sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS ADVERTE QUANTO AO PERIGO DO AMOR ÀS RIQUEZAS!


Se alguém ensina falsas doutrinas e não concorda com a sã doutrina de nosso Senhor Jesus Cristo e com o ensino que é segundo a piedade, é orgulhoso e nada entende. Esse tal mostra um interesse doentio por controvérsias e contendas acerca de palavras, que resultam em inveja, brigas, difamações, suspeitas malignas e atritos constantes entre pessoas que têm a mente corrompida e que são privados da verdade, os quais pensam que a piedade é fonte de lucro. De fato, a piedade com contentamento é grande fonte de lucro, pois nada trouxemos para este mundo e dele nada podemos levar; por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos. Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição, pois o amor ao dinheiro é raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram a si mesmas com muitos sofrimentos”. Ordene aos que são ricos no presente mundo que não sejam arrogantes, nem ponham sua esperança na incerteza da riqueza, mas em Deus, que de tudo nos provê ricamente, para a nossa satisfação. Ordene-lhes que pratiquem o bem, sejam ricos em boas obras, generosos e prontos para repartir. Dessa forma, eles acumularão um tesouro para si mesmos, um firme fundamento para a era que há de vir, e assim alcançarão a verdadeira vida”. 1 Timóteo 6: 3-10, 17-19. 


O texto chama a nossa atenção para a falsa piedade que tenta se firmar sobre o fundamento falso das riquezas e prazeres deste mundo. São os mestres da mentira que proliferam pelos séculos sob uma capa de piedade espalhando suas doutrinas malignas fazendo prisioneiras as almas dos incautos. Eles provocam contendas e altercações, brigas e dissensões no meio do povo de Deus. Paulo alerta que a piedade com contentamento pode ser sim uma fonte de lucro, mas não de lucro material. Ele fala do ganho interior de se estar no centro da vontade soberana de Deus! Nesta terra necessitamos apenas do essencial para viver. Os que se esforçam para se tornar ricos do ponto de vista do mundo caem em ciladas. O desvio da fé é uma dessas ciladas malignas que tem atraído a muitos. Riqueza material é dom de Deus. Quando o Senhor nos dá riquezas deste mundo, ele tem o propósito de investirmos no Seu Reino para que o Evangelho chegue aos confins da terra, não para esbanjarmos nos prazeres que militam em nossa carne! Curioso, que haja uma ligação das falsas doutrinas com o amor ao dinheiro e às riquezas! Paremos para pensar! Nadia Malta.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta


JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA À DILIGENCIA E À FIDELIDADE NO MINISTÉRIO, BEM COMO AO EXERCÍCIO DA PIEDADE! 


O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e seguirão espíritos enganadores e doutrinas de demônios. Tais ensinamentos vêm de homens hipócritas e mentirosos, que têm a consciência cauterizada e proíbem o casamento e o consumo de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ação de graças pelos que creem e conhecem a verdade. Pois tudo o que Deus criou é bom, e nada deve ser rejeitado, se for recebido com ação de graças, pois é santificado pela palavra de Deus e pela oração. Se você transmitir essas instruções aos irmãos, será um bom ministro de Cristo Jesus, nutrido com as verdades da fé e da boa doutrina que tem seguido. Rejeite, porém, as fábulas profanas de velhas e exercite-se na piedade. O exercício físico é de pouco proveito; a piedade, porém, para tudo é proveitosa, porque tem promessa da vida presente e da futura. Esta é uma afirmação fiel e digna de plena aceitação. Se trabalhamos e lutamos é porque temos colocado a nossa esperança no Deus vivo, o Salvador de todos os homens, especialmente dos que creem. Ordene e ensine estas coisas. Ninguém o despreze pelo fato de você ser jovem, mas seja um exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na fé e na pureza. Até a minha chegada, dedique-se à leitura pública da Escritura, à exortação e ao ensino. Não negligencie o dom que lhe foi dado por mensagem profética com imposição de mãos dos presbíteros. Seja diligente nestas coisas; dedique-se inteiramente a elas, para que todos vejam o seu progresso. Atente bem para a sua própria vida e para a doutrina, perseverando nesses deveres, pois, fazendo isso, você salvará tanto a si mesmo quanto aos que o ouvem. 1 Timóteo 4:1-16. 



As instruções trazidas pelo Senhor, por meio de Paulo, ao jovem pastor Timóteo em relação ao ministério serve para todo crente consciente do seu chamado. Indubitavelmente, vivemos tempos de apostasia, negação da fé, desrespeito absurdo ao sagrado e isto sem nenhum constrangimento. O carreirismo e a competitividade nos meios ministeriais é absolutamente inaceitável. As pessoas perderam o temor ao Senhor e visam apenas o que é material. Há os que são chamados de “pastores da ostentação”. Fácil imaginar o porquê. Paulo chama Timóteo a um exercício pouco utilizado, o exercício da piedade. É fácil exercitar os músculos numa academia, visando um resultado exterior agradável. Mas, e quanto às coisas espirituais? São poucos aqueles que se dedicam a uma mudança efetiva por meio da Santa Palavra de Deus. Como rebater as heresias e falsos ensinos dos nossos dias sem conhecer e viver a Palavra de Deus? Que o Senhor a cada dia renove o dom que há em nós pela imposição de suas próprias mãos. Que o Senhor feche o fôlego da nossa vida antes que pendamos para o mal e o entristeçamos! Sejamos diligentes e fiéis no exercício do ministério. Tenhamos cuidado com os sofismas e ensinos de demônios que sorrateiramente adentram as nossas igrejas, com uma maquiagem de piedade, mas que não resistem à ação da Água Viva que purifica. Atentemos para a nossa própria vida e para doutrina, como recomenda Paulo ao final do contexto. A Palavra é tão aplicável para nós em nossos dias como o fora nos dias antigos. Tenhamos cuidado com o perigo que nos ronda, tanto pessoalmente quanto como igreja, atentemos para isto! Nadia Malta



                    

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A INTERCEDER POR TODOS OS QUE ESTÃO INVESTIDOS DE AUTORIDADE! 


Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ação de graças por todos os homens; pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade. Isso é bom e agradável perante Deus, nosso Salvador, que deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade. Pois há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus, o qual se entregou a si mesmo como resgate por todos. Esse foi o testemunho dado em seu próprio tempo. Para isso fui designado pregador e apóstolo mestre da verdadeira fé aos gentios. Digo-lhes a verdade, não minto”. 1 Timóteo 2:1-7. 


Somos aqui exortados pelo Senhor por meio do apóstolo Paulo a orar sempre, intercedendo, suplicando sempre com ações de graças, por todos, mas especialmente por aqueles que estão investidos de autoridade. Toda autoridade é constituída por Deus por meio de sua soberania, portanto se uma autoridade se torna arbitrária, o meio de detê-la é orando ao Senhor. Ele está acima de toda autoridade, quer seja humana ou espiritual. Se o Senhor permite um governo seja ele qual for, tem sempre um propósito. Somos o povo da promessa e como tal não podemos perder a esperança como os que não conhecem ao Senhor. Os crentes precisam fazer a diferença e florescer aonde quer que estejam plantados. Em Romanos 13.1,2 Paulo reforça este ensino e diz: “Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas. Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos”. Determinados governos não são desejáveis, mas se o Senhor permitiu que governem, aceitemos com orações e ações de graça. Clamemos em nome do Senhor Jesus Cristo, único Mediador entre Deus e os homens! Embora não haja o universalismo da salvação como muitos querem fazer crer, o texto fala da universalidade da graça, que pode alcançar o pior pecador. Oremos, abençoemos os que exercem autoridade nesta terra e diante mão exercitemos ações de graças por tudo que o Senhor fará na situação. Nadia Malta. 

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta


JESUS, AQUELE QUE NOS ADVERTE A NOS APARTAR DE TODO O QUE ANDA OCIOSAMENTE!


 “Irmãos, em nome do nosso Senhor Jesus Cristo nós lhes ordenamos que se afastem de todo irmão que vive ociosamente e não conforme a tradição que receberam de nós. Pois vocês mesmos sabem como devem seguir o nosso exemplo, porque não vivemos ociosamente quando estivemos entre vocês, nem comemos coisa alguma à custa de ninguém. Pelo contrário, trabalhamos arduamente e com fadiga, dia e noite, para não sermos pesados a nenhum de vocês, não por que não tivéssemos tal direito, mas para que nos tornássemos um modelo para ser imitado por vocês. Quando ainda estávamos com vocês, nós lhes ordenamos isto: se alguém não quiser trabalhar, também não coma. Pois ouvimos que alguns de vocês estão ociosos; não trabalham, mas andam se intrometendo na vida alheia. A tais pessoas ordenamos e exortamos no Senhor Jesus Cristo que trabalhem tranquilamente e comam o seu próprio pão. Quanto a vocês, irmãos, nunca se cansem de fazer o bem. Se alguém não obedecer à nossa palavra por esta carta, marquem-no e não se associem com ele, para que se sinta envergonhado; contudo, não o considerem como inimigo, mas chamem a atenção dele como irmão. O próprio Senhor da paz lhes dê a paz em todo o tempo e de todas as formas. O Senhor seja com todos vocês”. 2 Tessalonicenses 3:6-16. 


A Palavra do Senhor é absolutamente abrangente e trata de todas as áreas que dizem respeito à vida e à piedade. Não há um só assunto que não seja cuidadosamente tratado através do seu ensino zeloso. Na versão da Almeida e Atualizada, usa a palavra desordenadamente, acho-a mais apropriada ao contexto. Quem anda ocioso, tende a andar, falar e agir de forma desconexa. A mente vazia aponta para o mal. Alguns afirmam ser oficina do Diabo. O andar ocioso aqui não se refere àqueles que estão desempregados por uma contingência da vida, qualquer um pode passar por isso. Alguns irmãos em Tessalônica, como já fora dito em outro momento, por terem uma percepção errônea quanto à Vinda de Cristo, deixaram deliberadamente de trabalhar, passando a dar trabalho. Esse é o problema. Devemos tratá-los como irmãos sim, advertindo-os quanto a sua postura, sem, contudo, nos juntar a eles em suas posições, nem tão pouco facilitar as coisas para que continuem em seu andar trôpego e desordenado. Quantos crentes têm agindo assim, o único “dom” que praticam é o de “língua comprida”. Ninguém escapa a ação devastadora desse falar injurioso. Esses irmãos são insatisfeitos, preguiçosos, maledicentes, desrespeitosos às autoridades, críticos e chegam a distorcer as Escrituras para respaldar suas ações. Creio que o Senhor concede a cada um de nós dons e talentos para atuarmos nas diversas áreas da vida, nada para nós é de todo secular, antes, tudo dever um caráter sagrado. Já não somos de nós mesmos. E “Tudo quanto fizemos devemos fazer de todo o coração COMO para o Senhor e não para homens”! Vigiemos o nosso próprio andar, pois há aqueles que seguem os nossos passos, quer queiramos ou não! É pecado julgar, mas não, discernir para corrigir com espírito de brandura! Firmemo-nos em Cristo, a Rocha Eterna! Nadia Malta.
                        

