sábado, 31 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/CONFIEMOS! QUEM FEZ A PROMESSA É FIEL!

CONFIEMOS! QUEM FEZ A PROMESSA É FIEL!

Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel!”. Hebreus 10.23.

                                                                       


Guardar firme a confissão da esperança sem vacilar é o grande desafio dos cristãos, sobretudo, os de nossos dias. Em um tempo em que tudo é líquido, tudo se esvai com facilidade. Parece que tudo foi feito em tempos modernos para não durar. Tem sido assim, com os relacionamentos humanos em todos os níveis, especialmente os conjugais. Com as carreiras profissionais. Parece que as vocações escoam pelos dedos. Tudo é passageiro, efêmero, fugaz! E o trágico é que temos transportado essa tendência maligna para as coisas espirituais. O resultado é toda uma geração de “Crentes Chicó”, personagem de Ariano Suassuna no Auto da Compadecida (fico rico, fico pobre, fico crente fico incrédulo!). Que haja firmeza em nossos passos! Que perseveremos em nossa fé no Cristo!

Ao ouvir as palavras do autor de hebreus, elas me soam como uma chamada à razão! Sim, falo de razão porque não concebo fé sem uma boa dose de inteligência. Crer também é Pensar como disse tão oportunamente John Stott em seu livro com o mesmo nome. Cremos porque confiamos. Cremos porque conhecemos o objeto da nossa fé. A fé não existe simplesmente pela fé. No nosso caso, a fé no Cristo faz toda a diferença. Cremos porque o temos conhecido. Ele não é para nós uma bela ideia teológica, mas uma pessoa real que sente as nossas dores, conhece os nossos temores e morreu em nosso lugar.

Guardamos firme a confissão da nossa esperança, porque para nós essa Esperança é uma pessoa chamada Cristo. Não nos deixamos levar por expectativas positivas ou por bons desejos, mas por Aquele que nos garante presença, sustento, força para enfrentar os reveses da vida, firmeza nos passos para não vacilar diante das oscilações das circunstancias e vida em abundancia. Aquele que é a Esperança viva, Cristo, nos prometeu salvar e guardar do maligno. Sigamos confiantes, porque Aquele que fez a promessa é Fiel para cumpri-la e ele prometeu que ninguém nos arrebatará de suas mãos! Não há o que temer! Aleluia! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/TEMAMOS E TREMAMOS DIANTE DO SENHOR!

TEMAMOS E TREMAMOS DIANTE DO SENHOR!

                                                                                         

O temor do SENHOR é o princípio da sabedoria; revelam prudência todos os que o praticam. O seu louvor permanece para sempre”. Salmos 111.10.

                                                                    


Aqui encontramos o salmista exaltando o Senhor por sua glória e Majestade. Ele também exalta o Senhor por suas obras magníficas e por sua aliança estabelecida com o seu povo. E esta atitude não é incomum, pelo menos naqueles dias, por parte de vários outros salmistas. Havia uma consciência muito grande da presença, dos atributos eternos de Deus e da sua obra redentora. Havia uma santa reverencia um santo temor em relação ao sagrado! Parece que perdemos isto!

O que tem acontecido em nosso tempo? O que se passa na cabeça dos crentes contemporâneos? Tenho ficado abismada com a falta de temor e tremor diante do Senhor e de sua majestade! O Senhor ou é tratado de maneira distante e ritualística, numa religiosidade árida ou como um igual, até com desrespeito.  Piadas infames são feitas com o nome do Senhor com a maior sem cerimônia, mesmo no meio dos que se dizem crentes! Há uma falta de reverencia e uma ausência da consciência da presença Dele doentia!

Enquanto o salmista pontua de forma reverente as alianças feitas e os feitos memoráveis de Deus, há hoje um desdém em relação a essas coisas. Casamentos, por exemplo, são desfeitos com a maior facilidade, pelos motivos mais banais, sem considerar que alianças foram feitas diante do Senhor e com Ele. Ordenanças são desconsideradas atraindo grandes juízos. Olha-se para a liberdade da graça de Deus de forma irresponsável, como se esta fosse desculpa para pecar. Não podemos usar da liberdade para dar lugar a carne, como diz o apóstolo Paulo. Quando na verdade, graça é o favor imerecido de Deus! Ela deve nos tornar cada vez mais reverentes e devedores do Senhor!

O Senhor não está apenas dentro das quatro paredes da igreja visível, mas em todos os lugares. Tem faltado temor a Ele em nossos lares. Nas lideranças que ocupam cargos públicos e se dizem cristãs.  Em nossos ambientes de trabalho. Nas relações interpessoais. Na seriedade da nossa adoração, quando ela existe. Deus não tem sido priorizado. Tudo tem ocupado um lugar de honra na vida dos que se dizem filhos de Deus! Quantos altares têm sido erigidos aos deuses estranhos cultuados por nós, às ocultas nos porões de nossas almas! Depois queremos ter vitorias em nossas demandas pessoais. Tratamos Deus como se fosse um empregado cósmico sempre pronto a atender os nossos caprichos de filhos ingratos! O que aconteceu com a presente geração de crentes?

O salmista aqui chama a atenção para o fato de que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria, ele diz que revela prudência os que o praticam. Sem temor a Deus não há sabedoria. O salmista sabe as consequências de desconsiderar Deus em nossos planos, de fazer tudo à revelia Dele, de maneira autônoma. Temamos e tremamos diante do Senhor! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/



quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/ANUNCIEMOS A MISERICÓRDIA E A FIDELIDADE DO SENHOR!

ANUNCIEMOS A MISERICÓRDIA E A FIDELIDADE DO SENHOR!

