quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/ELE É O NOSSO SUPREMO REFRIGÉRIO!

ELE É O NOSSO SUPREMO REFRIGÉRIO!

O Senhor é o meu pastor; de nada terei falta. Em verdes pastagens me faz repousar e me conduz a águas tranquilas; restaura-me o vigor. Guia-me nas veredas da justiça por amor do seu nome”. Salmos 23:1-3.

                                                                                             


Todas as vezes que leio este salmo sou remetida a um lugar aprazível de acolhimento, refrigério e folga! Claro que falo sobrenaturalmente, como se fôssemos transportados em espírito para esse lugar indizível onde nada pode nos afetar ou molestar! Andamos todos nós, tão necessitados de experimentar esse bem-estar interior que não se pode descrever com palavras! Ansiamos por um mover sobrenatural que nos suspenda da terra e nos faça experimentar aquele lugar privilegiado de assentados nas regiões celestiais em Cristo. Já cremos, ansiamos por viver essa experiência gloriosa!

Todos os que têm minimamente familiaridade com a Palavra de Deus conhecem as palavras encorajadoras deste belo poema de Davi. O salmista começa encorajando seus leitores com a certeza de que o Senhor é o seu pastor e nada poderá lhe faltar. É a bênção da provisão. Segundo a tradição, este salmo foi escrito em um dos momentos em que o salmista experimentava um oásis em meio às muitas perseguições. Davi foi um, homem de muitas batalhas, apesar de todos os pesares ele seguia em frente por saber em quem cria. Ele sempre esperava em Deus a provisão, o renovo, a presença e a providencia independente do que estivesse passado.

Assim todos os cristãos, mais que em todas as épocas precisam buscar o Senhor nesse nível de intimidade. São muitas as frentes de combate que têm se levantado para nos assolar. Buscar esse Lugar/Pessoa como refugio e Refrigério é uma questão vital de sobrevivência! Mesmo que precisemos atravessar os vales mais tenebrosos, aqueles de sombra e de morte, Ele atravessará junto conosco. Nunca estamos sozinhos! É promessa do Supremo Pastor! Ele nunca nos permite entrar em uma batalha sem nos abastecer do seu vigor e da sua força. O salmista fala da sua experiência dizendo: “Em verdes pastagens me faz repousar e me conduz a águas tranqüilas; restaura-me o vigor. Guia-me nas veredas da justiça por amor do seu nome”. Precisamos nos deixar guiar, não existe ovelha autônoma. Somos todos dependentes do Supremo Pastor!

Deste lado da eternidade as batalhas não cessam, por isso precisamos a todo o momento buscar esse vigor que vem do céu. De lá vem a nossa força que emana dele.  Nele somos supridos, revigorados, fortalecidos, alimentados, dessedentados e guiados continuamente aconteça o que acontecer. Não estaremos sozinhos. Ele é o Pastor que sustenta, guia, protege e corrige se necessário for. Ele não abandona nunca. O que precisamos então? Tirar os olhos das circunstancias e ousar confiar na ação efetiva desse pastoreio apesar de todos os pesares. Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/LOCAL DE TRABALHO TAMBÉM É LUGAR DE TESTEMUNHO!

LOCAL DE TRABALHO TAMBÉM É LUGAR DE TESTEMUNHO!

Sirvam aos seus senhores de boa vontade, como ao Senhor, e não aos homens, porque vocês sabem que o Senhor recompensará a cada um pelo bem que praticar, seja escravo, seja livre”. Efésios 6.7,8.

                                                                                           


O apóstolo Paulo em suas palavras finais nesta epístola que apresenta a Igreja como Corpo Vivo de Cristo sobre a terra traz orientação para todas as relações humanas. Ele fala sobre os vários relacionamentos pessoais e familiares, como também traz uma palavra lúcida para os que trabalham e são assalariados. Naqueles dias havia aqueles que possuíam escravos e os cristãos até nessa relação tão difícil deveriam fazer a diferença. Hoje podemos fazer uma aplicação às relações profissionais. Mais que dar bons testemunhos precisamos ser bons testemunhos!

Nunca foi tão imperioso ser um bom testemunho. A fé decantada tem perdido terreno para a fé praticada. Temos repetido inúmeras vezes neste espaço, que o cristianismo é relacional, não meramente teórico. Se a fé que professamos não é transformadora, é uma fé morta, sem resultados. E esse tipo de fé não convence ninguém! Isto nos faz lembrar um episódio ocorrido no passado. O reformador Lutero ao ser indagado por um sapateiro como deveria fazer a obra de Deus, responde o Reformador: “Faça um bom sapato e venda-o por um preço justo e você estará fazendo a obra de Deus”!

A lição dada por Lutero deve reverberar em nossos corações, ou seja, em ser um bom testemunho em nosso ambiente de trabalho, estaremos testemunhando do que se operou em nós. As palavras do apóstolo Paulo nos instruem a servir aos nossos patrões de boa vontade como ao Senhor, e não simplesmente aos homens. Do Senhor receberemos a recompensa pelo bem que praticamos, sejamos escravos ou livres! Uma das coisas que tem sido um péssimo testemunho é a leitura da Bíblia no horário do expediente, por exemplo. São muitos os cristãos que fazem isso e acham que estão certos!

Acompanhei um caso típico desses. Há alguns anos atrás recebi uma jovem vinda de outra comunidade que estava desolada por não parar em emprego algum. Ela não conseguia passar do tempo regular de experiência ou adaptação, logo era demitida. Ela se sentia injustiçada e perseguida pelo fato de ser cristã. Pedi que ela me relatasse a sua rotina no trabalho. E ela me contou que chegava sempre no horário e assim que chagava abria a sua Bíblia e ia ler. E sempre que ela conseguia uma brechinha no expediente lá estava ela outra vez lendo a sua Bíblia. Argumentei com ela que lugar de ler a Bíblia era em casa e no trabalho era lugar de testemunhar com atitudes sobre aquilo que ela havia lido! E enquanto ela lia a Bíblia no horário do expediente ela estava roubando o seu patrão, pois ele não lhe pagava o salário para ler a Bíblia, e sim para fazer o trabalho contratado por ele. Postura corrigida, emprego garantido. Ela acabou entendendo e se tornando uma excelente profissional. Vejamos a nossa postura no ambiente de trabalho! Façamos tudo para a glória de Deus! Assim, local de trabalho também é lugar de testemunho. Bom Testemunho! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/NECESSITAMOS DE UMA REFORMA INTERNA!

