quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/SATISFAÇÃO EM DEMASIA É FACA DE DOIS GUMES!

SATISFAÇÃO EM DEMASIA É FACA DE DOIS GUMES!

Quando eu os alimentava, ficavam satisfeitos; quando ficavam satisfeitos, se orgulhavam, e então me esqueciam”. Oséias 13.6.

                                                                                         


A profecia de Oseias talvez seja a mais pungente da Bíblia Sagrada. Este profeta foi levantado pelo Senhor como seu porta-voz num dos momentos mais dramáticos do seu povo. Oseias serviu de parábola viva para falar da infidelidade do povo de Deus. Ele foi instado a casar-se com uma mulher infiel que vezes sem conta se voltava para outros homens abandonando Oseias e este por ordem de Deus a tomava de volta e a recebia misericordiosamente.

Difícil aos olhos humanos compreender tais caminhos. Contudo, o Senhor não economiza recursos e estratégias didáticas para ensinar ao seu povo amado. O povo de Deus tanto no passado quanto em nossos dias parece ter um coração bandoleiro, volúvel que se enfastia com muita facilidade. A satisfação parece faca de dois gumes! Ao mesmo tempo que produz gratidão e devoção aos fiéis produz profundo fastio nos infiéis! Foi assim tanto nos dias de Oseias e Moisés quanto hoje. Este assunto requer reflexão profunda!

Corre-se atrás do vento com muita facilidade. Há um desgaste exagerado por aquilo que não é pão e se investe tão pouco nas coisas eternas como se a nossa tenda nesta terra ficasse armada eternamente. Somos peregrinos e forasteiros em terra alheia. Estamos indo num curso ininterrupto. No passado Moisés em seu discurso diz em relação ao povo, usando uma linguagem poética: “Jesurum engordou e deu pontapés; você engordou, tornou-se pesado e farto de alimentos. Abandonou o Deus que o fez e rejeitou a Rocha, que é o seu Salvador” (Deuteronômio 32:15). Quantos não têm agido assim! Estão fartos, com uma vida cheia de tudo que satisfaz, mas abandonam ao Senhor! Desprezam a Rocha Eterna! Estão obesos pela fartura do que não tem peso de eternidade! Dão coices, rejeitam o Senhor e a sua obra. Até que venha a perseguição e os faça “emagrecer” largar a preguiça e buscar ao Senhor!


É quando nos lembramos do profeta Ezequiel que faz uma alusão a fartura de Sodoma que entediada foi buscar experiências abomináveis! Diz ele: “Ora, este foi o pecado de sua irmã Sodoma: Ela e suas filhas eram arrogantes, tinham fartura de comida e viviam despreocupadas; não ajudavam os pobres e os necessitados. Eram altivas e cometeram práticas repugnantes diante de mim. Por isso eu me desfiz delas conforme você viu” (Ezequiel 16:49,50). Que o Senhor nos conceda o necessário para que não nos ensoberbeçamos como diz o autor de provérbios: “Não me dês nem pobreza nem riqueza; dá-me apenas o alimento necessário. Se não, tendo demais, eu te negaria e te deixaria, e diria: ‘Quem é o Senhor? ’ Se eu ficasse pobre, poderia vir a roubar, desonrando assim o nome do meu Deus”. Reflitamos sobre esse assunto tão delicado! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/DA NOSSA FRAQUEZA EMERGE A FORÇA QUE VEM DELE!

DA NOSSA FRAQUEZA EMERGE A FORÇA QUE VEM DELE!

                                                                                           

Bendito seja o Senhor, a minha Rocha, que treina as minhas mãos para a guerra e os meus dedos para a batalha. Ele é o meu aliado fiel, a minha fortaleza, a minha torre de proteção e o meu libertador, é o meu escudo, aquele em quem me refugio”. Salmos 144.1,2.

                                                                                         


O salmista sabia experiencialmente do que estava falando. Ele não traz aqui apenas uma bela ideia teológica sem consistência, mas fala de algo vivido experimentado em suas muitas lutas nas batalhas pela vida! Inevitavelmente paramos aqui e olhamos para as nossas próprias lutas, diferentes é certo em seu aspecto exterior, das lutas vividas no passado, mas igualmente intensas.

Temos sido assolados são lutas por fora e temores múltiplos por dentro. Os monstros que nos assustam parece que vão nos devorar por completo. Outra vez olhamos para o passado e ali encontramos as estratégias que deram vitória a tantos servos que viveram naqueles dias. O rei salmista, por exemplo, em sua doxologia aqui declara que “Bendito seja o Senhor que é a sua Rocha!”.  Ele teve suas mãos treinadas para a guerra. E não é assim conosco? O Senhor é a Fonte da nossa força! Sem Ele já teríamos morrido!

Em outro salmo o salmista fala outra vez sobre isto dizendo: “Ele é o Deus que me reveste de força e torna perfeito o meu caminho. Torna os meus pés ágeis como os da corça, sustenta-me firme nas alturas. Ele treina as minhas mãos para a batalha e os meus braços para vergar um arco de bronze”.  O Senhor é o nosso aliado fiel como testifica o salmista. Nele podemos confiar e é precisamente quando achamos que não vamos suportar que experimentamos uma força sobrenatural que surge da nossa maior fraqueza! A fraqueza do homem é ponto de partida que aciona a Força do Senhor a seu favor! Disse o poeta cristão: "É quando a força acaba que o poder da fé se manifesta!".

No meio da batalha renhida enfrentada pelo salmista o Senhor adestrou suas mãos para o combate de modo que seus braços vergaram um arco de bronze, a arma bélica mais poderosa daqueles dias. Para que seu excelso nome seja glorificado é na hora da nossa maior fraqueza que experimentamos as maiores proezas por meio do nosso libertador. Tenho a impressão que nos dias de hoje tem sido requerido de nós a prática do que é viver pela fé, não pelo que vemos! Ousemos confiar! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/NECESSIDADE TEM PRESSA, DEUS TEM PLANOS!