Bom é render graças ao SENHOR e cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo, anunciar de manhã a tua misericórdia e, durante as noites, a tua fidelidade, com instrumentos de dez cordas, com saltério e com a solenidade da harpa. Pois me alegraste, SENHOR, com os teus feitos; exultarei nas obras das tuas mãos!”. Salmos 92.1-4.

                                                                                     


Este hino de gratidão e louvor pelos feitos de Deus nos inspira a anunciar incessantemente tanto as misericórdias do Senhor renovadas a cada manhã, razão pela qual não somos consumidos, quanto a sua fidelidade experimentada ao final de cada dia, prova do amor de Deus por nós, bem como de sua imutabilidade! A confiança nesses atributos nos leva ao exercício da quietude em Deus que traz ao coração a paz que excede todo o entendimento! Paz esta que não é circunstancial, mas baseada naquilo que o Senhor é. O Senhor não muda!

Os dias não têm sido fáceis para nenhum de nós, muito pelo contrário, parece que as lutas por fora e os temores por dentro têm se intensificado de uma maneira quase insuportável. As investidas vêm de todos os lados e ao mesmo tempo. Parece um complô infernal para nos tirar do prumo. Contudo, ao mesmo tempo, sobrenaturalmente temos experimentado uma quietude indizível só explicada pela presença do Senhor em nós e conosco. O salmista estava certo ao cantar com júbilo ao excelso nome do Senhor rendendo-lhe graças. Façamos o mesmo!

O povo da Cruz precisa reaprender a manifestar sua gratidão ao Senhor. Andamos de um lado para outro com nossas cargas e demandas cada vez maiores e nos esquecemos de agradecer por tudo que o Senhor tem sido para nós, em nós e no meio de nós, apesar de nós! Temos em nossas agonias perdido de vista que o Senhor não nos abandona nunca. Temos deixado que o vilão do medo nos assombre e roube nossas vitórias tirando da nossa vida o brilho da glória de Deus.

O salmista diz que o Senhor o alegrou com os seus feitos, por isto ele exulta com as obras das Suas mãos. Que tal pararmos um pouco em nossas lutas diárias e contarmos as bênçãos recebidas? São tantas. Como diz o velho hino: veremos surpresos, o que Deus já fez! Exultemos nas obras das mãos do Senhor! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/






quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/O DEUS QUE RESPONDE QUANDO CLAMAMOS!

O DEUS QUE RESPONDE QUANDO CLAMAMOS!

Esperei confiantemente pelo SENHOR; ele se inclinou para mim e me ouviu quando clamei por socorro. Folguem e em ti se rejubilem todos os que te buscam; os que amam a tua salvação digam sempre: O SENHOR seja magnificado! Eu sou pobre e necessitado, porém o Senhor cuida de mim; tu és o meu amparo e o meu libertador; não te detenhas, ó Deus meu!”.  Salmos 40.1,16,17.

                                                                      


Nesta oração por livramento o salmista Davi canta a fidelidade do Senhor em socorrer seus escolhidos. Não se sabe ao certo a situação histórica que gerou este belo salmo, mas não é difícil de imaginar as inúmeras demandas do rei salmista. Foram muitas as aflições e tribulações enfrentadas. Mas ele experimentou livramento e socorro de Deus em todas elas.

O salmo começa e termina declarando a profunda dependência do salmista do Senhor. Na verdade somos todos dependentes de Deus. Sem Ele nada somos e nada podemos. Somos todos vasos frágeis, mas servimos aquele que é o Forte dos Fortes. É Ele quem nos firma, fortalece e sustenta para podermos glorificá-lo no meio das nossas lutas. E não há nada mais alentador do que no meio das nossas encrencas sermos acudidos por Ele! O Salmista aqui diz que esperou com paciência ou confiantemente pelo Senhor. Esta é uma condição para sermos ouvidos. Pedir, orar, clamar sem confiar é simplesmente lançar palavras ao vento. É o homem de ânimo dobre mencionado por Tiago em sua epístola, não pense este homem que receberá nada de Deus. Esperar confiantemente é ter certeza do agir de Deus. O salmista diz ainda que depois de esperar assim, o Senhor se inclinou para ele e ou ouviu quando clamou por socorro. Que alívio! Clamemos confiantemente!

Tem sido muitas as nossas aflições, tantas que até parece que não vamos suportar, mas aí, buscamos ao Senhor de todo o nosso coração, clamamos por socorro e Ele vem em nosso auxilio! As situações que nos têm assolado demandam milagres, intervenções poderosas do céu. Parecem testes de resistência. Que o Senhor nos fortaleça para sermos aprovados! Precisamos à semelhança do salmista folgar e nos rejubilar em Deus. Carecemos de alegria do Espírito, de um mover sobrenatural para que possamos aguentar as lutas da jornada!

Que possamos magnificar o Senhor em todos os nossos caminhos. Exaltemos a uma o Seu Santo e Excelso nome porque Ele tem feito maravilhas em nosso meio! Que possamos incessantemente declarar como o salmista que o Senhor é o nosso Amparo, o nosso Libertador e aquele que continuamente cuida de nós! Glorifiquemos o Seu Santo Nome! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


terça-feira, 27 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/ELE NOS LIVRA DE TODOS OS NOSSOS TEMORES!

ELE NOS LIVRA DE TODOS OS NOSSOS TEMORES!

Busquei o SENHOR, e ele me acolheu; livrou-me de todos os meus temores”. Salmos 34.4.

                                                                             


Este salmo e especialmente este versículo tem um significado especialíssimo pra mim que venho de uma jornada de muitos medos. Alias, esses medos ao longo dos anos se transformaram em grandes “malassombros” chegando alguns a me adoecer, paralisar ou quase destruir!