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Sermão/Pra. Nadia Malta/CUIDADO, O MISTÉRIO DA INIQUIDADE JÁ OPERA! II Tessalonicenses 2.1-12.

CUIDADO, O MISTÉRIO DA INIQUIDADE JÁ OPERA! II Tessalonicenses 2.1-12.



O que aprendemos aqui, especialmente para ser aplicado em nossos dias?
  1. Jesus vem. Isto é fato determinado desde tempos eternos. Ninguém sabe quando será esse dia reservado apenas para o conhecimento do próprio Deus e Ele não o revelou a seres humanos.
  2. O mistério da iniquidade já opera há muito. Contudo ainda não manifestou a sua total ação. Porque o Espírito do Senhor ainda o detém. Quando a igreja for levada da terra essa ação maligna alcançará a sua plenitude.
  3. O perverso (O Anticristo, o homem da iniquidade) será revelado mostrando sinais e prodígios da mentira segundo a eficácia de Satanás. Por isso fomos avisados a ter discernimento. Nem todo sobrenatural procede de Deus. Portanto cuidado! Todos os que rejeitaram ao Senhor cairão no engano do maligno.
  4. Não tiremos os olhos do Senhor e de seus ensinos por meio da Santa Palavra de Deus. Ponha à prova o que você ouve. Confira coisas espirituais com espirituais.
  5. Antes da Vinda do Senhor virá a apostasia, a negação de tudo que se refere ao Senhor e a sua obra. E em seguida a manifestação do próprio Anticristo. Que o Senhor nos conceda graça e discernimento para entender todas essas coisas.



Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE POR SUA FIDELIDADE NOS FORTALECE E GUARDA DO MALIGNO! 

Finalmente, irmãos, orem por nós, para que a palavra do Senhor se propague rapidamente e receba a honra merecida, como aconteceu entre vocês. Orem também para que sejamos libertos dos homens perversos e maus, pois a fé não é de todos. Mas o Senhor é fiel; ele os fortalecerá e os guardará do Maligno. Confiamos no Senhor que vocês estão fazendo e continuarão a fazer as coisas que lhes ordenamos. O Senhor conduza os seus corações ao amor de Deus e à perseverança de Cristo”. 2 Tessalonicenses 3:1-5. 



Paulo pede oração aos tessalonicenses para que a Palavra de Deus alcance a muitos. Essa deve ser a oração contínua de um verdadeiro filho de Deus. Contudo, ele pede também para ser liberto dos homens maus e perversos, pois “a fé não é de todos”. Aqui ele fala dessa ação perversa dentro da comunidade. Nem todo o que diz Senhor, Senhor é de fato Dele. O adversário tem seus agentes infiltrados dentro das comunidades falando como crentes, manifestando dons carismáticos com seus cacoetes para impressionar os tolos, mas estão ali para enganar, seduzir, para caçar almas e para se opor à obra de Deus. E fazem isto de maneira absolutamente dissimulada, se prevalecem da falta de sabedoria e discernimento para convencer com suas manifestações supostamente sobrenaturais os que se deixam seduzir. Estejamos atentos, isto acontecia no passado e também em nossos dias. Dons não testificam de espiritualidade, mas o Fruto do Espírito, que deve ser marca de todo cristão genuíno! Procuremos desenvolver o Fruto, os verdadeiros dons serão dados à medida que a edificação da igreja exige. Que “O Senhor conduza os nossos corações ao amor de Deus e à perseverança de Cristo”. Sigamos em frente sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel e breve virá nos buscar! Confiemos, pois, quer vivamos quer morramos, estamos guardados Nele! Nadia Malta

domingo, 26 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMOU A ETERNA CONSOLAÇÃO E BOA ESPERANÇA POR SUA GRAÇA! 


Mas nós, devemos sempre dar graças a Deus por vocês, irmãos amados pelo Senhor, porque desde o princípio Deus os escolheu para serem salvos mediante a obra santificadora do Espírito e a fé na verdade. Ele os chamou para isso por meio de nosso evangelho, a fim de tomarem posse da glória de nosso Senhor Jesus Cristo. Portanto, irmãos, permaneçam firmes e apeguem-se às tradições que lhes foram ensinadas, quer de viva voz, quer por carta nossa. Que o próprio Senhor Jesus Cristo e Deus nosso Pai, que nos amou e nos deu eterna consolação e boa esperança pela graça, dê ânimo aos seus corações e os fortaleça para fazerem sempre o bem, tanto em atos como em palavras”. 2 Tessalonicenses 2:13-17. 


A eterna consolação do Senhor bem como a sua boa esperança concedida a nós pela graça, nos fortalece a ter sempre bom ânimo para fazer o bem tanto em atos como em palavras. Esta é uma palavra de encorajamento para os abatidos de todas as épocas. Em Cristo somos reanimados a continuar a jornada à despeito das oposições ou perseguições que possam se levantar contra nós. Temos Cristo em nós que é a esperança da glória. Alias, Paulo afirma aqui que o Senhor  nos chama a tomarmos posse de sua glória. Não sabemos o que nos reserva o futuro, mas sabemos quem nos espera lá: JESUS CRISTO NOSSO SOBERANO SENHOR! Ele é tanto o Caminho quanto Destino final! Portanto, ergamos as nossas cabeças, pois a nossa redenção se aproxima. Aquele Dia Bendito quando Ele virá buscar os seus está cada vez mais próximo! Não nos deixemos embaraçar pelas coisas terrenas, oremos e vigiemos, vivamos uma vida de santidade na presença do nosso Pai. Venha o que ou quem  vier Ele estará conosco por todos os nossos dias vidas. Que Ele derrame graça sobre graça em nossas vidas para que perseveremos em esperança em meio à carreira à nós proposta! Creiamos mesmo contra a esperança ou expectativa humana. Temos a Esperança Viva que é o Cristo! Sigamos Nele sem vacilar! Nadia Malta.