NECESSIDADE TEM PRESSA, DEUS TEM PLANOS!

Quanto a mim, sou pobre e necessitado; apressa-te, ó Deus. Tu és o meu socorro e o meu libertador; Senhor, não te demores! pois quantas forem as promessas feitas por Deus, tantas têm em Cristo o "sim". Por isso, por meio dele, o "Amém" é pronunciado por nós para a glória de Deus”. Salmos 70.5; 2 Coríntios 1.20.

                                                                                           


O salmo é um clamor por socorro urgente. O salmista sabia o que era experimentar situações absolutamente sem saídas do ponto de vista humano. Contudo, ele sabe a quem recorrer. O apóstolo Paulo completa aquilo que fora dito pelo salmista nos revelando que as promessas do Senhor são alcançadas por meio do Cristo e o amem é pronunciado por nós para a glória de Deus.

Jesus é o Caminho que leva ao Pai tanto para a salvação quanto para as vitórias. Tanto no que diz respeito à vida quanto à piedade. Tudo vem dele, acontece por meio dele e é para a glória excelsa dele eternamente, amem! No mesmo salmo encontramos o salmista apelando: “Livra-me, ó Deus! Apressa-te, Senhor, a ajudar-me!”. Há uma urgência, não dá pra esperar. O socorro precisa acontecer logo! Essas palavras parecem familiares? Imagino que sim!

Todos nós estamos vivendo um momento extremamente difícil. E a dor que mais dilacera é a que dói na nossa carne, por mais que sejamos empáticos com a dor do outro, a nossa dor, especialmente aquela que não demonstramos em palavras ou gestos é a que nos dilacera. Aprendi desde cedo que necessidade tem pressa. Aprendi também que é no meio das nossas necessidades mais urgentes que o Senhor em sua sabedoria resolve nos ensinar a paciência. Esta é a mais difícil das virtudes e mais difícil ainda para nós é a didática divina para ensiná-la. Parece que há uma “dislexia espiritual” para assimilá-la. Sim, necessidade tem pressa, mas Deus tem planos na situação! E o que prevalece são os planos divinos, não a pressa do homem! Confiemos e esperemos!

Que tal começarmos a exercitar o amem tão necessário para que as promessas feitas por meio do Cristo se materializem no tempo oportuno? O salmista diz no quarto versículo: “Mas regozijem-se e alegrem-se em ti todos os que te buscam; digam sempre os que amam a tua salvação: "Como Deus é grande! ". Por que esses que buscam o Senhor devem se alegrar? Pela certeza do agir de Deus! Embora esse agir pareça demorado  a seres humanos apressados e necessitados, a resposta virá e não tardará. Pelos menos, não do ponto de vista de Deus! E cremos que Ele está preparando grandes coisas. Que o Senhor nos fortaleça o coração para esperar a hora dele. Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


domingo, 28 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/BUSQUEMOS EM CONSAGRAÇÃO E A RESPOSTA VIRÁ!

BUSQUEMOS EM CONSAGRAÇÃO E A RESPOSTA VIRÁ!

                                                                                             

“Olhei para cima, e diante de mim estava um homem vestido de linho, com um cinto de ouro puríssimo na cintura. Seu corpo era como o berilo, o rosto como o relâmpago, os olhos como tochas acesas, os braços e pernas como o reflexo do bronze polido, e a sua voz era como o som de uma multidão. Somente eu, Daniel, vi a visão; os que me acompanhavam nada viram, mas apoderou-se deles tanto pavor que eles fugiram e se esconderam. Assim fiquei sozinho, olhando para aquela grande visão; fiquei sem forças, muito pálido, e quase desfaleci”. Daniel 10.5-8.

                                                                                             


Ler o livro profético de Daniel é sempre reconfortante, pois ali percebemos de uma maneira mais portentosa e visual as intervenções de Deus nas horas mais dramáticas de nossas batalhas pelas arenas desta vida! Daniel tem uma dessas visões arrebatadoras das aparições teofanicas do Cristo pré-encarnado. A visão foi tão tremenda e arrebatadora que não lhe restou força nenhuma e o deixou quase desfalecido.

Daniel é consolado. Diz o texto: “Em seguida, a mão de alguém tocou em mim e me pôs sobre as minhas mãos e os meus joelhos vacilantes. E ele disse: "Daniel, você é muito amado. Preste bem atenção ao que vou lhe falar; levante-se, pois eu fui enviado a você". Quando ele me disse isso, pus-me de pé, tremendo. E ele prosseguiu: "Não tenha medo, Daniel. Desde o primeiro dia em que você decidiu buscar entendimento e humilhar-se diante do seu Deus, suas palavras foram ouvidas, e eu vim em resposta a elas”. O texto é cheio de revelações consoladoras. Daniel, era alguém de quem o próprio Deus dera testemunho, conforme o relato do profeta Ezequiel, o próprio texto testifica isto chamando-o de muito amado. Entendemos que o profeta buscava entendimento para compreender o que estava acontecendo ao seu povo.

Houve uma resistência maligna por vinte e um dias. Havia uma batalha sendo travada nas regiões celestes para que a resposta do profeta chegasse. Claro que a situação ali era específica e se reveria ao povo cativo, mas será que não poderíamos estabelecer um paralelo com as lutas enfrentadas por nós e que apesar de clamarmos sofregamente, as respostas demoram tanto a chegar?