Ao percorrer a trilha da Palavra de Deus fico atenta em busca das promessas que encerram libertações e alento. Não me preocupo com o que é material, mas fico atenta às questões que repercutem na nossa interioridade. E o medo é sem dúvida o vilão número um da nossa paz! Não é sem razão que ouvimos o Senhor tantas vezes em sua Palavra trazer ordenanças relativas a não temer, sempre acompanhadas de expressões de consolação. Como não temer se em nossa humanidade nos sentimos tão acuados frente aquilo que nos parece ameaçador? O medo numa certa medida pode ser um agente protetor, mas o difícil é saber a medida certa.

Há momentos que somos de súbito assaltados por situações e acontecimentos que nos tiram o chão, causam frio em nossa alma e nos fazem ficar com um nó que não desata na garganta!  O que fazer diante do imponderável? Só tem uma saída, entregar o nosso caminho ao Senhor confiar nele e deixar que Ele faça o que tem que ser feito. Ele é o grande e eficaz Esconderijo nas horas de nossos assombros!

O salmista aqui nos traz um alento, um sopro de alívio. Ele testemunha dos seus medos e o que fez com eles. Ele buscou ao Senhor. Foi acolhido por Ele e no Kit desse acolhimento veio o livramento de todos os seus temores. Algo que parece impossível, visto que somos assaltados com temores cada vez mais assustadores! Contudo, se ele diz que o Senhor o livrou de todos os temores, então, são todos mesmo! A promessa foi só para o salmista em uma situação especifica? Claro que não. Deus não tem filhos prediletos e todos que o buscam com inteireza de coração são acolhidos e socorridos por Ele. Foi assim com o salmista é assim com cada um de nós! Quando dizemos que confiamos no Senhor seremos expostos à situações que testificarão se realmente confiamos ou se o nosso discurso é da boca pra fora. Confiar pressupõe aquietar-se! Temos nos aquietado? Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/





segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/ELE É O NOSSO SOCORRO E ALTO REFUGIO, NÃO TEMAMOS!

ELE É O NOSSO SOCORRO E ALTO REFUGIO, NÃO TEMAMOS!

Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações. Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra”. Salmos 46.1,10.

                                                                       


Em muitas passagens das Escrituras ouvimos sobre os males súbitos que nos sobrevém. Os propósitos para essas situações são inúmeros, mas sejam quais forem trazem dor e pesar aos nossos corações. Carecemos de intervenções sobrenaturais e contínuas do céu para que não percamos o equilíbrio e adoeçamos emocionalmente!

Este salmo começa e termina com uma promessa consoladora da parte do Senhor aos seus escolhidos. Aliás, por três vezes aqui o salmista repete que o Senhor é o nosso refugio. E como estamos precisados de esconderijo! O Senhor é socorro e fortaleza. É consolo presente em nossas tribulações. Será que temos mensurado a dimensão dessas afirmações? O Senhor, em meio aos nossos becos sem saída, é a Porta, a Saída, a Possibilidade. É o Socorro impensável. Ele é Aquele que entra com aquela providencia que não estava no script, pelo menos não no nosso. O Senhor também é Aquele Esconderijo, A Fortaleza mais Alta. O Alto Refúgio no qual podemos nos ocultar, descansar e aquietar o nosso espírito no meio dos combates mais letais desta vida.

A nossa jornada nesta terra é cheia de altos e baixos. A estrada é íngreme, ladeira acima e cheia de curvas. Somos emboscados e surpreendidos a cada curva do caminho com aflições que nos tiram o fôlego e quase nos fazem perder a própria vida. Contudo, não enfrentamos essas situações sozinhos. Ele é presença garantida e contínua. Tudo que Ele deseja é que confiemos Nele e aquietemos o nosso coração agoniado. O Controle de tudo é Dele e nada escapa ao seu olhar perscrutador. Ele conhece, sobretudo, aqueles que confiam e se refugiam Nele! Aquietemos o nosso coração! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/



domingo, 25 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/AS MÃOS ESTENDIDAS PRECISAM ESTAR ACIMA DAS REGRAS!

AS MÃOS ESTENDIDAS PRECISAM ESTAR ACIMA DAS REGRAS!

O Senhor lhe respondeu: "Hipócritas! Cada um de vocês não desamarra no sábado o seu boi ou jumento do estábulo e o leva dali para dar-lhe água? Então, esta mulher, uma filha de Abraão a quem Satanás mantinha presa por dezoito longos anos, não deveria no dia de sábado ser libertada daquilo que a prendia? "Tendo dito isso, todos os seus oponentes ficaram envergonhados, mas o povo se alegrava com todas as maravilhas que ele estava fazendo”. Lucas 13:15-17.

                                                                   
  

A religiosidade desprovida de misericórdia tem aprisionado a muitos e engessado a maneira de agir em relação às reais necessidades dos outros. Todo zelo cego é fanatismo. O relacionamento com o Senhor é vivo e dinâmico não é de modo nenhum algo enrijecido pelas regras impostas por homens. Precisamos ter sensibilidade espiritual para perceber os comandos do Espírito no que diz respeito a acudir o nosso próximo. As mãos estendidas precisam se sobrepor às regras dos homens porque necessidade tem pressa!.