NECESSITAMOS DE UMA REFORMA INTERNA!

Ele saiu para encontrar-se com Asa e lhe disse: "Escutem-me, Asa e todo o povo de Judá e de Benjamim. O Senhor está com vocês quando vocês estão com ele. Se o buscarem, ele deixará que o encontrem, mas, se o abandonarem, ele os abandonará. Durante muito tempo Israel esteve sem o verdadeiro Deus, sem sacerdote para ensiná-lo e sem a Lei. Mas em sua angústia eles se voltaram para o Senhor, o Deus de Israel; buscaram-no, e ele deixou que o encontrassem”. 2 Crônicas 15.2-4.

                                                                                                


Neste mês comemoramos os 500 anos da Reforma Protestante. É um tempo de reflexão profunda sobre a fé e o relacionamento íntimo com o Deus Vivo. O que foi que mudou? O que foi que alcançamos durante esses cinco séculos? Deparei-me hoje com esse texto que se reporta ao relato da reforma religiosa feita pelo rei Asa. Esse rei fez o que era bom diante do Senhor! Busquemos a santificação sem a qual não veremos a Deus. John Wesley disse: “A conversão tira o homem do mundo; a santificação tira o mundo do homem”. Não existe a primeira sem a segunda. Elas andam em unidade! Se não há santificação nunca houve conversão de fato!

Vivemos dias de grandes apostasias. Nega-se a fé por tudo e por nada. Muitos que foram criados nos caminhos do Senhor têm abandonado a sua fé e se voltado para outros “deuses”, que não têm necessariamente forma visível ou sequer são feitos de pedra e cal. Contudo, estão lá entronizados nos corações que antes tinham o Senhor no centro! Creio firmemente que estamos todos em um grau maior ou menor necessitados de uma reforma interna! Temo que para isto seja necessária uma grande perseguição! Parece que só se busca ao Senhor em meio às grandes aflições.

Lendo o relato da reforma do rei Asa encontramos aqui algumas coisas que chamaram a nossa atenção. O profeta Azarias trouxe uma palavra da parte de Deus para o rei e seu povo. O povo havia abandonado o seu Deus e ele por meio do profeta diz: "Escutem-me, Asa e todo o povo de Judá e de Benjamim. O Senhor está com vocês quando vocês estão com ele. Se o buscarem, ele deixará que o encontrem, mas, se o abandonarem, ele os abandonará”. Não seria isto que tem acontecido com muitos em nosso meio? O Senhor diz por meio do profeta Jeremias: “Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração serei achado de vós”. Aqui está o grande segredo: a sinceridade de coração nessa busca. As orações maquinais e estereotipadas não chegam ao Trono, nem convencem o Senhor.

Em sua reforma o Rei depôs até a rainha mãe por ter se voltado para outros deuses. Por que não agimos à semelhança de Asa: Recobrando o ânimo, destruindo e lançando fora as abominações que às ocultas entronizamos em nossos corações, renovando a aliança com o Senhor reerguendo o seu o altar? Talvez essa seja a reforma mais eficaz que precisamos fazer em caráter de urgência! As mudanças externas são meras maquiagens religiosas. Que possamos fazer como Josué, e tomar uma posição radical: “Se, porém, não lhes agrada servir ao Senhor, escolham hoje a quem irão servir, se aos deuses que os seus antepassados serviram além do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra vocês estão vivendo. Mas, eu e a minha família serviremos ao Senhor". Nunca foi tão necessário esse posicionamento. Sirvamos em santificação e honra! Quer vivamos, quer morramos somos do Senhor! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


domingo, 15 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/APEGUEMO-NOS A BENDITA ESPERANÇA!

APEGUEMO-NOS A BENDITA ESPERANÇA!

                                                                                             

Apeguemo-nos com firmeza à esperança que professamos, pois aquele que prometeu é fiel”. Hebreus 10.23.
                                                                                             


O contexto todo aqui fala do privilegio e da responsabilidade que os cristãos têm de poderem entrar no Santo dos Santos. Esse acesso à presença de Deus foi conquistado pelo sacrifício do Cristo. O sacrifício único e perfeito do Cordeiro de Deus sem defeito e sem mácula nos facultou esse privilegio. O véu do santuário foi rasgado e agora podemos adentrar ali. E à esse respeito o autor desta epístola diz: “Portanto, irmãos, temos plena confiança para entrar no Santo dos Santos pelo sangue de Jesus, por um novo e vivo caminho que ele nos abriu por meio do véu, isto é, do seu corpo”.

Podemos nos alegrar nessa bendita Esperança que é o próprio Cristo redivivo.  E tudo que ele nos prometeu cumprirá! Ele é Fiel e é tudo em todos! No meio das nossas lutas que não são poucas tendemos ao desânimo. A cada dia somos surpreendidos com situações que nos tiram o chão e o fôlego. Nesses momentos mais que em qualquer outro precisamos manter viva a Esperança e mais que isso, nos apegar com confiança a ela. O Senhor é aquele que nos sustenta com a sua mão direita fiel. Há momentos em que baqueamos? Muitos, sem dúvida, mas precisamente nesses momentos podemos ver a mão do Senhor conduzindo todas as coisas!

Na verdade, aquilo que imaginávamos que não iríamos suportar e eis que somos surpreendidos com uma força que desconhecíamos até então. Aqui somos instados a nos apegar com firmeza à Esperança que professamos, pois Aquele que fez a promessa é fiel para cumpri-la. Ele não prometeu dias fáceis, prometeu mais que isso: Garantiu a sua presença até a consumação dos séculos. Assim, não atravessaremos os vales sombrios que tanto tememos sozinhos. Ele passará conosco! O que mais podemos querer? A sua vara e o seu cajado nos consolarão!