                

sábado, 25 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta


JESUS, AQUELE QUE NOS ALERTA QUANTO AO MISTÉRIO DA INIQUIDADE JÁ EM AÇÃO!


 “Irmãos, quanto à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nosso reencontro com ele, rogamos a vocês que não se deixem abalar nem alarmar tão facilmente, quer por profecia, quer por palavra, quer por carta supostamente vinda de nós, como se o dia do Senhor já tivesse chegado. Não deixem que ninguém os engane de modo algum. Antes daquele dia virá a apostasia e, então, será revelado o homem do pecado, o filho da perdição. Este se opõe e se exalta acima de tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, a ponto de se assentar no santuário de Deus, proclamando que ele mesmo é Deus. Não se lembram de que quando eu ainda estava com vocês costumava lhes falar essas coisas? E agora vocês sabem o que o está detendo, para que ele seja revelado no seu devido tempo. A verdade é que o mistério da iniquidade já está em ação, restando apenas que seja afastado aquele que agora o detém. Então será revelado o perverso, a quem o Senhor Jesus matará com o sopro de sua boca e destruirá pela manifestação de sua vinda. A vinda desse perverso é segundo a ação de Satanás, com todo o poder, com sinais e com maravilhas enganadoras. Ele fará uso de todas as formas de engano da injustiça para os que estão perecendo, porquanto rejeitaram o amor à verdade que os poderia salvar. Por essa razão Deus lhes envia um poder sedutor, a fim de que creiam na mentira, e sejam condenados todos os que não creram na verdade, mas tiveram prazer na injustiça”. 2 Tessalonicenses 2:1-13.


 Paulo aqui corrige um engano trazido por uma epístola supostamente escrita por ele falando da Segunda Vinda de Cristo, como se já tivesse acontecido. O verdadeiro ensino acerca desse evento já havia sido dado por ele sem nada a acrescentar sobre o assunto. Como em todas as épocas, naqueles dias também apareceram os pregoeiros da mentira. Percebemos essa tendência não apenas em termos espirituais e teológicos, mas em todas as áreas que afetam o homem. Paulo além de corrigir o falso ensino confronta aqueles irmãos ratificando seu verdadeiro ensino. VERDADE x MENTIRA, um duelo ancestral. No que tange aos filhos de Deus nada é secular, tudo tem um caráter sagrado, pois a nossa vida é regida por Aquele que nos comprou por preço de sangue. Por isso devemos ter cuidado com as nossas escolhas, pois, podemos nos tornar irremediavelmente escravos delas! Contudo, tem faltado discernimento e nos deixamos levar facilmente pelo engano, somos seduzidos pela mentira com muita facilidade. Como diria um velho tio: “Somos fracos pra pegar amizade!”.  Ou seja, qualquer um que se achegue a nós com palavras de lisonja ou mesmo enrole a língua num falar desconexo, este é espiritual para nós. Cadê o discernimento? Quão tolos temos sido! Esquecemos que crer é também pensar. “Prudência e caldo de galinha não fazem mal a ninguém” como diria o velho ditado! A nossa passionalidade tem nos levado a abismos cada vez mais profundos em todas as áreas. O mistério da iniquidade é antigo e já age no mundo desde a queda de Adão. E o alvo de sua ação são os filhos da Luz, porque os filhos das trevas já seguem seus ditames. Só os que não são do Senhor, embora militem visivelmente em suas fileiras, darão crédito ao engano e à operação da mentira. Que o Senhor tenha misericórdia de nós e nos abra os olhos. Nadia Malta

                                                                                                                                               

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta


JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA À FÉ E À PERSEVERANÇA EM MEIO ÀS TRIBULAÇÕES!


 “Irmãos, devemos sempre dar graças a Deus por vocês; e isso é apropriado, porque a fé que vocês têm cresce cada vez mais, e muito aumenta o amor que todos vocês têm uns pelos outros. Por esta causa nos gloriamos em vocês entre as igrejas de Deus pela perseverança e fé que mostram em todas as perseguições e tribulações que vocês estão suportando. Elas dão prova do justo juízo de Deus, que deseja que vocês sejam considerados dignos do seu Reino, pelo qual vocês também estão sofrendo. É justo da parte de Deus retribuir com tribulação aos que lhes causam tribulação, e dar alívio a vocês, que estão sendo atribulados, e a nós também. Isso acontecerá quando o Senhor Jesus for revelado lá do céu, com os seus anjos poderosos, em meio a chamas flamejantes. Ele punirá os que não conhecem a Deus e os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus. Eles sofrerão a pena de destruição eterna, a separação da presença do Senhor e da majestade do seu poder. Isso acontecerá no dia em que ele vier para ser glorificado em seus santos e admirado em todos os que creram, inclusive vocês que creram em nosso testemunho. Conscientes disso, oramos constantemente por vocês, para que o nosso Deus os faça dignos da vocação e, com poder, cumpra todo bom propósito e toda obra que procede da fé. Assim o nome de nosso Senhor Jesus será glorificado em vocês, e vocês nele, segundo a graça de nosso Deus e do Senhor Jesus Cristo”. 2 Tessalonicenses 1:3-12. 