O episódio citado mostra a situação de uma mulher aprisionada por dezoito anos por um espírito de enfermidade que a fazia andar encurvada. Ela entra na Sinagoga num dia de sábado e ali se encontra com Jesus que a liberta. Aquilo foi um escândalo para os religiosos da época. Jesus quebra o protocolo e se posiciona como o Senhor absoluto não só da situação, mas do próprio sábado. Aliás, Ele em outro momento diz que o sábado foi criado por causa do homem não o homem por causa do sábado. Os judeus doutores da Lei e fariseus dos dias de Jesus pulverizaram a Lei com um sem número de regras, emendas e mandamentos absolutamente desprovidos de misericórdia trazendo jugo e opressão aos seguidores. A graça de Deus manifesta por meio de Cristo chocou os religiosos daqueles dias ávidos por meritocracia.

O amor prevalecente do Cristo manifesto nos dias de sua carne precisa ecoar em nossos dias e se sobrepor às nossas regras humanas. Mais do que em qualquer outra época é necessário manifestar amor de forma concreta àqueles que estão à nossa volta. Devemos sim, pregar com palavras, mas, sobretudo, é imprescindível que as nossas palavras sejam respaldadas pelos atos concretos de amor. As palavras vazias de sentido não têm convencido. Estender a mão. Acolher. Alimentar. Socorrer. Amparar. Aquecer. Dessedentar. São sermões difíceis de esquecer! Reflitamos sobre isto! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/








sábado, 24 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/QUE NINGUÉM SE VANGLORIE DIANTE DELE!

QUE NINGUÉM SE VANGLORIE DIANTE DELE!

Ele escolheu as coisas insignificantes do mundo, as desprezadas e as que nada são, para reduzir a nada as que são, para que ninguém se vanglorie diante dele”. I Coríntios 1:28, 29.
                                                                            



Falando da vocação dos santos de Deus, o apóstolo Paulo chama a atenção para o fato de que o critério de escolha do Senhor foge aos padrões humanos. Não foram chamados muitos sábios segundo a carne, nem muitos de nobre nascimento e muito menos foram chamados os poderosos do ponto de vista deste mundo. Que coisa mais estranha para compreendermos, visto que estamos vivendo em um tempo no qual o desempenho e a produtividade parecem ser a condição maior para se ocupar cargos e status! Difícil de entender, mas o versículo logo trata de trazer uma explicação que só aqueles que têm ouvidos espirituais podem compreender.

O orgulho, a vaidade tem sido o pecado-chave na queda do homem desde o Éden. Andar em autonomia à revelia de Deus foi algo plantado no coração do homem pela serpente desde os primórdios. E tem sido algo contra o qual precisamos lutar bravamente e resistir aos seus rogos. O versículo citado começa logo com um alfinete furando o balão da nossa vã pretensão de querer ser coisa de grande importância. Por isso o Senhor escolheu as coisas insignificantes deste mundo, as desprezadas e as que nada são para reduzir a nada as que são ou pensam que são.  Qual o propósito disso? Para que ninguém se vanglorie diante do Senhor!

Toda honra, toda glória devem ser tributadas unicamente Aquele que é digno de receber sempre! Pois tudo vem Dele, acontece por meio Dele e é para a exclusiva glória Dele! Fico abismada com a onda de estrelismo nos meios cristãos dos nossos dias! Como podemos ler um texto como este do apóstolo Paulo e ainda agir como se fôssemos coisas de grande valor! Antes glorifiquemos ao Senhor porque apesar de nós, Ele nos amou e nos escolheu para que fôssemos vasos em suas mãos. Canais da sua multifome graça para alcançar a muitos. Reconciliados para reconciliar. Perdoados para perdoar. Amados incondicionalmente para amar em caridade, numa doação contínua de nós mesmos. E que na nossa infinitude, inadequação e incompletude o nome do Senhor seja sempre magnificado e glorificado.

Conta-se que em certa igreja havia um lindo vitral que retratava a figura do Cristo. O pastor da igreja muito alto sempre que se colocava no púlpito, ninguém conseguia ver o vitral com o Cristo. Certa vez foi trazido um pastor convidado e este baixinho ao subir no púlpito lá estava acima dele a figura do Cristo. Um garotinho que vinha sempre aquela igreja com sua mãe perguntou: “Mãe cadê aquele homem  que não deixa a gente ver o Cristo?”. Façamos assim, não nos coloquemos em posição que não permita que as outras pessoas vejam o Cristo. No versículo vinte e sete Paulo diz que o Senhor escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas para envergonhar as fortes. Não nos vangloriemos, irmãos. Não busquemos o aplauso ou a notoriedade dos homens. Convém que o Senhor cresça mais e mais em nós e que nós diminuamos! Antes sejamos reduzidos a nada para que a glória do Senhor resplandeça sempre! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/






sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/UMA PAUSA PARA ADORAÇÃO!

UMA PAUSA PARA ADORAÇÃO!

Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória, ao único Deus, nosso Salvador, mediante Jesus Cristo, Senhor nosso, glória, majestade, império e soberania, antes de todas as eras, e agora, e por todos os séculos. Amém!”. Judas 1.24,25.

                                                                           


Judas pela terceira vez em seu curto livro explode numa doxologia comovente acerca da soberana, excelsa e prevalecente ação de Deus na Salvação dos seus escolhidos. A obra da salvação é absolutamente completa. Fomos chamados, escolhidos por meio de Cristo, regenerados pelo lavar do Seu Espírito, santificados e glorificados. Em Cristo já estamos assentados nas regiões celestes. E tudo isto por pura graça, à despeito de toda a nossa inadequação, apesar de nós. Para que a honra e a glória sejam sempre do Senhor e não nossa!

Escondidos em Cristo estamos guardados dos tropeços e seremos apresentados imaculados diante da glória do Pai. Só por meio de Cristo podemos ser encontrados assim. Sem Ele nada somos! Nada podemos! Nada temos! Contudo, ao mesmo tempo, tudo podemos Naquele que nos fortalece! Humanamente falando aquilo que era impossível a nós por nossos próprios esforços, Deus possibilita! Aleluia!