Gosto demais da palavra Esperança. Sou encorajada por ela a seguir, especialmente por saber que para nós, Esperança é mais que uma simples expectação positiva ou uma bela idéia teológica, mas uma pessoa chamada Cristo Jesus! Enquanto deste lado da eternidade, estamos sujeitos a muitos estreitos e desertos abrasadores, mas sigamos firmes na Bendita Esperança que professamos! Adentremos no Santo dos Santos em plena confiança e ali pleiteemos as nossas causas diante Daquele que tem Todo o Poder! Ele é gracioso e compassivo e ouve o clamor do seu povo! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

sábado, 14 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/NÃO AMEMOS O MUNDO... ELE PASSA!

NÃO AMEMOS O MUNDO... ELE PASSA!

Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele. Pois tudo o que há no mundo — a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens — não provém do Pai, mas do mundo. O mundo e a sua cobiça passam, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre”. 1 João 2.15-17.

                                                                                            


Dizer que Jesus está voltando é dizer o óbvio, pois todo aquele que tem minimamente familiaridade com a palavra de Deus percebe isto. Os sinais estão todos à nossa frente para testificar dessas coisas. Vivemos inegavelmente dias escatológicos. São muitos os sinais: Guerras, rumores de guerras, fome, pestes as mais estranhas e letais, a inversão de valores, a violência exacerbada, o amor que tem não só esfriado, mas congelado nos corações. Há ainda as muitas catástrofes naturais que tem matado a muitos sem falar na perseguição cada vez mais intensa aos fieis. Essa pequena lista é só para não perder de vista o que a Bíblia tem falado à respeito do assunto!

O apóstolo João aqui chama a atenção dos seus leitores para a ação do mundo como um dos inimigos de Deus e do seu povo. Na verdade são três os inimigos de Deus: O mundo, o Diabo e a Carne. Eles trabalham em unidade, como uma trindade maligna. A Carne clama pelo pecado, o Mundo oferece-lhe as possibilidades e o Diabo estimula, sobretudo, com os velhos jargões: “Não tem nada demais” ou "isso é normal todo mundo faz"! Cabe a nós estarmos atentos e em oração constante para não cair no laço do adversário! Não podemos perder de vista: Estamos no mundo, mas não pertencemos a ele!

Nos versículos citados João alerta seus leitores quanto à necessidade de rejeitar aquilo que o mundo tão avidamente oferece. Ele diz: “Pois tudo o que há no mundo — a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens — não provém do Pai, mas do mundo”. Essas três frentes mencionadas são terríveis. Primeiro a cobiça da carne. Esses desejos malignos da velha natureza que insistem em prevalecer. Jesus quanto a isto diz: “Se o teu olho te faz pecar, arranca-o de ti, melhor que entres no reino cego do que tendo os dois olhos todo o teu corpo vá para o inferno”. Do mesmo modo ele alerta quanto às mãos e os pés quando querem nos fazer pecar fazendo coisas que o desagradam ou indo em direção contrária à sua vontade. Nem tudo convém ao Povo da Cruz!

Em seguida vem a Cobiça dos olhos e a ostentação dos bens. Esses dois últimos andam juntos e fazem uma dobradinha e tanto. Sobretudo, em um tempo em que o Ter tem se sobreposto ao Ser. Tudo tem sido tão bem orquestrado que estamos expostos aos tentáculos malignos que de todos os modos tentam nos tragar. Aqui vigilância e oração são palavras de ordem! O grande desafio é não amar o mundo e suas ofertas malignas. Vigiemos! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/ESTA É A ÚLTIMA HORA...

ESTA É A ÚLTIMA HORA...

Filhinhos, esta é a última hora; e, assim como vocês ouviram que o anticristo está vindo, já agora muitos anticristos têm surgido. Por isso sabemos que esta é a última hora. Eles saíram do nosso meio, mas na realidade não eram dos nossos, pois, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; o fato de terem saído mostra que nenhum deles era dos nossos”. 1 João 2.18,19.

                                                                                           


O apóstolo João fala aqui neste contexto dos muitos anticristos que têm se levantado mundo a fora. Ele fala daqueles que saíram do nosso meio, embora, não sejam dos nossos, como ele mesmo diz. O apóstolo chama esta de última hora. De que realmente ele está falando? Do tempo profético que compreende desde a ascensão de Jesus até a sua Segunda Vinda. Nessa “ultima Hora” muitos anticristos têm surgido para negar o Soberano Senhor e confundir a cabeça dos incautos e pouco instruídos na Palavra de Deus.

Nunca foi tão necessário a busca pela presença do Santo. É imperioso nos inundarmos de sua gloriosa presença para não nos deixarmos enganar pelos falsos ensinos e vãs filosofias que têm proliferado ao longo dos séculos. Na seqüência o apóstolo diz: “Mas vocês têm uma unção que procede do Santo, e todos vocês têm conhecimento. Não lhes escrevo porque não conhecem a verdade, mas porque vocês a conhecem e porque nenhuma mentira procede da verdade”. Assim, estas palavras são para os que realmente conhecem a Verdade.

Todo aquele que nega o Cristo, seja com palavras ou atitudes, este é o anticristo ou um tipo de anticristo. E temos testemunhado a presença de muitos com seus relativismos e pensamentos contrários à Palavra de Deus. Temos sido chamados de “Povo Incômodo” por não negociar os inegociáveis absolutos de Deus. Há uma tentativa ininterrupta de distorcer a verdade. De manipular princípios e valores nunca antes visto. À medida que se aproxima a Segunda Vinda essa tendência ganha mais e mais adeptos. Oremos e vigiemos!

João continua instruindo seus leitores quanto a essas coisas que aconteceriam nesta “última hora”. Ele diz: “Quanto a vocês, cuidem para que aquilo que ouviram desde o princípio permaneça em vocês. Se o que ouviram desde o princípio permanecer em vocês, vocês também permanecerão no Filho e no Pai. E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna. Escrevo-lhes estas coisas a respeito daqueles que os querem enganar”. Permanecer na Verdade é o grande desafio. E a nossa oração é para que os nossos queridos não sejam tragados pelo ministério do engano que já opera! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/COM SAUDADES DE DEUS!