Estamos no meio de uma arena de guerra da qual somos participantes ativos. Nossas lutas não são contra seres humanos, embora eles sejam agentes do mal muitas vezes, para nos afrontar e atingir. Nossa real luta é contra seres espirituais do mal agindo ininterruptamente ao nosso redor. Aqui é mencionado o príncipe da Pérsia e o da Grécia. Não se trata de pessoas, mas agentes satânicos que se opõem ao Senhor e seus servos. Continuemos o nosso clamor em santificação contínua. A resposta pode até parecer atrasada, mas ela virá e seremos livrados. Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

sábado, 27 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/O SENHOR FAZ ATÉ LEÃO JEJUAR!

O SENHOR FAZ ATÉ LEÃO JEJUAR!

Quando Daniel soube que o decreto tinha sido publicado, foi para casa, para o seu quarto, no andar de cima, onde as janelas davam para Jerusalém. Três vezes por dia ele se ajoelhava e orava, agradecendo ao seu Deus, como costumava fazer. Então aqueles homens foram ver e encontraram Daniel orando, pedindo ajuda a Deus”. Daniel 6.10,11.

                                                                                           


O texto do profeta Daniel na cova dos leões é dos mais conhecidos e citados da Bíblia Sagrada. Este profeta foi um dos muitos cativos levados para Babilônia. Ali, mesmo debaixo de um jugo opressor, ele se destacou por sua postura ilibada. Por causa de sua fidelidade e obediência, o próprio Senhor dá testemunho sobre ele (Ezequiel 14.14), assim como fez em relação a Jó e a Noé.

Daniel por sua integridade recebeu um cargo de honra no Reino e também atraiu sobre si a inveja daqueles que faziam parte do reino de Dario. Então aqueles homens de caso pensado maquinaram sugerir ao rei baixar um decreto que proibisse qualquer pessoa no reino de fazer qualquer petição que não fosse ao próprio rei Dario. Quem infringisse o tal decreto seria jogado na cova dos leões.  Eles sabiam da devoção e obediência de Daniel ao Único e Verdadeiro Deus!

E agora, o que pensar de algo assim: Quando a obediência ao Senhor leva alguém direto para a morte? Exatamente ao saber do decreto Daniel foi falar com quem podia resolver a questão: O Deus Todo Poderoso! Ele não fez isto às ocultas, mas com suas janelas abertas, não havia nada a esconder. Ele não era um agente secreto espiritual, antes ele sabia em quem cria e não escondia isto de ninguém. Aqueles homens malignos continuaram com seu plano perverso. Eles viram Daniel orando e foram delatar ao rei Dario. Diz o texto: “Então disseram ao rei: "Daniel, um dos exilados de Judá, não te dá ouvidos, ó rei, nem ao decreto que assinaste. Ele continua orando três vezes por dia". Por mais que o rei tentasse salvar a vida de Daniel havia um decreto que não poderia ser revogado segundo a lei vigente.

Daniel foi lançado na cova dos leões. Ao amanhecer o rei depois de ter passado a noite sem dormir se levanta e vai até o lugar onde Daniel havia sido lançado aos leões. Ele chama por Daniel com voz aflita diz o texto e este responde para alegria do Rei. Daniel diz que o Senhor enviou um anjo para livrá-lo. Quando tem profeta íntegro na cova, Deus faz leão jejuar! O rei manda tirar Daniel daquela cova e ali lança os que tramaram a sua morte. Ele ainda edita outro decreto nos seguintes termos: “Estou editando um decreto para que nos domínios do império os homens temam e reverenciem o Deus de Daniel. "Pois ele é o Deus vivo e permanece para sempre; o seu reino não será destruído, o seu domínio jamais acabará”. Deus peleja  pelos seus! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/TÃO SOMENTE CONFIEMOS: A GRAÇA NOS SUSTERÁ!

TÃO SOMENTE CONFIEMOS: A GRAÇA NOS SUSTERÁ!

Entregue suas preocupações ao Senhor, e ele o susterá; jamais permitirá que o justo venha a cair. Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também padecer por ele”.  Salmos 55.22; Filipenses 1.29.

                                                                                              


Temos falado tantas vezes neste assunto que mais parece àquelas vitrolas antigas com o disco arranhado, sempre repetindo o mesmo refrão. Mas na verdade, o que tem acontecido é a recorrência dos fatos que tem atingido as vidas de tantos em nosso meio. E não só em nosso meio, mas na nação inteira. No mundo inteiro. São desempregos frequentes. Enfermidades cada vez mais complicadas. Relacionamentos conflituosos. Perseguições. Dores emocionais sem conta! Haja graça, fé e coração para aguentar!

O que fazer diante daquilo que não tem o que fazer? Diz o velho ditado que aquilo que é irremediável, remediado está! Mas será que é licito um cristão pensar assim? Não há uma direção na qual possamos olhar diante do imponderável? Claro que há e essa direção é o Cristo. Lancemos sobre ele toda a nossa ansiedade e cuidados, pois ele zela por nós!

As palavras do salmista dão conta que quando entregamos as nossas preocupações ao Senhor ele nos susterá, jamais permitirá que aqueles que recorrem a ele caiam nem sejam envergonhados. Às vezes a nossa fé é provada de tal forma que o Senhor espera para agir no ultimo segundo da prorrogação do segundo tempo! Quando as forças já se esvaem eis que surgem aquelas infinitas possibilidades de Deus que sequer ousamos cogitar! Então, há saída sim e vem de Deus!

Aí entendemos o que o apóstolo Paulo diz falando aos Filipenses: “Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também padecer por ele”.  Muitas vezes o crer e o sofrer se confundem e é preciso que a fé seja turbinada pela esperança para não sucumbirmos em nossas aflições. A fé e a confiança no Senhor nos fortalecem numa intensidade que nem mesmos nós ousamos imaginar. E só a hora da prova ou da dor revela essa ação sobrenatural da graça sustentadora. É quando todos os recursos do homem cessam que surgem as saídas mais impensáveis e os recursos mais impossíveis. Sim, sem sombra de dúvidas, o impossível é apenas uma das infinitas especialidades de Deus. E quando Ele diz não ao que achamos que necessitamos, é porque ele tem algo superior para nós. Ele tira o bom para nos dar o excelente! Aprendamos a confiar na Graça! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/UMA VISÃO GLORIOSA!