O apóstolo Paulo elogia aqueles irmãos por estarem firmes na fé e na perseverança em meio às perseguições e tribulações sofridas. O Senhor nos tem chamado a agir de igual modo, especialmente nesses dias que antecedem a Segunda Vinda, nos quais ser cristão nos coloca no olho de furacões. As perseguições têm sido grandes e devastadoras. No oriente essas perseguições se tornaram institucionais, vem dos governos. Por enquanto, a igreja ocidental ainda tem experimentado certa liberdade de ir e vir, bem como de anunciar o Santo Evangelho. Mas a hora vem em que isto não será mais possível. John Piper diz: “crentes fracos não resistirão aos dias que virão!”. Concordo com ele em sua afirmação. Os crentes contemporâneos em sua maioria não estão dispostos a viver e morrer pelo Cristo e sua obra, por tudo e por nada se abandona o caminho ou mesmo fazendo parte do rol da igreja visível, se faz alianças perigosas com as trevas para garantir a própria segurança. O que o apóstolo Paulo diria se pudesse ver a igreja da pós-modernidade? O que Jesus sente ao olhar para nós e nos ver divididos em nosso pensar em relação às coisas essenciais e inegociáveis? A cada dia Ele nos chama a um andar concordemente e ao exercício da fé e da perseverança, mesmo à despeito dos percalços do caminho. Felizmente em todas as épocas há um remanescente fiel que persevera na fé e na Palavra da Verdade. Em qual feixe estamos atados, no feixe dos infiéis ou dos fiéis? Que sejamos encontrados dignos da soberana vocação! Nadia Malta


quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A SER ENCONTRADOS IRREPREENSÍVEIS NA SUA VINDA! 


Agora lhes pedimos, irmãos, que tenham consideração para com os que se esforçam no trabalho entre vocês, que os lideram no Senhor e os aconselham. Tenham-nos na mais alta estima, com amor, por causa do trabalho deles. Vivam em paz uns com os outros. Exortamos vocês, irmãos, a que advirtam os ociosos, confortem os desanimados, auxiliem os fracos, sejam pacientes para com todos. Tenham cuidado para que ninguém retribua o mal com o mal, mas sejam sempre bondosos uns para com os outros e para com todos. Alegrem-se sempre. Orem continuamente. Deem graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus. Não apaguem o Espírito. Não tratem com desprezo as profecias, mas ponham à prova todas as coisas e fiquem com o que é bom. Afastem-se de toda forma de mal. Que o próprio Deus da paz os santifique inteiramente. Que todo o espírito, alma e corpo de vocês seja conservado irrepreensível na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. Aquele que os chama é fiel, e fará isso. Irmãos, orem por nós. Saúdem todos os irmãos com beijo santo. Responsabilizo-os diante do Senhor para que esta carta seja lida a todos os irmãos. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com vocês”. 1 Tessalonicenses 5:12-28.


 Paulo finda sua primeira carta àqueles irmãos trazendo uma série de preceitos práticos para um viver irrepreensível na presença de Deus e dos homens. Ele os chama a ter consideração pelos líderes espirituais que se doam ao trabalho na obra de Deus. Mais uma vez, não creio que o texto se refira a coisas materiais, como muitos interpretam, mas ao tratamento respeitoso devido aos que nos lideram no Senhor. Há aqui uma chamada à responsabilidade de uns para com os outros, nota que, aliás, permeia toda a epístola. Que o Senhor nos faça solidários e não curiosos no trato com os irmãos e suas dificuldades. Há uma tendência de nos preocuparmos apenas com os nossos próprios problemas e ainda usamos a desculpa esfarrapada de não querermos ser invasivos. Pois, sejamos invasivos sim, se o que está em jogo é o bem do nosso próximo. Confortemos, auxiliemos, advirtamos, animemos uns aos outros. Façamos isto incansavelmente. Somos encorajados aqui a nos alegrar sempre, a orar sem cessar e ao exercício das ações de graças em todas as circunstancias. As três ações ordenadas pelo apóstolo são sobrenaturais, não dependem das circunstancias. A alegria mencionada é pelo que já recebemos e temos em Cristo. A oração contínua não sugere uma reclusão para nos dedicarmos à oração, há momentos para isto, mas uma sintonia com o Trono da Graça de modo contínuo. Exercitar as ações de graças aprendendo a enxergar através do véu denso das dificuldades. De todos os modos elas cooperarão para o nosso bem, pois são formões de Deus para nos esculpir e tornar mais parecidos com o Cristo. Que possamos dar liberdade ao Santo Espírito como dono da casa espiritual, a qual somos nós. Que o Senhor nos conceda a capacidade de discernir quando algo vem dele ou não. Que nos afastemos de toda forma de mal, até o mal que vem travestido de bem. Este é o mais perigoso. Que sejamos fortalecidos e assistidos pela graça que salva, firma, fortalece e sustenta. Nadia Malta.


quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA À VIGILÂNCIA, POIS SUA VINDA É CERTA E REPENTINA! 


Irmãos, quanto aos tempos e épocas, não precisamos escrever-lhes, pois vocês mesmos sabem perfeitamente que o dia do Senhor virá como ladrão à noite. Quando disserem: "Paz e segurança", então, de repente, a destruição virá sobre eles, como dores à mulher grávida; e de modo nenhum escaparão. Mas vocês, irmãos, não estão nas trevas, para que esse dia os surpreenda como ladrão. Vocês todos são filhos da luz, filhos do dia. Não somos da noite nem das trevas. Portanto, não durmamos como os demais, mas estejamos atentos e sejamos sóbrios; pois os que dormem, dormem de noite, e os que se embriagam, embriagam-se de noite. Nós, porém, que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo a couraça da fé e do amor e o capacete da esperança da salvação. Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para recebermos a salvação por meio de nosso Senhor Jesus Cristo. Ele morreu por nós para que, quer estejamos acordados quer dormindo, vivamos unidos a ele. Por isso, exortem-se e edifiquem-se uns aos outros, como de fato vocês estão fazendo”. 1 Tessalonicenses 5:1-12. 