COM SAUDADES DE DEUS!

Como a corça anseia por águas correntes, a minha alma anseia por ti, ó Deus. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando poderei entrar para apresentar-me a Deus? Minhas lágrimas têm sido o meu alimento de dia e de noite, pois me perguntam o tempo todo: "Onde está o seu Deus”? Salmos 42.1-3.

                                                                                              


Alguns estudiosos dizem que este salmo forma uma única peça com o salmo seguinte. Este é atribuído aos filhos de Coré ou Corá e o seguinte está posto como anônimo. Ambos falam de uma saudade no coração do salmista. Embora o texto citado tenha autoria conhecida, quase podemos sentir o cheiro davídico nessas palavras tão tocantes. Podemos perceber os sentimentos do salmista em conflito. Encontramos aqui um misto de alegria e tristeza profunda; de fé e certa dúvida; angustia e renovo. Tudo ancorado por uma saudade incurável da presença do Senhor! Parece que ele só encontra refrigério e conforto em Deus! Como li essa semana: “Saudade quando não cabe no peito escorre na forma de lágrimas”! E como ela tem escorrido nos últimos tempos!

Uma das sensações mais inquietantes para um cristão é o silêncio de Deus, sobretudo, naquelas horas de solidão profunda. É nessas horas que ansiamos por uma intervenção sobrenatural, desejamos que ele fenda os céus e nos acuda, como desejou com tanta sofreguidão o profeta Isaías! Quantos de vocês que estão agora lendo estas palavras, não estão se sentindo assim agora? Acredito mesmo que a esmagadora maioria. Quero confessar que tenho me sentido assim nos últimos tempos! Temos experimentado lutas sem trégua. São cargas sobre cargas, ainda bem não saímos de uma situação logo outra vem nos assolar. É como o próprio salmista afirma: “Abismo chama abismo ao rugir das tuas cachoeiras; todas as tuas ondas e vagalhões se abateram sobre mim”. Equivale aquele ditado popular que diz: Uma desgraça nunca vem sozinha!

Há um anseio no coração do salmista que encontra eco em nossos próprios corações! Estamos desejosos de refrigério e folga. Isto nos faz lembrar o trecho da letra do velho hino: Anelos do Céu, que diz: “Da linda pátria estou tão longe, cansado estou! Eu tenho de Jesus saudades, quando será que vou”? São tantas demandas: Desempregos, enfermidades graves, servos de Deus injustiçados pelos tribunais humanos, litígios familiares, isto só para se ter uma pálida ideia da nossa longa lista!

As lágrimas foram alimento para o salmista e tem sido para muitos em nosso tempo! Há momentos que só nos resta parar e chorar até esgotar todo esse rio de dissabores que tem se abatido sobre nós! E ainda temos que aprender a lidar com os escarnecedores que a toda hora nos perguntam: Você não é cristã, por que então está passando por isso? Seu Deus onde está? É quando paramos e olhamos para a experiência do salmista que termina o seu poema confrontando a si mesmo: “Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus”. Que o Senhor nos console e renove forças e esperança! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/E SE HOJE PEDIREM A SUA ALMA?

E SE HOJE PEDIREM A SUA ALMA?

Então lhes disse: "Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens". Lucas 12.15.

                                                                                            


As pessoas correm tanto de um lado para o outro com o fim de amealhar. Sacrifica-se tudo, família, especialmente filhos. Esses têm sido os mais sacrificados. São terceirizados pela falta de tempo dos pais. O prejuízo dessa postura nós só veremos no futuro. As pessoas querem avidamente ter cada vez mais e não medem esforços para isto! O Ter tem se sobreposto ao Ser, o que é lamentável! Conheço muitos filhos terceirizados que hoje estão adultos cheios de problemas emocionais! Por outro lado, esses filhos tendem a terceirizar seus pais idosos, que acabam bolando de mão em mão ou de asilo em asilo. Sementes plantadas frutificam. São como bumerangues que voltam para nós.

Outro dia li uma matéria sobre os idosos, considerados os desvalidos do século XXI. Uma tristeza! Claro que há aquelas situações em que filhos, independentemente de como foram criados abandonam seus pais, mas boa parte dos casos, foram filhos abandonados que não criaram vínculos com seus pais. Convivo com tantas pessoas cujas sementes de ganância começam a frutificar e a reação à essa colheita pode zombar de Deus lá na frente. São os que querem colher algo diferente daquilo que plantaram e culpam o Senhor por isso!

O Senhor Jesus no texto citado faz uma severa exortação: “a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens". Como diz a música popular: “A vida é trem-bala parceiro. E a gente é só passageiro prestes a partir”. A qualquer hora o alto-falante da estação da eternidade pode chamar o nosso nome! Ah, se tivéssemos essa visão do amanhã! A nossa vida pode receber um ponto final hoje ainda. A pergunta é: Tem valido a pena a maneira como temos vivido? “E se hoje pedirem a tua alma”?

Jesus ilustra a sua exortação com uma parábola séria. Ele conta a história de um homem muito rico que juntou tanto que não tinha mais onde armazenar, então, resolveu derrubar seus celeiros e fazê-los maiores e dizer a sua alma: “Você tem grande quantidade de bens, armazenados para muitos anos. Descanse, coma, beba e alegre-se’.  O Senhor apresenta o desfecho trágico da história na seqüência: “Contudo, Deus lhe disse: ‘Insensato! Esta mesma noite a sua vida lhe será exigida. Então, quem ficará com o que você preparou”? "Assim acontece com quem guarda para si riquezas, mas não é rico para com Deus". Armazenemos tesouros no céu onde a traça não rói, a ferrugem não corrói, nem os ladrões roubam. Sejamos ricos para com Deus e repensemos a nossa própria ordem de prioridades! Façamos isso enquanto não pedem a nossa alma! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/O QUE TEMOS PEDIDO É PARA GLORIFICAR O SENHOR?

O QUE TEMOS PEDIDO É PARA GLORIFICAR O SENHOR?

O que vocês pedirem em meu nome, eu farei". João 14.14.