Quando olhamos para a nossa fraqueza, para as nossas inclinações percebemos o quão dependentes somos do Senhor. Sem Ele nada podemos ser ou fazer! É Ele quem efetua em nós tanto o querer quanto realizar, segundo o seu poder que opera em nós! E isto é maravilhoso demais aos nossos olhos. Claro, que é preciso sim, nos deixar trabalhar e moldar pelo Santo Espírito. Aqueles que são refratários à esse agir enfrentarão grandes sofrimentos. A não resistência aos agires de Deus facilita as coisas. O apóstolo Paulo propõe um culto racional, uma entrega diária e continua do nosso corpo no altar do sacrifício. Quando vamos ao altar diariamente passamos a entrar em sintonia com o Trono da Graça, vibramos na frequência de Deus e só a partir daí experimentaremos qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus! Isto é razão mais que suficiente para uma adoração contínua. O Senhor é Aquele que nos sustém! Ele é Aquele que nos fortalece e firma os nossos passos para que o honremos e o adoremos em espírito e em verdade! Glorifiquemos ao Senhor! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/





quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/QUANDO NOS DERRAMAMOS DIANTE DO SENHOR, ELE NOS ENCHE!

QUANDO NOS DERRAMAMOS DIANTE DO SENHOR, ELE NOS ENCHE!

Demorando-se ela no orar perante o SENHOR, passou Eli a observar-lhe o movimento dos lábios, porquanto Ana só no coração falava; seus lábios se moviam, porém não se lhe ouvia voz nenhuma; por isso, Eli a teve por embriagada e lhe disse: Até quando estarás tu embriagada? Aparta de ti esse vinho! Porém Ana respondeu: Não, senhor meu! Eu sou mulher atribulada de espírito; não bebi nem vinho nem bebida forte; porém venho derramando a minha alma perante o SENHOR.”. 1 Samuel 1.12-15.

                                                                    


O texto trata da oração de Ana, mãe do profeta Samuel. Ela no meio de uma grande aflição orava ao Senhor derramando o coração na sua presença e foi confundida pelo próprio sacerdote Eli com alguém que estava embriagada. O que aprendemos com esta situação? Invariavelmente quando as dores da vida nos traspassam a alma nos sentimos como essa mulher. Com o coração dilacerado, já não nos importamos com o que pensam ao nosso respeito. Às vezes até aqueles que nos são mais chegados têm dificuldade de compreender a dimensão das nossas dores mais profundas.

Todos que têm familiaridade com a Palavra de Deus conhecem esta história que teve um final feliz. Ana que até então era estéril, dentro de um contexto social que tal estado era vergonhoso e sinal do não favor de Deus. E como se isto não bastasse ela tinha uma rival que a humilhava o tempo todo. A oração de Ana nos ensina que muitas vezes pela natureza da nossa aflição já não há mais palavras que possamos usar em nossas petições. Apenas gememos na presença do Senhor. E é exatamente aí que oramos de forma mais intensa e profunda, porque oramos com a nossa alma num derramar contínuo na presença do Pai celestial. É quando não sabemos orar como convém que o Doce e Terno Espírito entra em ação e intercede por nós com gemidos inexprimíveis. O som da aflição não cabe na dimensão das palavras.

Ana era mulher atribulada de espírito, como muitos de nós mulheres e homens de Deus. Ela com sua dor indizível não se encheu de vinho para afogar as suas inquietudes e desditas. Antes, ela se esvaziou, derramou-se perante o Senhor! Todos os que derramam a sua alma perante o Senhor num quebrantamento sincero de coração saem plenos de sua presença. Semearam com lágrimas, voltarão jubilosos carregando seus feixes. Foi assim com Ana. Naquela oração ela pedia por um filho, a quem consagraria ao Senhor. A resposta veio. O Senhor respondeu a sua oração e enviou o pequeno Samuel. A serva do Senhor foi honrada. Ninguém que vai a presença do Senhor de coração derramado volta de mãos vazias! Sejamos sinceros nas nossas orações e esperemos em ações de graças à resposta do Senhor à nossa queixa! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/





quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/MULHER, POR QUE ESTÁ CHORANDO? QUEM VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?

MULHER, POR QUE ESTÁ CHORANDO? QUEM VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?

O justo passa por muitas adversidades, mas o Senhor o livra de todas; Disse ele: "Mulher, por que está chorando? Quem você está procurando? “Pensando que fosse o jardineiro, ela disse: "Se o senhor o levou embora, diga-me onde o colocou, e eu o levarei". Jesus lhe disse: "Maria! " Então, voltando-se para ele, Maria exclamou em aramaico: "Rabôni!”(que significa Mestre)”. Salmos 34.19; João 20.15,16.

                                                                           


Quando juntamos as palavras do salmista com as palavras de consolação de Jesus a Maria Madalena diante do túmulo vazio, recebemos um sopro de alento do céu. E aí, vem uma pergunta inevitável: “Por que não prestamos a atenção devida aos anúncios e avisos do Senhor ao longo de sua Palavra?”. A Bíblia Sagrada é uma Estrada bem sinalizada se prestarmos a atenção veremos que o Senhor nos tem prevenido acerca de tudo.