UMA VISÃO GLORIOSA!

“E cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro: "Grandes e maravilhosas são as tuas obras, Senhor Deus todo-poderoso. Justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei das nações. Quem não te temerá, ó Senhor? Quem não glorificará o teu nome? Pois tu somente és santo. Todas as nações virão à tua presença e te adorarão, pois os teus atos de justiça se tornaram manifestos". Apocalipse 15.3,4.

                                                                                            


Muitos têm medo de ler Apocalipse por achar as revelações aqui contidas em relação aos últimos dias, assustadoras! Contudo, vemos que tudo ali é maravilhoso demais aos nossos olhos limitados! Nesta visão gloriosa, por exemplo, podemos contemplar os remidos de todas as épocas entoando o Cântico de Moisés e o Cântico do Cordeiro!

O livro traz vários hinos de louvor ao Senhor, exaltando Sua Majestade! O Cântico de Moisés exalta o Senhor pela libertação do seu povo do jugo de faraó, do mesmo modo os remidos de todas as épocas exaltam o Senhorio do Cristo por uma libertação ainda maior que a de faraó, que era apenas um tipo do verdadeiro adversário. Louvemos ao Senhor por tão grande libertação! Fomos transportados do reino das trevas e recebidos no Reino do Filho do amor de Deus! Aleluia!

As razões para as ações de graças são muitas: O nosso Rei Eterno habita em nós e no meio de nós! O Senhor renova sobre nós a cada dia suas misericórdias. Ele trabalha para os que nele esperam. Sua graça excelsa além de salvadora, fortalecedora e firmadora é também sustentadora. Ele conquistou para nós a eterna redenção, ninguém pode nos arrebatar de suas soberanas mãos. Nada nos tem faltado, nem tribulação se esta é recurso didático para nos edificar e fazer crescer. Ainda que andemos pelo vale da sombra da morte Ele está conosco com a sua vara e cajado consolando. Ele é o Novo e Vivo Caminho que nos leva ao Pai!


Grandes e maravilhosas são as suas obras, justos, verdadeiros e  inescrutáveis seus caminhos. Exaltemos, pois, seu Santo Nome. O cântico diz: “Quem não te temerá, ó Senhor? Quem não glorificará o teu nome? Pois tu somente és santo”. Precisamos reaprender a glorificar o nome do Senhor. Há infinitas intervenções dele no nosso dia a dia que perdemos de vista nas nossas exigentes e cegas expectativas. Quanta sobrenaturalidade em nossa naturalidade! Quanta coisa extraordinária em nossas trivialidades! Só precisamos enxergar! Que os nossos olhos vejam à semelhança dos olhos do servo de Eliseu! Exaltemos o Senhor na beleza da sua santidade! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/NINGUÉM CONSEGUE DETER A ALVORADA!

NINGUÉM CONSEGUE DETER A ALVORADA!

A vereda do justo é como a luz da alvorada, que brilha cada vez mais até à plena claridade do dia”. Provérbios 4.18.

                                                                                          


Há algumas coisas que não podem ser detidas ou sequer escondidas. Quando elas aparecem, chegam chegando, como se costuma dizer! Trata-se da luz, do perfume e do sal. Impossível não se perceber a luz, a menos que se seja cego. Impossível não se perceber um perfume ou deixar de sentir uma comiga salgada. Essas coisas se denunciam por si mesmas. Razão pela qual foram usadas como exemplo daqueles que servem ao Senhor. Essas coisas falam de testemunho eloquente! Jesus disse que seus seguidores são o sal da terra e a luz do mundo. O apóstolo Paulo diz: “E graças a Deus, que sempre nos faz triunfar em Cristo, e por meio de nós manifesta em todo o lugar a fragrância do seu conhecimento. Porque para Deus somos o bom perfume de Cristo”.

Como foi dito antes todas essas coisas são credenciais, contudo gostaria de olhar mais acuradamente para a luz na perspectiva da vereda do justo, citada no versículo mencionado no inicio. Que ilustração tremenda da parte do Senhor por meio do autor de Provérbios. Não olhemos para as palavras dos que parecem justos aos olhos humanos, olhemos antes para o seu caminhar. Andar é algo dinâmico. O texto diz que “a vereda do justo é como a luz da alvorada, que brilha cada vez mais até a perfeita claridade”. Em outra versão diz: “Até ser dia perfeito!”, ou seja, quando a claridade é plena. Sim, não há como deter a alvorada nem a intensidade da luz ao meio dia!

A Vereda do justo é a própria Luz chamada Cristo. Paulo falando aos efésios diz: “Porque outrora vocês eram trevas, mas agora são luz no Senhor. Vivam como filhos da luz”. João diz: “Falando novamente ao povo, Jesus disse: "Eu sou a luz do mundo. Quem me segue, nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida”. Se alguém é de Deus este andará na Luz e jamais se contentará com as trevas.

Aqui cabe uma pergunta: E quanto a nós, qual o grau de luminosidade da nossa vereda? É tempo de tirarmos o nosso olhar do irmão e olharmos para dentro de nós! É tempo de autoexame, de um mergulho em nossa interioridade.  Não somos do crepúsculo e sim da aurora. E fomos chamados para ser luzeiros no meio de uma geração pervertida e corrupta, como diz o apóstolo Paulo. Temos sido?  Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


terça-feira, 23 de agosto de 2016

editação/Nadia Malta/O NOSSO PECADO E O NOSSO CASTIGO ESTAVAM SOBRE ELE!