                                                                                           


Este versículo é um daqueles textos bíblicos da lista dos mais mal interpretados. Sobretudo, pelos que pregam uma prosperidade rasa focada nos bens materiais. Um versículo bíblico só pode ser compreendido à luz de outros textos bíblicos. As Escrituras explicam as Escrituras. Não se pode isolar um versículo e sobre ele respaldar uma doutrina ou ensino. Infelizmente é isto que tem acontecido de maneira freqüente em vários lugares. Não é de se admirar tanto fracasso na fé de muitos!

O contexto no qual está o versículo citado traz as palavras de conforto aos seus discípulos por causa de sua partida iminente. Os discípulos pareciam contristados diante de acontecimento tão doloroso, iminente e inevitável. Jesus então faz algumas revelações importantes acerca da unidade dele com o Pai. Ele fala das obras que os discípulos fariam, pois ele iria na frente tanto preparar lugar para eles, quanto enviar o outro Consolador semelhante a ele. Aqui ele faz uma menção ao Espírito Santo. E na seqüência traz o versículo citado que só pode ser compreendido à luz do versículo anterior: “E eu farei o que vocês pedirem em meu nome, para que o Pai seja glorificado no Filho”.

Outro dia ouvi uma mensagem nesse texto que me deixou perplexa: O “pregador” em questão usava esse versículo para assegurar aos ouvintes que eles poderiam pedir qualquer coisa a Deus e seriam ouvidos. Chegou ao absurdo de dizer que eles “poderiam pedir, por exemplo, um carro novo, importado, pois eram filhos do Rei e deveriam ter o melhor”, pois o Senhor os constituiu por cabeça e não por cauda! E seguiu mostrando uma longa lista do que seus ouvintes deveriam pedir, mais que isso, exigir. Não agüentei ouvir aquilo e desliguei a TV. Quanta loucura pregada em nome de Deus. Perdeu-se o temor do Senhor ou talvez nunca se tenha tido!

Deus não é um empregado cósmico sujeito às ordens e caprichos de seres humanos consumistas. As nossas petições devem estar em consonância à vontade soberana e excelsa do Senhor. O que pedimos deverá servir para glorificá-lo, do contrário, não seremos ouvidos. Assim, sempre que pedirmos algo a ele deveremos nos perguntar se aquilo o glorificará! João em sua primeira epístola traz mais luz a esse assunto dizendo: “Esta é a confiança que temos ao nos aproximarmos de Deus: se pedirmos alguma coisa de acordo com a sua vontade, ele nos ouve”. Quantas pessoas têm se endividado ou mesmo feito dívida para Deus pagar. Isso não é fé, é irresponsabilidade. É loucura! Até os bens materiais que são colocados em nossas mãos são para exclusiva glória Dele, ainda que possamos desfrutar temporariamente deles. Não podemos perder de vista que somos apenas e tão somente mordomos de tudo que ele coloca em nossas mãos.  E se não o glorificarmos por meio dos bens, ele os tirará de nós e os dará a quem o glorifique. Tudo é dele, vem por meio dele e é para a glória exclusiva dele! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/A ORDEM É NOS FORTALECER!

A ORDEM É NOS FORTALECER!

Nenhuma disciplina parece ser motivo de alegria no momento, mas sim de tristeza. Mais tarde, porém, produz fruto de justiça e paz para aqueles que por ela foram exercitados. Portanto, fortaleçam as mãos enfraquecidas e os joelhos vacilantes”. Hebreus 12.11,12.

                                                                                              


Temos vivido um tempo de rígida disciplina da parte do nosso Pai celestial. Disciplina é treinamento, não necessariamente um castigo, como muitos podem pensar. É certo que ela vem para conserto ou para nos capacitar para uma obra específica! No momento em que estamos vivenciando uma disciplina não conseguimos nos alegrar ou achar que aquilo vai servir para alguma coisa. Na verdade, sempre que precisamos enfrentá-la, o nosso único desejo é de nos livrar dela. Dói e é incômodo experimentá-la!

O autor desta epístola estabelece um paralelo entre a disciplina aplicada pelos nossos pais terrenos e aquela aplicada pelo nosso Pai Celestial. Enquanto a primeira tem um efeito temporário, que é a nossa existência terrena, a segunda tem repercussão por toda eternidade. O autor da epístola diz: “Mais tarde, porém, produz fruto de justiça e paz para aqueles que por ela foram exercitados”. Repito, agradável não é, mas é necessário que experimentemos esses treinos especiais da parte do nosso Pai Celestial!

O texto ainda ordena: “Portanto, fortaleçam as mãos enfraquecidas e os joelhos vacilantes”. Qual o propósito dessa disciplina? O próprio contexto responde. Diz o autor da epístola: “mas Deus nos disciplina para o nosso bem, para que participemos da sua santidade”. Eis o propósito maior para passarmos por esses momentos dramáticos de prova: para que participemos da santidade de Deus! Se pararmos para observar as coisas não estão fáceis para ninguém. Todos indistintamente estamos passando por provas e a maior de todas as provas é a que atinge a nossa carne. Por isso muitos de nós temos andado abatidos e sobrecarregados! Não percamos de vista: O Pai que ama, corrige!

No texto citado no inicio somos instados a fortalecer as mãos enfraquecidas e os joelhos vacilantes. Mãos apontam para atos e joelhos para a oração. Isto significa que mesmo em meio às lutas mais renhidas não podemos recolher as nossas mãos e nos furtar a realizar a obra de Deus. O fortalecimento que necessitamos virá do Senhor. É ele que com a sua Graça nos fortalece, sustenta e firma. Os nossos joelhos também precisam ser fortalecidos para que a oração não cesse. Nesses dias ouvi de algumas pessoas: Não consigo orar! Pois bem, a citação de joelhos é apenas uma metáfora para ilustrar a oração. Mas não significa que tenhamos que orar de joelhos ou dessa ou daquela forma. O texto fala de comunhão com o Senhor, desse diálogo íntimo que não pode ser interrompido! Assim ouçamos e obedeçamos às ordenanças do apóstolo Paulo, quando em sua carta aos efésios ele diz: “Fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder”! Sigamos na força que o Senhor supre! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

domingo, 8 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/OUTRA VEZ SEMEADURA E COLHEITA!