Temos nos distraído com muita facilidade! Perdemos de vista com tanta rapidez aquilo que aprendemos! Certo pensador Cristão disse que o cristão precisa ser mais lembrado que mesmo instruído. Certíssimo! É, temos memória curtíssima, sobretudo, quando chega a hora das provas quando somos assolados por ondas de suores frios que nos congelam a alma e nos fazem perder o chão. “São muitas sim, as aflições do justo, mas o Senhor de todas o livra”. Por que, então, só prestamos atenção a primeira parte do versículo? Que “dislexia espiritual” é essa, que nos tem feito perder de vista a chave para a nossa confiança em Deus? Em nenhum lugar na Palavra do Senhor o escutamos dizer que a travessia por esta terra seria fácil. Muito pelo contrário, o próprio Senhor Jesus nos avisou que no mundo passaríamos por aflição, mas deveríamos ter bom ânimo porque Ele venceu o mundo. E Ele venceu para nos habilitar a andarmos em triunfo, como mais que vencedores que somos. Ele prometeu sim, andar conosco por todos os dias de nossa vida. Esta presença é a garantia da nossa vitória. Não estar sozinho é alentador! E não falo da presença de pessoas humanas, limitadas como nós, que mesmo tendo a sua importância, não preenchem o vazio do nosso coração. Falo da presença do Todo Poderoso andando junto, segurando a nossa mão, colocando por baixo de nós os braços eternos em cada fração de segundo de nossa trajetória.

A postura de Maria diante do túmulo vazio tipifica as nossas reações diante das dores e perdas que sofremos. Dirijo esta palavra a todos, mas especialmente às mulheres que têm tido a sua visão nublada pelas lágrimas de desespero diante das muitas lutas da vida! Por que insistimos sempre em buscar no meio dos mortos Aquele que vive e reina pelos séculos dos séculos? Talvez as mesmas perguntas feitas a Maria naquele dia ecoem em nossos ouvidos no dia de hoje: “Por que você está chorando?”. “Quem você está procurando?”. O nosso Redentor vive e já se levantou sobre a terra! Não há o que temer. Ele está bem do nosso lado e não nos deixa só por um segundo que seja! Tão somente confiemos! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/


terça-feira, 20 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/QUEM É QUE NOS VÊ? QUEM FICARÁ SABENDO?

QUEM É QUE NOS VÊ? QUEM FICARÁ SABENDO?

 “Ai daqueles que descem às profundezas para esconder seus planos do Senhor, que agem nas trevas e pensam: "Quem é que nos vê? Quem ficará sabendo? Cuidado, irmãos, para que nenhum de vocês tenha coração perverso e incrédulo, que se afaste do Deus vivo”. Isaías 29.15; Hebreus 3.12.

                                                                           
                                            

Os textos citados embora escritos em épocas diferentes trazem advertências sérias sobre os que se imaginam incólumes, intocáveis quanto às suas práticas malignas. Agem como se achassem que jamais seriam apanhados! Nada fica oculto debaixo do céu. Tudo aquilo que tem sido planejado no interior das casas será proclamado no alto dos telhados. O próprio Senhor Jesus alerta sobre isto! Quando lemos tais textos sentimos um aperto, uma tristeza no coração ao ver escancarado tudo àquilo que tem sido praticado nas trevas com propósitos escusos para envergonhar o evangelho de Cristo! Jesus também disse que os escândalos são inevitáveis, mas ai daqueles por intermédio de quem vem os escândalos! Os escândalos vem para conserto ou ruína completa!

O que mais dói é que esta é uma palavra para crentes, tanto por intermédio do profeta Isaías quanto por meio do autor de Hebreus. Contudo, ao mesmo tempo em que é uma palavra de dura advertência, mostra que o Senhor é Deus de oportunidades. Ele não aplica a sua ira antes de usar generosa e exaustivamente a sua misericórdia. O apóstolo Paulo chama a atenção dos seus leitores dizendo: “Aquele que pensa estar de pé veja que não caia!”.  Parece que os que querem se colocar no patamar da lisura e da incorruptibilidade, trazem à reboque um dedo em riste prestes a apontar os erros dos outros. Como que para encobrir seus próprios erros chamam a atenção para os erros dos outros. Temos visto isto tantas vezes ao longo da caminhada! Meu Deus que coisa séria!

Quando aprendemos que Deus não se impressiona com as nossas exterioridades religiosas, mas sonda mentes e corações, qual foi a parte que não entendemos bem? Nossas práticas religiosas exteriores, nossos atos de bondade com plateias, nossas tolas tentativas de emboscar o Espírito Santo para que Ele respalde nossas vãs performances piedosas só causam repulsa ao coração do Pai. Até quando nos comportaremos como néscios na tentativa de nos esconder de Deus? Creio que somos observados por homens e por anjos. Anjos eleitos e anjos caídos. E estes últimos sempre à espreita de uma oportunidade dada por nós, para nos fazer cair de nossa posição em Cristo. É a grande plateia do contra! Vigiemos! Tanto a advertência feita ao Israel do passado quanto a que foi feita aos crentes neotestamentários nos mostram que santificação é inegociável e atemporal. Andar em novidade de vida é preciso, do contrário seremos vergonhosamente desmascarados pelos nossos próprios pecados. O Brasil tem vivido um tempo de corrupção institucional nunca visto, pelo menos, não nessa magnitude! Tudo revelado, tudo trazido à luz! Sim, nada ficará oculto. E ao que parece o mar de lama continua subindo. A enchente tem sido grande e muitos ainda serão arrastados por ela! Clamemos por nossa nação, choremos por nós mesmos e por nossos filhos! Quebrantemo-nos e voltemos ao Senhor!

