, que agora vedes e reconheceis; sim, pela fé que vem por meio de Jesus, deu a este saúde perfeita na presença de todos vós”.
Se cuidadosamente atentarmos para esse segundo sermão de Pedro, especialmente os versículos lidos no início veremos que ele é uma conclamação ao arrependimento e a conversão dos pecadores. No entanto, ao mesmo tempo procura chamar atenção dos seus ouvintes para o poder perdoador e sarador de Jesus Cristo.
O tempo passa, as coisas evoluem, mas a natureza humana age sempre da mesma maneira descompromissada, egoísta e alheia à vontade de Deus. Precisamos permitir que o Senhor opere as mudanças necessárias em nós. Apenas uma coisa deve permanecer para sempre: A PALAVRA imutável de Deus. Os céus e a terra passarão, os poderes cósmicos serão irremediavelmente abalados, mas da PALAVRA Viva de Deus, nem sequer um til PASSARÁ. Tudo se cumprirá! Isso gera em nós uma viva esperança, porque a Palavra Viva de Deus é JESUS CRISTO.
É comum ouvirmos expressões como: “Só Jesus!” ou “Só a graça!”. O que dá no mesmo. Ah, se compreendêssemos o real sentido dessas palavras! Na verdade, só Jesus pode mudar a nossa vida, a nossa história. Só ele pode firmar o andar trôpego dos que coxeiam. Só ele pode salvar os que perecem na imundícia do pecado. Só ele pode purificar os leprosos. Só ele pode restaurar a visão dos cegos. Só ele pode libertar os cativos. Só ele pode perdoar pecados e trazer refrigério a corações quebrantados. O povo nos dias de Pedro ansiava tanto por refrigério, quanto nós hoje.

Que possamos tirar a maquiagem do pecado.  Pecado tem nome e sobrenome. Desmascaremos o nosso pecado hoje, em nome de Jesus! O pecado é alimento da carne e é ração de demônio. A ordem de Deus é matar a carne de fome, no que diz respeito ao pecado. O grande problema é que enquanto alguns criam animais de estimação como gato e cachorro, outros têm criado demônios, aos quais têm alimentado e fortalecido com os seus próprios pecados. O arrependimento leva a conversão, ou seja, a mudança de mente leva a mudança de rumo. E tudo que Deus deseja é que mudemos de rota e passemos a andar Nele. JESUS é o CAMINHO, lembra? A melhor apologia (defesa) da fé cristã éa evidencia de uma vida transformada. Não ouça as palavras, olhe os atos. O mesmo nome poderoso de Jesus Cristo que firmou os pés daquele coxo pode mudar a vida de qualquer um hoje! Não é a igreja, a denominação ou o pastor que faz isso, é JESUS! Pensemos nisto. Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

sábado, 18 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/DECIDAMOS HOJE MUDAR DE ROTA !

DECIDAMOS HOJE  MUDAR DE ROTA!



Portanto, eu vos julgarei, a cada um segundo os seus caminhos, ó casa de Israel, diz o SENHOR Deus. Convertei-vos e desviai-vos de todas as vossas transgressões; e a iniquidade não vos servirá de tropeço. Lançai de vós todas as vossas transgressões com que transgredistes e criai em vós coração novo e espírito novo; pois, por que morreríeis, ó casa de Israel? Porque não tenho prazer na morte de ninguém, diz o SENHOR Deus. Portanto, convertei-vos e vivei”. Ezequiel 18.30-32


                                                                  