OUTRA VEZ SEMEADURA E COLHEITA!

Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. Pois o que o homem semear, isso também colherá. Quem semeia para a sua carne, da carne colherá destruição; mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá a vida eterna. E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos”. Gálatas 6.7-9.

                                                                                              


Temos pensado muito nas semeaduras e nas colheitas que fazemos ao longo da vida. E inevitavelmente tenho assistido tanto pessoas em plena semeadura, quanto outras amargando já em suas péssimas colheitas! E o mais doloroso da situação é que quem começa uma semeadura maldita, por falta de experiência ou pura obstinação, jamais aceita conselho ou sugestão! Assim, a semeadura é sempre opcional, mas a colheita é inevitável. Seja boa ou má! Tem um pensamento muito oportuno, desconheço a autoria que diz: “O inteligente aprende com as próprias experiências e o sábio com as experiências dos outros”. Uma verdade irrefutável!

Quantos problemas poderiam ser evitados se escolhêssemos melhor as sementes que plantamos. Aqui mesmo neste espaço, quantas vezes já falamos neste assunto. Usamos o recurso da repetição para ver se há aprendizado! O texto do apóstolo Paulo citado no inicio nos faz tremer nas bases. Ali aprendemos que as nossas semeaduras malditas zombam de Deus. Não é possível colher um fruto diferente da semente que plantamos. Por que então, o culpamos pelas nossas colheitas?

O pior desse processo de plantar e colher é que não obedecemos quanto ao tipo de semente que muitos disseram para não plantarmos, mas insistimos. E na hora inevitável da colheita culpamos os outros e especialmente Deus pelo fruto obtido. Quando mencionei no primeiro parágrafo as pessoas que encontro no caminho plantando e colhendo, muitas delas são revoltadas com Deus. É quando lembramos do Profeta Jeremias no seu livro das Lamentações ele diz: “De que se queixa o homem vivente: Cada um queixe-se dos seus próprios pecados”.

O apóstolo fala aqui de dois tipos de semeadura primeiro ele diz: “Quem semeia para a sua carne, da carne colherá destruição”; É o caso daqueles mencionados há pouco. Semeiam para dar vazão aos desejos da carne. A vaidade pessoal, o desejo de amealhar cada vez mais e o consumismo têm sido fatores que têm impulsionado essa semeadura carnal. Esses sacrificam tudo para conseguir seu intento. Colherão frutos amargos! A segunda semeadura produzirá frutos permanentes. Diz o apóstolo: “mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá a vida eterna. Há ainda uma terceira semeadura é a prática do bem. Essas duas últimas produzem frutos benditos. Cabe a nós escolher o tipo de semeadura que faremos! Na certeza que se semearmos colheremos! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


sábado, 7 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/TÁ FUGINDO DE DEUS? ELE TE ACHA!

TÁ FUGINDO DE DEUS? ELE TE ACHA!

Então o Senhor fez com que um grande peixe engolisse Jonas, e ele ficou dentro do peixe três dias e três noites. Lá de dentro do peixe, Jonas orou ao Senhor, ao seu Deus. Ele disse: "Em meu desespero clamei ao Senhor, e ele me respondeu. Do ventre da morte gritei por socorro, e ouviste o meu clamor. Jogaste-me nas profundezas, no coração dos mares; correntezas formavam turbilhão ao meu redor; todas as tuas ondas e vagas passaram sobre mim. E o Senhor deu ordens ao peixe, e ele vomitou Jonas em terra firme”. Jonas 1.17; 2.1-3, 10.

                                                                                            


Nem sempre o centro da vontade de Deus é o lugar mais confortável, muitas vezes é exatamente o contrário. Em geral o centro da sua vontade soberana é o lugar do desconforto humano. Embora, ao final essa vontade seja boa agradável e perfeita! O Senhor não nos coloca em determinados lugares à toa. Nada é aleatório ou coincidência na vida de um servo de Deus. É bom nos acostumarmos com esta realidade desconcertante! E como diria o Senhor por meio do apóstolo Paulo: “Dura coisa é recalcitrares contra os aguilhões”. Todos nós conhecemos a história dramática do profeta Jonas!

Esse profeta representa todos aqueles que tentam fugir da vontade de Deus. Ele é um ícone dessa resistência! Primeiro veio o chamado e o comissionamento. Que ele fosse enviado a qualquer povo, menos aos ninivitas! Eles eram cruéis demais! E Jonas sabia que sempre que eles invadiam uma cidade do povo de Deus, a primeira coisa que faziam era matar o profeta e o sacerdote. Isso era feito para que a comunicação com o Senhor cessasse.

Jonas era filho de Amitai, o sacerdote e ele era profeta. Eis a razão de tanta raiva daquele povo. Do ponto de vista humano ele tinha até as suas razões. Mas ordem de Deus é inegociável. Obedecer é sempre melhor que sacrificar! Quantos sacrifícios nós temos enfrentado por causa das nossas desobediências! Chegamos a um momento da caminhada em que se faz necessário obedecer com rapidez às ordens dadas. Precisamos remir o tempo porque os dias são maus.

A ordem havia sido dada e era clara: "Vá depressa à grande cidade de Nínive e pregue contra ela, porque a sua maldade subiu até a minha presença". Jonas apressou-se, mas para fugir na direção contrária. Ele foi para Társis. O profeta Jonas já no navio enfrenta um grande temporal enviado por Deus até que foi lançado ao mar e foi parar na barriga de um grande peixe por ordem do próprio Deus. Daquele abismo ele clama ao Senhor que ordena ao peixe que o vomite. Jonas mesmo de má vontade obedece ao Senhor e surpreendentemente todos se arrependem. Vendo o Senhor a reação dos ninivitas: “Então Deus se arrependeu e não os destruiu como tinha ameaçado”. Têm muitos servos de Deus enfrentando grandes temporais e outros até já foram tragados por grandes peixes, porque estão indo para Társis, quando Deus os mandou para Nínive. Assim, de nada adianta tentarmos fugir do Senhor, ele nos achará e reconduzirá ao centro da sua vontade! Melhor cooperar! Dói menos! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/UM CLAMOR QUE SOA FAMILIAR!