A Bíblia tem muito a dizer sobre o olhar perscrutador de Deus. Passaríamos muito tempo listando textos que falam sobre isto. Termino com alguns desses textos que me fazem temer e tremer. Meditemos neles: "Os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons". "Os olhos de Deus estão sobre os caminhos do homem, e veem todos os seus passos". E não há criatura que não seja manifesta na Sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos dAquele a quem temos de prestar contas". “Deus olhou desde os céus para os filhos dos homens, para ver se havia algum que tivesse entendimento e buscasse a Deus". O que mais nos resta agora, além de corarmos de vergonha, clamarmos por misericórdia e buscarmos ao Senhor enquanto o podemos achar? Quanto às perguntas-título, a resposta para ambas é: “DEUS E TODO O MUNDO!”. Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/




segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/O QUE O JUSTO DESEJA NASCE NO CORAÇÃO DE DEUS!

O QUE O JUSTO DESEJA NASCE NO CORAÇÃO DE DEUS!

O temor do SENHOR prolonga os dias da vida, mas os anos dos perversos serão abreviados. A esperança dos justos é alegria, mas a expectação dos perversos perecerá. O caminho do SENHOR é fortaleza para os íntegros, mas ruína aos que praticam a iniquidade”. Provérbios 10.27-29.

                                                                       


Este capítulo de provérbios traz o contraste entre o justo e o perverso. Interessante lê-lo todo. Contudo, gostaria de chamar a atenção para esses três versículos citados que tratam da longevidade, da esperança e da força dos justos. Entenda-se por justos aqueles que foram justificados pela fé no Senhor Jesus Cristo.

A longevidade dos justos depende do andar no temor do Senhor. Isto não se trata de medo de Deus, mas de uma santa reverencia à presença do Senhor aonde quer que estejamos. Nunca estamos fora do alcance das vistas e do olhar cuidadoso do nosso Deus e Pai. E quando andamos em temor e tremor em sua presença alcançamos uma vida longeva e frutífera sobre a terra. A consciência da presença do Senhor nos constrange e barra projetos iníquos. Muitos têm sido ceifados antes de tempo por negligenciar este princípio. A esperança do justo, aquilo que ele almeja nasce no coração de Deus e lhe é comunicado pelas impressões do Espírito no seu interior. Quando se anda relacionalmente com o Senhor os desejos passam a se alinhar com a vontade soberana Dele. Não há vontades ilícitas, não há desejos escusos. Haverá sempre uma prevalência do que está escrito em detrimento do que se quer, especialmente por medo de ferir o coração amoroso do Senhor! E ainda que algum desejo esteja fora da vontade de Deus ele não vinga, não permanece. Logo o Espírito Santo entra em ação e convence da justiça do juízo e do pecado. O que esse justo deseja redunda em alegria e regozijo, o grande alvo é a glória de Deus não a própria glória. A fortaleza desse justo é o próprio Senhor. O Senhor é o seu Alto Refúgio, a sua Rocha, a sua Força para seguir em frente mesmo em meio aos combates mais renhidos e as situações mais avassaladoras!


Não tem sido fácil viver na terra especialmente em nossos dias, quando percebemos uma inclinação para superficialidade mesmo em meio àqueles que se dizem “justos”. Há muito que deixamos de navegar nas águas profundas do Espírito. Há muito que deixamos de adorar e buscar o Senhor na beleza de sua santidade e nos contentamos com lampejos fugazes de bênçãos materiais, absolutamente efêmeras que logo se dissipam deixando um rastro de insatisfações permanente. Que possamos acordar em temor e santo tremor diante de Deus, para não sermos contados com os ímpios e ter os nossos dias abreviados sobre a terra. Que a nossa esperança redunde em alegria porque é alicerçada na própria Esperança Viva que é o Cristo, para que não tenhamos uma expectação que perece nos desejos carnais, semelhante aos ímpios. Que o Novo e Vivo Caminho do Senhor seja a nossa Fortaleza e não sejamos arruinados com os que praticam a iniquidade! Avancemos na força que o Senhor supre, busquemos na Suficiência da Graça o nosso suporte. Estejamos firmados e alicerçados em Deus, sempre! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/

Meditação/Nadia Malta/NÃO TENHAMOS PRESSA QUANTO AOS AGIRES DE DEUS! ESTÁ TUDO NO CONTROLE DELE!

NÃO TENHAMOS PRESSA QUANTO AOS AGIRES DE DEUS! ESTÁ TUDO NO CONTROLE DELE!

De fato, mil anos para ti são como o dia de ontem que passou, como as horas da noite. A vida se manifestou; nós a vimos e dela testemunhamos, e proclamamos a vocês a vida eterna, que estava com o Pai e nos foi manifestada”. Salmos 90.4; 1 João 1.2.

                                                                               


Não há nada mais alentador do que olhar as coisas na perspectiva da eternidade. Em tempos expressos, de instantaneidades temos perdido a capacidade de maturação e preparação. Tudo tem que acontecer num simples estalar de dedos! Queremos tudo para ontem. Hoje os recursos modernos dos aplicativos de celulares feitos para “facilitar a vida” das pessoas parecem que tem gerado outro tipo de problema, a pressa patológica de resolver tudo a um simples toque de um botão.

O trágico disso tudo é a tendência de querer transportar esse tipo de conceito para as coisas espirituais. O tempo de Deus é diferente do no nosso. “Ele não trabalha segundo a cronologia de seres humanos apressados”. É Ele quem estabelece os tempos e as épocas.  Enquanto Ele trabalha ao nosso favor, Ele trabalha em nós para que aprendamos a discernir a sua vontade excelsa, soberana e prevalecente!