É, os dias são maus, como tão bem disse o apóstolo Paulo em outro momento. Todos os acontecimentos à nossa volta são ecos da Vinda do Grande e Temível Dia do Senhor! As palavras de ordem para os cristãos fiéis são preparação e vigilância. Ergamos as nossas cabeças que a nossa redenção se aproxima! Não, isto não é uma profecia como tantas que proliferam ao nosso redor, mas a constatação de fatos já preditos desde tempos antigos pelos santos apóstolos e profetas do Senhor do passado. O Senhor virá sem marcar datas ou mesmo horas. Sua vinda será repentina como um ladrão à noite, será de súbito. Por isso que a demanda por preparação e vigilância deve ser contínua. Como filhos da luz não nos embaracemos com aquilo que as trevas tão matreiramente propõem.  Sejamos sóbrios, nos voltemos para a Luz! Os movimentos humanistas por paz e segurança proliferam infrutiferamente, pois paz e segurança só são possíveis na pessoa do Cristo. As palavras do Senhor por meio de Paulo dão conta que a grande destruição virá repentinamente como sobrevém dores àquela que está para dar à luz. Revestidos da couraça da fé e do amor, ajustemos em nossas cabeças o capacete da esperança da nossa salvação para que aquele dia não nos apanhe como um laço. O texto usa a palavra dormir em dois sentidos aqui, primeiro o dormir como sinônimo de falta de vigilância, mas ao final o termo é usado como sinônimo da morte física. E é nesse último sentido que o apóstolo alerta: “. Ele morreu por nós para que, quer estejamos acordados quer dormindo, vivamos unidos a ele”. Que o Senhor nos Dê sabedoria para que entendamos todas essas coisas. Nadia Malta.  

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A COMPREENDER QUE NÃO PERDEMOS AQUELES QUE SABEMOS ONDE ESTÃO!


 “Irmãos, não queremos que vocês sejam ignorantes quanto aos que dormem, para que não se entristeçam como os outros que não têm esperança. Se cremos que Jesus morreu e ressurgiu, cremos também que Deus trará, mediante Jesus e juntamente com ele, aqueles que nele dormiram. Dizemos a vocês, pela palavra do Senhor, que nós, os que estivermos vivos, os que ficarmos até a vinda do Senhor, certamente não precederemos os que dormem. Pois, dada a ordem, com a voz do arcanjo e o ressoar da trombeta de Deus, o próprio Senhor descerá do céu, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois disso, os que estivermos vivos seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, para o encontro com o Senhor nos ares. E assim estaremos com o Senhor para sempre. Consolem-se uns aos outros com estas palavras”. I Tessalonicenses 4.13-18. 


Paulo traz aqui uma palavra consoladora em relação aos amados que haviam partido para a eternidade, deixando desolação no coração dos parentes que ficaram. O Senhor por meio do apóstolo abre aqui uma janela para o mundo espiritual, trazendo uma visão da situação dos que morreram em Cristo. Esta palavra serve para nós em nossos dias. Aprendemos com o texto que não perdemos aqueles que sabemos onde estão. O texto já começa com uma dura exortação para que seus leitores não se portem como os ignorantes em relação às coisas espirituais para que desesperançados, não sejam tomados de excessiva tristeza. O luto é lícito e tem o seu papel no processo terapêutico de recuperação de todos os que experimentam a dor desse afastamento temporário, contudo, não pode se transformar em algo paralisante. A morte, sabemos é uma amputação breve e momentânea. Logo nos encontraremos com os nossos queridos que partiram em Cristo. E quanto aos outros que partiram sem Cristo? Quanto a esses, o Senhor também entrará com a consolação de que precisarmos. Até porque deste lado da eternidade jamais saberemos o que acontece no apagar das luzes da vida física de uma pessoa. Por isso, como diria certo pastor, que ouvi pregar certa vez: “Teremos muitas surpresas no céu!” e acrescentou ainda: “Já imaginou chegar no céu e encontrar Costinha?” (aquele comediante super pornofônico, que morreu anos atrás). O dito comediante entregou a sua vida a Cristo pela instrumentalidade do seu filho, pastor, no leito de UTI. O que dizer dos suicidas da Ponte de São Francisco na Califórnia, que ao cair tiveram um encontro com o Cristo vivo e antes de morrer tiveram tempo de testemunhar? Consolemo-nos com estas palavras e não sejamos pretensiosos quanto aos nossos julgamentos em relação aos que partiram. Só o Senhor sabe! Que tenhamos grandes surpresas na eternidade! Nadia Malta.
                                         


segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta


JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA À PRATICA DO AMOR FRATERNAL E AO BOM TESTEMUNHO! 


Quanto ao amor fraternal, não precisamos escrever-lhes, pois vocês mesmos já foram ensinados por Deus a se amarem uns aos outros. E, de fato, vocês amam a todos os irmãos em toda a Macedônia. Contudo, irmãos, insistimos com vocês que cada vez mais assim procedam. Esforcem-se para ter uma vida tranquila, cuidar dos seus próprios negócios e trabalhar com as próprias mãos, como nós os instruímos; a fim de que andem decentemente aos olhos dos que são de fora e não dependam de ninguém”. 1 Tessalonicenses 4:9-13. 