Precisamos mudar de rota. Mudar de mente. Mudar de rumo! A direção? Deus! O caminho? Cristo! O texto citado faz parte do contexto do capítulo 18 do livro profético de Ezequiel e fala da responsabilidade pessoal em relação ao pecado. Se lermos todo o contexto veremos que ele coloca uma pá de cal sobre a questão complicada da maldição hereditária defendida por alguns. Logo no início do capítulo encontramos o Senhor falando pela boca do profeta dizendo o seguinte: “Que tendes vós, vós que, acerca da terra de Israel, proferis este provérbio: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos é que se embotaram? Tão certo como eu vivo, diz o SENHOR DEUS, jamais direis este provérbio em Israel. Eis que todas as almas são minhas; como a alma do pai, também a alma do filho é minha; a alma que pecar, essa morrerá”. Deus não tem netos, só filhos!
Assim como a salvação é pessoal e intransferível, o pecado também. O  que acontece é que casa de pai é escola de filho. Se o filho andar pelos caminhos do pai é porque aprendeu com ele. Sejam esses caminhos bons ou maus. E cada um responderá por suas ações e inclinações. Os filhos ceifam a sua própria semeadura, não a semeadura dos pais, ou seja, os filhos ceifam as punições dos pais se andarem em seus maus caminhos. Tem algo que não podemos perder de vista em nenhum momento da nossa caminhada, para a nossa própria saúde espiritual e emocional: A obediência está para a bênção, como a maldição está para a desobediência. As ações não salvam, mas testificam da salvação, de um viver transformado.
Em tempos de politicamente correto e de relativismos, a mensagem pregada hoje parece influenciada por essa tendência. O que foi feito da ousadia dos pregadores do passado? Pecado tem que ser chamado pelo nome, não podemos minimizá-lo usando termos como deslize, tropeço, falha ou coisa semelhante. “O pecado é muito mais do que uma atitude ou uma série de atitudes; é a constituição do próprio homem” diz Arthur W. Pink. Na verdade, “não somos pecadores porque pecamos, pecamos porque somos pecadores”. Pecar é errar o alvo estabelecido por Deus e ele vai pedir contas sim. O alvo de Deus é a obediência, o fim da Lei é Cristo para todo aquele que crê.
Por isso é necessário que com ousadia proclamemos em tempo e fora de tempo que o inferno é real, que usar dois pesos e duas medidas não é de Deus e que o único Caminho que nos leva a Deus é Cristo. Jesus é o único mediador da Nova Aliança, é o Verbo de Deus, é o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores. Quem ainda não foi alcançado pela misericórdia de Deus e sentiu seus olhos abertos para esta mensagem de vida eterna, precisa hoje entregar-se a Cristo. E quem já foi precisa andar em novidade de vida, abandonar as velhas inclinações. Converter-se, mudar de mente, mudar de rota!

Que nos arrependamos e nos desviemos do mal. Que não voltemos às velhas práticas do passado. Que busquemos viver em novidade de vida de acordo com o coração novo e o espírito novo que recebemos. Que nos arrependamos e vivamos em plenitude! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Meditação/Nadia Malta/NAS TRILHAS DA ORAÇÃO!

NAS TRILHAS DA ORAÇÃO!

Inclina, ó Deus meu, os ouvidos e ouve; abre os olhos e olha para a nossa desolação e para a cidade que é chamada pelo teu nome, porque não lançamos as nossas súplicas perante a tua face fiados em nossas justiças, mas em tuas muitas misericórdias. Ó Senhor, ouve; ó Senhor, perdoa; ó Senhor, atende-nos e age; não te retardes, por amor de ti mesmo, ó Deus meu; porque a tua cidade e o teu povo são chamados pelo teu nome”. Daniel 9.18,19

                                             



Percorramos as trilhas da oração encontradas na Palavra de Deus e perseveremos sempre nessa prática espiritual. Esta oportuna oração do profeta é um clamor pela misericórdia de Deus por causa do pecado do povo. Aqui o profeta reconhece o pecado do povo e se inclui no meio dele e prostrado pede perdão. A Bíblia para o cristão verdadeiro é a única regra de fé e prática em tudo que diz respeito à vida e à piedade. Visto que, para nós não há uma separação entre vida espiritual e vida secular, e sim vida transformada pelo Espírito aonde quer que estejamos.
Quando pensamos em oração, precisamos percorrer especialmente a vereda dos salmos, chamada de grande escola da oração, bem como, a vida de oração de homens e mulheres de Deus, mencionados nas Escrituras. O testemunho deles é digno de ser seguido. Com a proliferação da teologia da prosperidade alardeada, sobretudo, pelos meios de comunicação, as pessoas não querem investir numa vida sistemática de oração.

Oração é diálogo íntimo com o Senhor. E diálogo demanda intimidade relacional, que por sua vez é construída a partir de um andar diário com o Senhor.  Esse relacionamento íntimo foi trocado por um toma lá da cá, que não nutre nem edifica o discípulo. Que possamos voltar às Escrituras e percorrer as trilhas da oração com o propósito de nos instruir nessa prática espiritual imprescindível na vida dos que dizem servir ao Senhor. Ouçamos os servos de Deus do passado orando. Sigamos seus exemplos. Um coração quebrantado e contrito agrada ao Senhor e ele não despreza. Devemos sim reconhecer e confessar pecados na presença do Pai. Tanto pecados pessoais quanto nacionais, como povo. Reconheçamos que as assolações sofridas são frutos de nossas desobediências. Vamos ao Senhor confiados nos méritos de Jesus, não nos nossos, pois até as nossas justiças são como trapos de imundícia. Clamemos ao Senhor! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

Você poderá gostar também de...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...