 O NOSSO PECADO E O NOSSO CASTIGO ESTAVAM SOBRE ELE!

Certamente ele tomou sobre si as nossas enfermidades e sobre si levou as nossas doenças, contudo nós o consideramos castigado por Deus, por ele atingido e afligido. Mas ele foi transpassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniquidades; o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos curados”. Isaías 53.4, 5.

                                                                                             


Como entender essa afirmação, uma vez que ainda sofremos com enfermidades e nem todas são curadas? O texto usa uma linguagem figurada e fala de pecado e castigo, ambos são nossos, mas foram lançados sobre o nosso Senhor e Salvador. Aqui não se trata das enfermidades às quais estamos passíveis de sofrer, enquanto vivermos do lado de cá da eternidade.

Embora não poucas vezes ouçamos mensagens falando de que não deveríamos ter enfermidades e se isto acontece é porque estamos em pecado. Este é sem dúvida um grande engano, visto que a pior e mais letal das enfermidades é a que mata o espírito do homem, não seu corpo e o encerra eternamente em seus delitos e pecados, a menos que o Senhor interfira.

O contexto todo deste capítulo fala do sofrimento vicário (substitutivo) do Senhor em nosso lugar. E só quando temos a consciência espiritual do que aconteceu no Calvário e toda ideia meritória se esvai dentro de nós. Paulo falando aos gálatas mostra a profundidade do sacrifício único e eficaz do Cristo por nós! Diz o apóstolo: “Quanto a mim, que eu jamais me glorie, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, por meio da qual o mundo foi crucificado para mim, e eu para o mundo”. Paulo sabia que nenhuma obra meritória havia nele para suscitar sequer um olhar de Deus! E quanto a nós será que temos a consciência do que realmente aconteceu na Cruz sangrenta do Calvário?

Receio que não, do contrário não faríamos tantas exigências! Quem é devedor nada exige! As únicas obras meritórias a serem citas em nossas petições são as obras do próprio Cristo. O castigo que nos trouxe a paz estava sobre ele e pelas pisaduras ensanguentadas dele fomos sarados, mas que isto, fomos vivificados. Saímos da condição de mortos e recebemos vida e vida em abundância. Passamos da morte para vida. O nosso castigo sofrido por Cristo nos reconciliou com o Pai. O apóstolo Paulo nos ajuda a compreender essa realidade espiritual. Falando aos romanos ele diz: “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo, por meio de quem obtivemos acesso pela fé a esta graça na qual agora estamos firmes; e nos gloriamos na esperança da glória de Deus”. Só podemos terminar esta pequena meditação com um alto e sonoro: Aleluia! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/QUEM ESTÁ COMIGO É O FORTE DOS FORTES!

QUEM ESTÁ COMIGO É O FORTE DOS FORTES!

Mas o Senhor está comigo, como um forte guerreiro! Portanto, aqueles que me perseguem tropeçarão e não prevalecerão. O seu fracasso lhes trará completa vergonha; a sua desonra jamais será esquecida”. Jeremias 20.11.

                                                                                            


Quando percorremos a trilha dos servos de Deus do passado, sobretudo, os profetas que foram designados para falar da parte dele ao povo impenitente, visto ser este seu oficio, entendemos que esta é uma estrada das mais íngremes! Que dura tarefa! Quanto sofrimento experimentado por esses verdadeiros heróis da fé! Jeremias, chamado de profeta chorão, pelo tanto de angustia vivida. E logo aqui percebemos que nem sempre fazer a vontade de Deus nos faz viver em paz com os homens. Muito pelo contrário, em inúmeras ocasiões, precisamente por fazer essa vontade e não transigir com aquilo que as pessoas querem ouvir, sofreremos as duras consequências.

Jeremias foi um homem solitário que experimentou muitas dores e perseguições. Inimigos entre os estrangeiros e entre seus patrícios. A profecia verdadeira vem para correção, edificação e exortação. Doa a quem doer! Nem sempre é algo agradável de se dizer e muito menos de se ouvir. Mas quando o Senhor levanta alguém para falar, não há outra saída. O próprio Jeremias testifica acerca disso: “Mas, se eu digo: "Não o mencionarei nem mais falarei em seu nome", é como se um fogo ardesse em meu coração, um fogo dentro de mim. Estou exausto tentando contê-lo; já não posso mais!”. De nada adianta nos recusar falar o que o Senhor ordena, se assim o fizermos sofreremos as consequências.

Muitas vezes a obediência ao Senhor leva seus servos fiéis diretamente para fornalhas ardentes ou para cova de leões famintos. E é lá mesmo que seremos livrados. Viveremos ou morremos pelo Senhor! De qualquer modo Ele mesmo estará conosco sendo glorificado. Ele é o Poderoso Guerreiro que vai à nossa frente e luta as nossas lutas. Ai dos que se levantam para demandar a nossa paz!


Claro, que nem sempre entenderemos seus caminhos e estratégias. O próprio Jeremias em dado momento desabafa dizendo: “Sempre que falo, é para gritar que há violência e destruição. Por isso a palavra do Senhor trouxe-me insulto e censura o tempo todo”. Difícil entender que todo aquele sofrimento fosse consequência de fazer a vontade de Deus como seu porta-voz! Mas, de uma coisa temos absoluta certeza: Quando se trata de cumprir seus desígnios não há impedimento e Ele será implacável em seu intento. E ao final tudo será revertido em bênçãos para que seu nome seja glorificado! Nada a temer, Ele vai adiante de nós! Aleluia! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

domingo, 21 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/DESAFIADOS A CRER APESAR DOS PESARES!

DESAFIADOS A CRER APESAR DOS PESARES!