UM CLAMOR QUE SOA FAMILIAR!

                                                                                               

O meu espírito se desanima; o meu coração está em pânico. Eu me recordo dos tempos antigos; medito em todas as tuas obras e considero o que as tuas mãos têm feito. Estendo as minhas mãos para ti; como a terra árida, tenho sede de ti. Apressa-te em responder-me, Senhor! O meu espírito se abate. Não escondas de mim o teu rosto, ou serei como os que descem à cova”. Salmos 143.4-7.

                                                                                              


Pois é! Será que as palavras do salmista nos soam familiares? Imagino que sim! Todos nós estamos numa medida ou noutra sendo fustigados por muitos embates. E estamos todos carecidos que a graça seja abundante sobre nós para que possamos ser fortalecidos, sustentados e firmados em Deus em meio às lutas. A sensação é que estamos dentro de um túnel estreito e ele se torna cada vez mais estreito ao ponto de nos comprimir!

Mais uma vez olhamos para a Palavra de Deus! Este salmo é uma súplica por libertação. Por que essas palavras foram registradas? Para que sejamos instruídos e edificados. Para que saibamos que o Caminho se torna cada vez mais apertado à medida que caminhamos nele. Ao final encontraremos uma Porta igualmente estreita pela qual passaremos! A pergunta é: Passaremos? Com a graça nos assistindo esperamos que sim! Leiamos todo este salmo. Há muito a aprender aqui. As experiências dos servos do passado não eram diferentes das nossas. Eles não apregoavam um triunfalismo ufanista como se a fé nos isentasse de atravessar desertos. Muito pelo contrário, suas experiências foram registradas para que sejamos encorajados a seguir apesar dos percalços.

Sim, ao final venceremos, pois já lutamos em vitória! Estamos do lado daquele que é Vencedor por excelência. Creiamos e sigamos na força que o Senhor supre! Sentimos vontade de desistir? Muitas vezes, mas a ordem é seguir. À esmo? Claro que não! Somos convocados a seguir a Ele, o Cristo! E aqueles que desistem entristecem o seu coração! O amor dele por nós é tão grande que ele se deu, morreu de amor por nós! E assim, se nada nos encoraja a seguir, hora de parar e olhar para a cruz do calvário! De lá brotará a nossa motivação e força!

A experiência do salmista é espelho para nós. Ele diz: “O meu espírito se desanima; o meu coração está em pânico”. Desânimo, pânico essas palavras lembram alguma coisa? São estados de alma bem conhecido da maioria de nós. O salmista pára no seu abatimento e se recorda daquilo que Deus já fez nos dias antigos. O Deus que operou lá atrás pode operar hoje. Então, ele clama e em sua oração dramática ele pede: “Estendo as minhas mãos para ti; como a terra árida, tenho sede de ti. Apressa-te em responder-me, Senhor! O meu espírito se abate. Não escondas de mim o teu rosto, ou serei como os que descem à cova”. E na seqüência da sua petição ele pede por outras providencias do Senhor que remetem às nossas próprias necessidades!  Façamos das palavras do salmista a nossa própria oração. O Senhor anda conosco, não estamos sozinhos! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/POR UM VIVER QUE ABENÇOE!

POR UM VIVER QUE ABENÇOE!

Sejam sábios no procedimento para com os de fora; aproveitem ao máximo todas as oportunidades. O seu falar seja sempre agradável e temperado com sal, para que saibam como responder a cada um”. Colossenses 4.5,6.

                                                                                            


O apóstolo Paulo continua as suas instruções pertinentes à nova vida em Cristo. Ele fala sobre a maneira que a nova criatura deve andar. Fala das inclinações que devem ser desprezadas e as virtudes que devem ser cultivadas. Na seqüência ele fala do proceder em família e aqui ele chama a atenção quanto ao trato com os que são de fora. Somos chamados a um viver que não escandalize os que não conhecem o Cristo, mas que abençoe. Será que temos conseguido?

Essa última instrução é seriíssima! O Senhor Jesus disse que: “É inevitável que venham os escândalos, mas ai daqueles por intermédio de quem vem os escândalos”! Aqueles que são chamados a servir ao Senhor não representam a si mesmos, mas a Ele. Como o nome do Senhor e seu santo Evangelho têm sido denegridos pela postura de muitos! A responsabilidade de sermos chamados de filhos é grande! Por outro lado será que todos aqueles que dizem: “Senhor, Senhor” entrarão no Reino? Receio que não, pois todo aquele que de fato é de Deus, mesmo que ainda em crescimento, anda numa sintonia diferente do mundo.

De repente somos a única Bíblia que alguém terá contato. Somos observados por homens e por anjos. Anjos eleitos e caídos. E esses últimos são a grande torcida contra sempre à espera de um tropeço ou queda da nossa parte. Por isso é tão importante a oração e a vigilância constantemente. Nem sempre conseguimos uma aprovação diária da parte de Deus, mas a presença do Santo Espírito em nós acende o alarme e nos constrange a voltar ao prumo do Pai. Não podemos esquecer que fomos chamados para ser sal, luz, perfume e cartas vivas! Essas coisas se auto anunciam.

No texto citado o apóstolo Paulo nos instrui quanto ao trato com os de fora. Que aproveitemos ao máximo as oportunidades de anunciar o Cristo não apenas com palavras, mas, sobretudo, com ações concretas, visíveis. Ele foca em um falar sadio. Que a nossa palavra seja sempre agradável temperada com sal, que possamos transmitir graça aos que ouvem. Que as nossas respostas sejam sábias. Que possamos refletir o Cristo em palavras e ações. Que elas estejam em consonância! É certo que a obra não acabou em nenhum de nós, do contrário não estaríamos mais aqui, mas nos esforcemos em oração e vigilância! Colaboremos com o Santo Espírito nessa obra santificadora em nós! Vivamos de maneira que abençoe os que estão ao nosso redor! E que tudo seja para a glória do nosso Cristo, hoje e eternamente.  Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/ESCONDIDOS COM CRISTO EM DEUS!