Prática do amor fraternal tanto é ação para outros quanto o exemplo que damos. Ali, naquela igreja havia alguns irmãos que andavam ociosos e até mesmo desordenadamente, por uma percepção equivocada quanto a Segunda Vinda do Senhor. Eles achavam que não valia a pena trabalhar ou fazer qualquer outra coisa com vistas ao sustento ou mesmo ao futuro, pois Jesus voltaria logo e os levaria consigo. Uma vez ouvi um pensamento que dizia mais ou menos assim: “Viva de modo vigilante e digno como se Jesus voltasse agora. Trabalhe produza, como se Ele não fosse voltar tão cedo!”. Sabemos da volta do Senhor como algo real e esperado por nós, contudo, precisamos nos preparar para aquele dia e hora vivendo uma vida de santidade, amor ao próximo, testemunho e serviço. Aqui o Senhor nos chama à prática do amor fraternal, como também nos alerta a não sermos pedras de tropeço aos que estão lá fora. Como crentes em Cristo somos obervados em todo o tempo. Seremos cobrados pelo testemunho que damos tanto aos de dentro quanto aos de fora. Em casa leiamos e meditemos na Bíblia, lá fora sejamos a Bíblia com nossos atos e posturas. Atentemos para isto! Nadia Malta

                                          

domingo, 19 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA CRESCER NA PRÁTICA DA SANTIDADE!


Quanto ao mais, irmãos, já os instruímos acerca de como viver a fim de agradar a Deus e, de fato, assim vocês estão procedendo. Agora lhes pedimos e exortamos no Senhor Jesus que cresçam nisso cada vez mais. Pois vocês conhecem os mandamentos que lhes demos pela autoridade do Senhor Jesus. A vontade de Deus é que vocês sejam santificados: abstenham-se da imoralidade sexual. Cada um saiba controlar o próprio corpo de maneira santa e honrosa, não com a paixão de desejo desenfreado, como os pagãos que desconhecem a Deus. Neste assunto, ninguém prejudique a seu irmão nem dele se aproveite. O Senhor castigará todas essas práticas, como já lhes dissemos e asseguramos. Porque Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade. Portanto, aquele que rejeita estas coisas não está rejeitando o homem, mas a Deus, que lhes dá o seu Espírito Santo”. 1 Tessalonicenses 4:1-8. 


Ao final do capítulo três Paulo, faz uma oração pedindo que os irmãos tenham seus corações confirmados em santidade. Ou seja, ele pede que aqueles irmãos experimentem uma santa compulsão por um agir de modo santo. Agora ele segue de maneira mais prática a exortar seus leitores a uma vida prática de santidade. Isto só é possível a partir de um espírito regenerado pelo Santo Espírito. A nova criatura tendo o coração confirmado em santidade mediante o testemunho interno do Santo Espírito está habilitada a um andar para Deus. O que seria impossível no trato passado. Só no Senhor podemos matar a carne de fome no tocante às suas inclinações. O Senhor Jesus por meio de seus santos instrumentos nos chama a um andar que lhe agrade. Paulo traz os holofotes celestiais para o uso que fazemos do próprio corpo, podemos aplicar a todas as áreas de nossas inclinações, mas ele é bem específico quanto às questões ligadas à sexualidade. Nosso corpo é santuário do Espírito de Deus que habita em nós. Não somos de nós mesmos, fomos comprados com preço de sangue. Somos de Deus por meio de Cristo. O que temos feito com nosso corpo? Por falta de vigilância abraçamos o padrão do mundo e pagamos um alto preço por isto. A única inclinação que temos licença de praticar é a santa compulsão por agradar ao Senhor! Vontade de Deus é inegociável! Isto em todas as áreas. Separemo-nos para o Senhor! Nadia Malta



sábado, 18 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A FORTALECER E CONFIRMAR O NOSSO CORAÇÃO EM SANTIDADE! 


Que o próprio Deus, nosso Pai, e nosso Senhor Jesus preparem o nosso caminho até vocês. Que o Senhor faça crescer e transbordar o amor que vocês têm uns para com os outros e para com todos, a exemplo do nosso amor por vocês. Que ele fortaleça os seus corações para serem irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus com todos os seus santos”. I Tessalonicenses 3.11-13.



 A palavra santidade encerra nos dicionários significados que estão anos luz de  distancia do  sentido bíblico. Aplica-se santidade à impecabilidade, o que não pode ser mais impróprio. Toda vez que encontramos a palavra santo e seus derivados nos escritos bíblicos, ela nos remete a uma separação daquilo que o mundo e nossa carne consideram normal. Fomos chamados, alcançados, eleitos para um viver separado para Deus, não mais para nós mesmos ou para o mundo. No momento em que somos salvos por meio de Cristo Jesus, nos tornamos santos posicionalmente, ou seja, fomos separados para Deus. É o ponto de partida para o processo santificador que vai até fecharmos os olhos sobre a terra. Esta é a santificação progressiva que culminará com a santificação perfectiva ou glorificação que acontecerá na Segunda Vinda do Senhor! Na sua oração o apóstolo Paulo ora ao Senhor pelos cristãos tessalonicenses para que eles transbordem em amor uns pelos outros e para com todos, bem como tenham seus corações confirmados e fortalecidos em santidade. Sabemos que este andar em separação do mundo não é uma coisa fácil. Contudo, o ponto de partida para atingirmos essa condição é ter um coração confirmado em santidade. Em outras palavras, que haja em nós uma santa compulsão para fazer o que agrada a Deus! Nadia Malta.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta


JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A EXERCITAR O QUE APRENDEMOS DELE! 