                                                                                            

Mesmo não florescendo a figueira, não havendo uvas nas videiras; mesmo falhando a safra de azeitonas, não havendo produção de alimento nas lavouras, nem ovelhas no curral nem bois nos estábulos, ainda assim eu exultarei no Senhor e me alegrarei no Deus da minha salvação. O Senhor Soberano é a minha força; ele faz os meus pés como os do cervo; ele me habilita a andar em lugares altos”. Habacuque 3.17-19.

                                                                                             


É impossível não nos lembrar da grande declaração de fé do profeta Habacuque ao final do seu curto livro profético. Sobretudo, quando “as nossas próprias figueiras estão destituídas de flores, quando as nossas videiras deixaram de frutificar e há falha nas nossas safras de azeitona”. Manifestar uma fé viva quando tudo nos vai bem é fácil demais!

Percebemos que o desafio de crer tem sido a cada dia intensificado, mais parece aquele tipo de jogo que muda de fase e se torna cada vez mais difícil. Os pesares têm se tornado praticamente insuportáveis, mas apesar deles Deus não perdeu o controle, embora as nossas forças tendam a se esvair. A fé do tipo “ainda que” é requerida de nós a todo o momento. O profeta nos ensina a avançar à despeito de tudo e de todos. A tristeza nos paralisa, o medo nos faz retroceder. Habacuque crê no Deus da sua salvação. Ele exulta nEle.

Aonde ou em quem o profeta buscava forças para seguir em frente? Eles mesmo responde: “O Senhor Soberano é a minha força”. Olha aqui a grande estratégia de vitória. Confiar no nosso Soberano Senhor. Dele vem o socorro do profeta e o nosso. Confiar demanda relacionamento. A nossa fé não pode ser árida, ela precisa ser relacional, do contrário não sobreviveremos às lutas nas quais estamos inevitavelmente engajados.

No meio da luta intensa o profeta sabe em quer crê. Ele sabe que o Senhor reina sobre tudo e todos. Nada vem como obra do acaso. Esse controle soberano não falha. Qual o resultado dessa confiança irrestrita do profeta no Soberano Senhor? Ele faz os meus pés como os do cervo; ele me habilita a andar em lugares altos”. Os cervos ou corsas são animais das alturas. Eles bebem nas altas fontes e se refugiam nas alturas das rochas. Seus pés são treinados para subir por lugares íngremes. Assim são os pés daqueles que anda em fé e fidelidade. Serão do mesmo modo habilitados para as alturas. Permaneçamos firmes sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


sábado, 20 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/UMA OFERTA DE GRATIDÃO: LEMBREI-ME DO MEU PAR DE SAPATOS!

UMA OFERTA DE GRATIDÃO: LEMBREI-ME DO MEU PAR DE SAPATOS!

Estando Davi nessa fortaleza, e o destacamento filisteu em Belém, Davi expressou este forte desejo: “Quem me dera me trouxessem água da cisterna da porta de Belém!”. Então aqueles três atravessaram o acampamento filisteu, tiraram água da cisterna e a trouxeram a Davi. Mas ele se recusou a beber; em vez disso, derramou-a como uma oferta ao Senhor e disse: “O Senhor me livre de beber desta água! Seria como beber o sangue dos que arriscaram a vida para trazê-la! “E Davi não bebeu daquela água. Foram esses os feitos dos três principais guerreiros”. 2 Samuel 23.14-17.

                                                                                           


Este é sem dúvidas um daqueles textos que nos faz corar de vergonha! Explico. Quantas vezes assistimos consternados, as exigências feitas por muitos líderes que oprimem seus liderados com seus caprichos absurdos! E olhe que nem nos referimos a líderes seculares, mas a muitos ditos líderes eclesiásticos que se prevalecem de sua posição para cometer seus desatinos.

Davi na Caverna de Adulão cercado de inimigos hostis pensa alto e manifesta a saudade de sua terra. Diz ele: “Quem me dera me trouxessem água da cisterna da porta de Belém!”. Ele estava cercado de seus valentes e fieis companheiros de jornada. Três dos seus valentes resolvem acarinhá-lo indo buscar aquela água desejada e com isto matar não só a sede do seu líder, mas saciar a própria saudade de sua terra!

Aquela atitude na verdade era quase um suicídio. Aquilo era arriscado demais, eles poderiam pagar com a própria vida! Mas eles conseguem ir e voltar com a água desejada em mãos e a entregam ao seu amado líder! O texto diz: “Então aqueles três atravessaram o acampamento filisteu, tiraram água da cisterna e a trouxeram a Davi”. Um feito e tanto! Algo surpreendente acontece, diz o texto: “Mas ele se recusou a beber; em vez disso, derramou-a como uma oferta ao Senhor e disse: “O Senhor me livre de beber desta água! Seria como beber o sangue dos que arriscaram a vida para trazê-la!”.


Davi se recusou a beber da água tão desejada, ele sabia do valor do ato heroico dos seus amigos. Aquela água tinha que ser oferecida ao Senhor Era um memorial da gratidão do rei salmista. Lembrei-me agora: Um dia desejei comprar um par de sapatos. Não pensei alto como Davi, apenas desejei em meu coração. O valor do tal sapato era impossível de ser adquirido por mim. Seis meses depois por ocasião do meu aniversário fui levada a mesma loja para ganhar de presente um par de sapatos que estava precisando. Por causa do pé muito pequeno não encontrei nenhum que servisse. Foi quando o vendedor informou que havia um par mais antigo que havia sido tirado da vitrine por ser muito pequeno, mas que ele iria buscar pra ver se servia. Ao abrir a caixa trazida pelo vendedor, para a minha surpresa era o sapato de seis meses atrás e por um quarto do preço! O Senhor o guardou para mim! Gritei aleluia no meio da sapataria! Não tive coragem de calçar o par de sapatos. Ele virou um memorial do cuidado e zelo de Deus por nós! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/ESSA LUTA NÃO É SUA, MAS DE DEUS!