ESCONDIDOS COM CRISTO EM DEUS!

Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas. Pois vocês morreram, e agora a sua vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, que é a sua vida, for manifestado, então vocês também serão manifestados com ele em glória”. Colossenses 3.1-4

                                                                                            


Esta epístola apresenta Jesus como cabeça da igreja e o contexto citado chama a nossa atenção para a nossa união com o Cristo glorificado. Essa união resulta na rejeição às velhas inclinações. Assim, os vícios vão sendo abandonados e virtudes vão sendo cultivadas. Essa transformação é algo mecânico, movido por uma vontade humana? Claro que não! A presença de Cristo em nós é como um torrente de água cristalina sendo derramada em um vaso imundo. À medida que essa água vai entrando no vaso vai expulsando as sujidades até que o vaso fique completamente limpo.

O texto afirma que potencialmente já ressuscitamos com Cristo. Visto que já morremos para a velha vida estamos escondidos com Cristo em Deus. Já estamos assentados com ele nas regiões celestes. Aqui somos instados a procurar as coisas do Alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Na verdade somos seres espirituais recriados e renascidos do Espírito vivendo uma experiência terrena. Estamos aqui, mas não somos daqui! Paulo ainda nos estimula de maneira imperativa a manter o pensamento nas coisas do Alto e não nas coisas terrenas!

Quanto apego aos bens materiais em nosso meio! Misericórdia! Voltamos aquela velha questão: Cristianismo não se resume a um amontoado de teoria, sobretudo, a uma longa lista de “Pode não Pode”! Cristianismo é relacional, experiencial. É Palavra e Poder de Deus andando juntos e é essa consonância de teoria e prática viva que traz a verdadeira transformação. De nada adiantaria um amontoado de versículos decorados e recitados maquinalmente, sem a profundidade da regeneração do Espírito agindo no coração do homem. A religião pode mudar o comportamento por algum tempo, mas só Cristo plasmado em nós produz a verdadeira transformação.

Aí voltamos para a questão do que ocupa a nossa mente. O cristão verdadeiro vai se desarraigando da terra à medida que anda no Caminho que é o Cristo. Essa vereda embora seja apertada é uma vereda luminosa que vai pouco a pouco deixando o crepúsculo deste mundo e seguindo em direção da Aurora Verdadeira! Nossos pensamentos e anseios vão deixando as coisas materiais e terrenas e vão sendo substituídos pelos bens eternos! Assim, diz o apóstolo Paulo: “Quando Cristo, que é a sua vida, for manifestado, então vocês também serão manifestados com ele em glória”. Já estamos escondidos com Cristo em Deus! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


terça-feira, 3 de outubro de 2017

Meditação/Nadia Malta/QUEM O RECEBE ANDA NELE!

QUEM O RECEBE ANDA NELE!

Ora, como recebestes a Cristo Jesus, o Senhor, assim andai nele. Nele radicados, e edificados, e confirmados na fé, tal como fostes instruídos, crescendo em ações de graças”. Colossenses 2.6, 7.
                                                                                              



A afirmação que dá título a esta breve meditação não dá margem a nenhuma dúvida quanto à postura daqueles que um dia foram alcançados pela graça salvadora. O próprio Senhor afirma: “Eu Sou o Caminho e a Verdade e a Vida; ninguém vem ao Pai senão por mim”! Caminho pede transeuntes, ou seja, aponta para movimento. Impossível receber o Cristo como a Verdade que liberta e a verdadeira Vida e não andar nele. Por isso o apóstolo usa termos tão vigorosos como radicados, edificados e confirmados. Sobrenaturalmente, movimento, raízes e alicerces profundos não são excludentes. Como entender isso? “Coisas espirituais se discernem espiritualmente”.

O Pastor John Stott escreveu um livro maravilhoso a esse respeito chamado O Discípulo Radical. O livro fala dessa postura do servo de Deus que anda Nele e não transige com outros caminhos, mas se mantém firme. O Caminho Santo demanda raízes profundas, alicerces firmes e confirmação diária de uma fé viva nesse novo andar. O Cristão não tem um andar cambaleante e trôpego. Ele sabe que o Senhor Jesus é tanto o Caminho, quanto o Guia da jornada e o Destino Eterno ao qual ele chegará. Certa vez os discípulos fizeram menção de abandonar o Senhor e alguns até o fizeram e o Senhor se dirige aos mais chegados e lhes pergunta se eles também queriam abandoná-lo. E Pedro responde com sabedoria: “Para onde iremos nós se só tu tens as palavras de vida eterna”?

Assim, não basta dizer que recebemos a Cristo, muito mais que palavras esse andar precisa ser confirmado em atos concretos e em ações de graças crescente. Impossível alguém andar no Cristo e ser um murmurador, por exemplo. Começamos mais uma vez uma espécie de campanha por menos murmuração e mais ações de graças em nosso meio. Aquele que anda no Caminho Santo faz travessas turbulentas, mas é revestido com bom ânimo e consegue completar a carreira e guardar a fé apesar dos percalços. O Caminho é apertado, mas é como a luz da aurora, diz o autor de provérbios, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito. Aliás, fomos instruídos na santa palavra de Deus, que no mundo passaríamos por aflições e que são muitas as aflições do justo, mas  o Senhor de todas o livra.

Tenho pensado muito naquilo que estamos vivendo em termos de mundo. Será que as nossas raízes no Caminho são tão profundas e os nossos alicerces estão tão bem fundamentados que podemos resistir aos ventos contrários que têm soprado sobre o povo da Cruz? Quanta coisa tem se levantado para roubar a nossa paz e abalar as nossas estruturas emocionais e espirituais! Resistiremos? Por isso o apóstolo Paulo sugere que a nossa fé seja dia a dia confirmada. Radicalmente confirmada! John Piper diz que cristãos fracos não resistirão aos dias vindouros. Tempo de reflexão profunda sobre como tem sido o nosso andar no Caminho! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/



Você poderá gostar também de...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...