Assim aprendemos com o salmista que: “De fato, mil anos para ti são como o dia de ontem que passou, como as horas da noite”.  O plano de Deus para nós foi concebido desde tempos eternos. Antes da fundação do mundo. Ainda que a nossa mente limitada não alcance a compreensão desse tempo, tenhamos confiança em quem o estabeleceu! Tudo foi perfeitamente planejado, não só em relação à eterna redenção, mas a tudo que diz respeito a nós. Ele certamente levará a bom termo. Por meio de Cristo manifestado a nós obtivemos o que necessitamos!  Sim o verbo no passado, pois já foi preordenado. “Todas as coisas já nos foram concedidas que dizem respeito à vida e à piedade”. Por que muitas bênçãos ainda não se materializaram em nossas mãos, embora já sejam realidades no mundo espiritual? Porque Ele está trabalhando em nós, nos preparando para recebê-las.
O que temos conseguido com as nossas pressas doentias? Ansiedades, depressões, síndromes desconhecidas. O coração tem sido rebelde e obstinado no seu desejo autônomo de fazer as coisas do seu jeito.  Por meio do Profeta Isaías ouvimos: “Porque assim diz o Senhor DEUS, o Santo de Israel: Voltando e descansando sereis salvos; no sossego e na confiança estaria a vossa força, mas não quisestes”. Aí está o grande antídoto contra a nossa as nossas agonias mais profundas! A confiança no Senhor nos fortalece para seguir em frente! Descanso e equilíbrio andam juntos! 

O Senhor trabalha para os que Nele esperam! Assim, não tenhamos pressa quanto aos seus agires, antes aguardemos jubilosos, pois a resposta está à caminho. Está tudo absolutamente dentro do tempo previsto, nada está fora do Seu controle soberano. Aquietemos a nossa alma exigente! Aquele que vem virá e não tradará! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/







sábado, 17 de outubro de 2015

Meditação/Nadia Malta/ALEGREMO-NOS NO SENHOR!

ALEGREMO-NOS NO SENHOR!

                                                                              

Então as moças dançarão de alegria, como também os jovens e os velhos. Transformarei o lamento deles em júbilo; eu lhes darei consolo e alegria em vez de tristeza. Que o próprio Senhor Jesus Cristo e Deus nosso Pai, que nos amou e nos deu eterna consolação e boa esperança pela graça, dê ânimo aos seus corações e os fortaleça para fazerem sempre o bem, tanto em atos como em palavras”. Jeremias 31.13; 2 Tessalonicenses 2.16,17.

                                                                            


Impossível não começar a meditação de hoje sem um sonoro brado de aleluia! O profeta Jeremias foi levantado para profetizar em um dos momentos mais dramáticos do povo de Deus, o Cativeiro de Babilônia. Não era fácil pregar de forma dura e contundente à respeito da postura rebelde do povo que acabou culminando num dos piores cativeiros da história. Contudo, apesar de toda desolação e toda sensação de desamparo, o Senhor promete transformar o lamento em júbilo, mas não antes de se completar o tempo para que os consertos fossem feitos e o povo se voltasse para Ele! Tempo que durou setenta anos! Quem determinou esse tempo? A própria rebelião do povo!

Foram muitos os profetas falsos que profetizavam segundo os seus corações e segundo a vontade do povo. Deus tem um tempo determinado para todas as coisas e nada acontece fora da vontade soberana Dele! Estabelecendo uma analogia entre as dores do passado e as nossas dores de hoje percebemos, que embora, não estejamos em um cativeiro literal, há muitos “cativeiros”, desertos e vales autoimpostos por nossas próprias rebeliões. O desejo de fazer aquilo que é do nosso querer em detrimento da vontade do Senhor é algo recorrente através dos séculos! Como a velha carne é contumaz em satisfazer seus desejos! Obedecer é sempre melhor que sacrificar! Aqui e acolá nos percebemos encerrados em cativeiros que nos oprimem e aprisionam gerando choro e ranger de dentes.

O Senhor avisou ao seu profeta que antes de se completarem os setenta anos, nada aconteceria. Há um tempo de maturação para mensurarmos as nossas culpas, purgando-as em quebrantamento sincero de coração! Apesar do humanismo, de certo modo, brigar contra os efeitos da culpa, ela tem o seu lugar e seu papel nos planos perfeitos e terapêuticos de Deus. Só por meio de um arrependimento genuíno podemos fazer o caminho de volta para Deus!

Só na presença do Senhor desfrutamos da plenitude de alegria e de delícias para sempre! Nada, ou ninguém pode nos satisfazer plenamente! Projetar sobre os outros a nossa expectativa de felicidade além de gerar peso para nós e para os outros gera frustração e insatisfação permanentes! Só Jesus Cristo em nós é a Esperança da Glória! No versículo de Jeremias citado o Senhor promete transformar o lamento do seu povo em júbilo, no devido tempo, é claro. Ele promete consolo e alegria ao invés de tristeza. O apóstolo Paulo arremata ratificando as palavras trazidas há tanto tempo falando a mesma coisa. Pela graça e consolação recebidas em Cristo teremos ânimo e fortalecimento para realizarmos as obras de Deus, não apenas em palavras, mas em atos concretos. Ortodoxia e ortopraxia precisam andar juntas! Conhecimento teórico doutrinário precisa estar alinhado a uma fé prática. São atos concretos de amor testificando do que apregoamos!

Assim começamos e terminamos glorificando ao Senhor por sua graça e soberania. Ele não desiste dos que são seus filhos. Ele não     nos descarta, antes faz os consertos necessários para que voltemos para Ele em amor e alegre gratidão. Essa volta é geradora de júbilo, de alegria, de folguedos! O lamento se esvai e a voz de choro é trocada pelas canções de regozijo. Precisamos de um batismo de alegria! Que o Senhor nos renove transformando o nosso lamento em júbilo! Nadia Malta. http://ocolodopai.blogspot.com.br/




Você poderá gostar também de...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...