ESSA LUTA NÃO É SUA, MAS DE DEUS!

“Ó nosso Deus, não irás tu julgá-los? Pois não temos força para enfrentar esse exército imenso que está nos atacando. Não sabemos o que fazer, mas os nossos olhos se voltam para ti. Ele disse: "Escutem, todos os que vivem em Judá e em Jerusalém e o rei Josafá! Assim lhes diz o Senhor: ‘Não tenham medo nem fiquem desanimados por causa desse exército enorme. Pois a batalha não é de vocês, mas de Deus”. 2 Crônicas 20.12, 15.

                                                                                            


Quando as lutas se tornam muito intensas. Quando os estreitos parecem intransponíveis e tempestades parecem nos fazer perecer, hora de olhar para as grandes intervenções de Deus no meio do seu povo. Temos vivido grandes lutas e este assunto tão recorrente se deve ao fato dessas lutas ficarem a cada mais renhidas.

A oração do rei Josafá é inspiradora sob todos os aspectos. Primeiro podemos ver a sua humildade e Deus se agrada daqueles que se humilham diante da sua presença reconhecendo a sua própria pequenez e limitação. Mesmo Josafá ocupando um cargo real, não se prevaleceu disso para impor qualquer coisa ao Soberano dos Soberanos. Ele reconhece que não há nenhuma força em si e em seu pequeno reino para resistir àqueles exércitos que se levantaram contra ele. E ali ele faz a sua grande declaração de fé: “Não sabemos o que fazer, mas os nossos olhos se voltam para ti”.

Ter os olhos postos no Senhor, Autor e Consumador da nossa fé é tudo que precisamos na hora das agonias mais profundas. Josafá entendeu essa verdade espiritual. Antes ele proclamou um santo jejum, convocou toda a congregação do povo de Deus dos pequenos aos grandes. Todos foram à presença do Eterno buscar saída para aquela situação tão saída do ponto de vista humano.


O resultado? Deus responde ao clamor do seu povo. Lembremos do que fora dito por intermédio do profeta Jeremias: “Clama a mim e responder-te-ei; anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas que não sabes!”. Sim, o Senhor é especialista em saídas impensáveis. “Assim lhes diz o Senhor: ‘Não tenham medo nem fiquem desanimados por causa desse exército enorme. Pois a batalha não é de vocês, mas de Deus”. E quando Deus entra para lutar as nossas lutas, ai dos que se levantam contra nós! O Senhor aponta uma estratégia fora do comum. Ele manda o povo louvar o seu nome. Diz o texto: “Quando começaram a cantar e a entoar louvores, o Senhor preparou emboscadas contra os homens de Amom, de Moabe e dos montes de Seir que estavam invadindo Judá, e eles foram derrotados”. Deus na peleja, a vitória é certa! Confiemos! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/ELE TEM COISAS INSONDÁVEIS PARA NOS REVELAR!

ELE TEM COISAS INSONDÁVEIS PARA NOS REVELAR!

Assim diz o Senhor que fez a terra, o Senhor que a formou e a firmou; seu nome é Senhor: ‘Clame a mim e eu responderei e lhe direi coisas grandiosas e insondáveis que você não conhece”. Jeremias 33.2,3.

                                                                                          


Em um dos momentos mais dramáticos da vida do povo de Deus que foi o Cativeiro de Babilônia, quando o próprio profeta Jeremias estava preso no pátio da guarda, o Senhor traz uma palavra de renovo e esperança. E logo aqui nos versículos citados, o Senhor traz uma direção ao profeta “chorão”. Diz o Senhor: “‘Clame a mim e eu responderei e lhe direi coisas grandiosas e insondáveis que você não conhece”.

Na angústia do profeta, o Senhor se revela e traz à memória do seu servo numa dupla afirmação, o fato imutável de que Ele é o Senhor que formou e firmou a terra, isto quer dizer que nada foge ao seu comando soberano. Sempre que encontramos nas Escrituras uma afirmação dúplice é porque se trata de um fato estabelecido e imutável. Nada está fora da sua esfera de ação. Por mais caótico que seja o panorama, tem saída para ele e esta vem por meio das infinitas possibilidades do Senhor!

O que o profeta precisa fazer na atual conjuntura? Clamar ao Senhor! O que nós devemos fazer do meio das nossas impossibilidades? Clamar ao Senhor! Ele promete responder ao clamor do profeta e creio que também responderá ao nosso. Portanto, não desanimemos, antes treinemos os nossos sentidos espirituais para ouvir o inaudível, ver o invisível e contar com o que é impossível aos homens!

Quando nos empenhamos nesse clamor incessante somos impactados com grandes e insondáveis revelações do Senhor. Recebemos da parte dele grandes estratégias e respostas inimagináveis. São aquelas saídas que pareciam não existir e que de repente se descortinam diante dos nossos olhos. Orar e confiar. Esperar e descansar. Essas quatro ações não podem ser dissociadas. Andam juntas. E o Senhor faz a grande revelação que parecia aos olhos humanos impossível: “Todavia, trarei restauração e cura para ela; curarei o meu povo e lhe darei muita prosperidade e segurança. Mudarei a sorte de Judá e de Israel e os reconstruirei como antigamente. Eu os purificarei de todo o pecado que cometeram contra mim e perdoarei todos os seus pecados de rebelião contra mim”. Aquilo que parecia o fim seria o ponto de partida para um novo e jubiloso tempo! E ele completa a revelação para dias ainda vindouros: “Dias virão’, declara o Senhor, ‘em que cumprirei a promessa que fiz à comunidade de Israel e à comunidade de Judá. "Naqueles dias e naquela época farei brotar um Renovo justo da linhagem de Davi; ele fará o que é justo e certo na terra. Naqueles dias Judá será salva e Jerusalém viverá em segurança, e este é o nome pelo qual ela será chamada: O Senhor é a Nossa Justiça’. A promessa se cumpriu na pessoa do Cristo. Aleluia! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/O SENHOR É O NOSSO ESCUDO FORTE EM MEIO ÀS LUTAS!

O SENHOR É O NOSSO ESCUDO FORTE EM MEIO ÀS LUTAS!

“Pois tu, Senhor, abençoas o justo; o teu favor o protege como um escudo”. Salmos 5.12.

                                                                                           


Como entender tal afirmação do salmista se aqui e acolá estamos sempre às votas com lutas tão intensas? Na verdade este é um daqueles textos bíblicos que quando lido isoladamente dá margem a muitas conclusões equivocadas. Precisamos ler a Bíblia à luz da própria Bíblia. Coisas espirituais se discernem espiritualmente. O próprio salmista em outro salmos diz “São muitas as aflições do justo, mas o Senhor de todas o livra!”. E ainda o próprio Cristo nos encorajando a ter ânimo nas aflições da vida diz Ele: “No mundo passais por aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo!”. Ele venceu e nos habilitou a vencer!

Sim, o Senhor é o nosso Escudo. Ele é o nosso Refúgio e a nossa Fortaleza, Ele é o Consolo presente em nossas tribulações. Nem sempre somos livrados de entrar nas fornalhas ardentes, mas invariavelmente Ele entra lá conosco e nos ajuda a resistir ao fogo e de lá saímos mais que vencedores.  Muitos ensinos espúrios têm sido apregoados desde tempos imemoriais, no sentido de perverter o genuíno ensino das Escrituras.

Temos ouvido mensagens que asseguram que aqueles que são do Senhor não experimentam dores, enfermidades graves ou mesmo dificuldades financeiras. E ainda dizem que se essas coisas acontecerem é por causa de pecados ou falta de fé. Meu Deus quanta insanidade! Por causa de tais ensinos, muitos cristãos mal instruídos além dos reveses naturais da vida ainda experimentam a carga de se sentirem crentes de quinta categoria. Misericórdia!

O Senhor abençoa o justo primeiro com a salvação. A graça que é o favor imerecido de Deus, não age apenas na salvação, e mesmo que assim fosse já estava de bom tamanho, contudo esse favor de Deus nos sustenta, nos fortalece e firma os passos no Caminho para travessarmos os vales áridos inevitáveis desta vida. A graça é para nós um escudo. Nosso espírito é protegido. O maligno não nos toca, pelo menos, não espiritualmente. O nosso espírito regenerado não se degenera. Ainda que morramos há esperança. Paulo apóstolo afirma que “ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o nosso homem interior se renova de dia em dia!”. Diz ainda o salmista em outro salmo: “Do Senhor vem a salvação dos justos; ele é a sua fortaleza na hora da adversidade”. Avancemos em confiante esperança!  Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


terça-feira, 16 de agosto de 2016

Meditação/Nadia Malta/PERDÃO HUMANO É GOTEJAMENTO SOBRE TERRA SECA!

PERDÃO HUMANO É GOTEJAMENTO SOBRE TERRA SECA!

Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores. Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará! Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas”. Mateus 6.12, 14, 15.

                                                                                                


Tenho pensado muito na questão do perdão horizontal, ou seja, o perdão entre semelhantes. Li certa vez um livro precioso sobre o assunto, escrito pelo Padre Leo. Ele trata da questão de uma maneira muito caridosa. E uso esta palavra porque a caridade enquanto um tipo de amor altruísta é a única que pode ser usada quando as feridas da ofensa devastam muitos corações que não conseguem se refazer dos seus danos.

No tal livro, Gotas que Curam, seu autor fala do perdão humano como um gotejamento feito em oração diariamente até que o coração desertificado pela mágoa volte a se tornar fértil. Ele faz aqui uma analogia com a técnica de irrigação por gotejamento tão usada nos kibutz de Israel. É incrível como lugares tão áridos se tornam tão frutíferos! Assim acontece com o perdão humano. Faz-se necessário um gotejamento ininterrupto até que a memória da dor se apague. Não esquecemos o que aconteceu, mas já não lembraremos com dor e sofrimento.  Dependendo de quem nos feriu a ofensa pode se tornar irremediável, sobretudo, quando não tratada pelo antídoto do perdão gotejado. Abençoar e orar pelos que nos ofenderam é água pura sobre terrenos desertificados pela mágoa.

O texto citado no inicio está no contexto da Oração do Pai Nosso e fala da ligação entre o perdão vertical vindo de Deus para nós, com o perdão horizontal entre nós e os nossos semelhantes. Fomos perdoados para nos tornar perdoadores e quando isto não acontece sofreremos as consequências. Os verdugos da alma nos massacram nos tornando prisioneiros no cárcere da mágoa. O texto é claríssimo e diz: “Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas”. Conheço de perto famílias destroçadas por causa de cônjuges que não se perdoaram uns aos outros por ofensas do passado e geraram filhos por vingança e ódio. Resultado: Gerações de ofendidos!

São corações desertificados! Nenhum deserto se torna fértil da noite para o dia, é preciso empenho para trazer a água de longe para que gota a gota ela regue a terra árida. Por isso é preciso desmistificar o fato de que o perdoar humano é instantâneo. Depende do tamanho e profundidade da mágoa. Qualquer ofensa pode sim ser perdoada, contudo há tempo determinado para cada perdão. O único perdão instantâneo é o perdão de Deus! O humano demanda tempo até que a memória da dor se desvaneça. Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


Você poderá gostar também de...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...