Por isso, quando não pudemos mais suportar, achamos por bem permanecer sozinhos em Atenas e, assim, enviamos Timóteo, nosso irmão e cooperador de Deus no evangelho de Cristo, para fortalecê-los e dar-lhes ânimo na fé, para que ninguém seja abalado por essas tribulações. Vocês sabem muito bem que fomos designados para isso. Quando estávamos com vocês, já lhes dizíamos que seríamos perseguidos, o que realmente aconteceu, como vocês sabem. Por essa razão, não suportando mais, enviei Timóteo para saber a respeito da fé que vocês têm, a fim de que o tentador não os seduzisse, tornando inútil o nosso esforço. Agora, porém, Timóteo acaba de chegar da parte de vocês, dando-nos boas notícias a respeito da fé e do amor que vocês têm. Ele nos falou que vocês sempre guardam boas recordações de nós, desejando ver-nos, assim como nós queremos vê-los. Por isso, irmãos, em toda a nossa necessidade e tribulação temos bom ânimo a seu respeito, por sabermos da sua fé; pois agora vivemos, visto que vocês estão firmes no Senhor. Como podemos ser suficientemente gratos a Deus por vocês, por toda a alegria que temos diante dele por causa de vocês? Noite e dia com perseverança oramos para que possamos vê-los pessoalmente e suprir o que falta à sua fé”. 1 Tessalonicenses 3:1-10. 



Paulo havia prevenido os crentes à respeito das muitas tribulações que ele mesmo teria que passar por causa do evangelho. Agora distante, ele se preocupa com a reação daqueles irmãos face às lutas que ele enfrentava. Percebemos que a inclinação de achar que enquanto cristãos não passamos por lutas é antiga. O apóstolo em seu zelo tratou logo de sanar aquele problema lembrando aos seus filhos espirituais ali em Tessalônica que ele mesmo havia sido levantado para testemunhar em meio ao martírio. Aliás, martírio é um dos dons de Deus mais indesejados. Afinal, ninguém gosta de sofrer! Esquecemos que quando somos chamados para ministrar a outros no meio dele, o Senhor nos reveste de força e nos capacita para fazê-lo. Timóteo, o delegado apostólico de Paulo naquela missão volta com boas novas acerca da firmeza na fé daqueles irmãos, que alentam o seu coração aflito. Aquilo que aprendemos de Deus, devemos exercitar. A hora da prática das instruções recebidas sempre chega. Foi assim no passado, é assim hoje. As instruções do Senhor através dos escritos deixados pelos seus inúmeros instrumentos continuam ecoando para a nossa edificação espiritual e sinalizam o Caminho para que andemos nele em segurança. O Caminho é estreito, sinuoso, íngreme. Nele encontramos vales áridos, desfiladeiros e desertos abrasadores. Contudo, o próprio Senhor que é tanto a jornada quanto o destino, nos sustenta pela mão para que completemos a carreira proposta. Nadia Malta

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta


JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A TER ZELO PELOS IRMÃOS EM CRISTO! 


Nós, porém, irmãos, privados da companhia de vocês por breve tempo, em pessoa, mas não no coração, esforçamo-nos ainda mais para vê-los pessoalmente, pela saudade que temos de vocês. Quisemos visitá-los. Eu mesmo, Paulo o quis, e não apenas uma vez, mas duas; Satanás, porém, nos impediu. Pois quem é a nossa esperança, alegria ou coroa em que nos gloriamos perante o Senhor Jesus na sua vinda? Não são vocês? De fato, vocês são a nossa glória e a nossa alegria”. 1 Tessalonicenses 2:17-20. 


O apóstolo Paulo não brinca com a irmandade, muito pelo contrário, tanto age energicamente quando necessário, quanto trata a todos terna e amorosamente, demonstrando sua saudade dos que estavam ausentes. Em seu zelo doutrinário e apostólico como um verdadeiro pai espiritual se preocupa em saber como andam os irmãos por ele alcançados. Não seria assim que deveríamos fazer em relação àqueles aos quais ministramos a santa Palavra de Deus? Paulo não agia desta maneira com o fim de se apossar daquelas ovelhas num jugo opressor, pois tinha a consciência de que elas pertenciam ao Cristo. Ele queria saber do seu progresso espiritual, saber o resultado da semeadura que ele fizera naqueles corações. O amor pela irmandade tem o formato da cruz e estamos eternamente ligados pelo seu vínculo! Que o Senhor coloque igualmente em nossos corações tal zelo e mesmo que o adversário tente nos impedir, não desistamos dos amados em Cristo. Nadia Malta

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A UM PROCEDER FIEL EM MEIO ÀS TRIBULAÇÕES! 


Também agradecemos a Deus sem cessar, pois, ao receberem de nossa parte a palavra de Deus, vocês a aceitaram não como palavra de homens, mas segundo verdadeiramente é, como palavra de Deus, que atua com eficácia em vocês, os que creem. Porque vocês, irmãos, tornaram-se imitadores das igrejas de Deus em Cristo Jesus que estão na Judéia. Vocês sofreram da parte dos seus próprios conterrâneos as mesmas coisas que aquelas igrejas sofreram da parte dos judeus, que mataram o Senhor Jesus e os profetas, e também nos perseguiram. Eles desagradam a Deus e são hostis a todos, esforçando-se para nos impedir que falemos aos gentios, e estes sejam salvos. Dessa forma, vão sempre completando a medida dos seus pecados. Sobre eles, finalmente, veio a ira”. 1 Tessalonicenses 2:13-17.


 O apóstolo Paulo elogia os crentes em Tessalônica por seu procedimento fiel em meio às tribulações pelas quais passaram. Embora, tenha havido por parte de muitos uma tendência a sair do caminho ouvindo muitas vozes que não procediam de Deus, um remanescente permaneceu firme na Palavra de Deus no meio de suas muitas lutas. Percebemos aqui que a inclinação de prestar atenção às tradições e as doutrinas humanas, especialmente em meio às lutas, é antiga. Tendemos, enquanto humanos, a fugir do sofrimento e muitas vezes buscamos refúgios em palavras, direções ou mesmo preceitos que não procedem de Deus, mas de corações sinceramente equivocados que querem pela carne aliviar o sofrimento. Essas direções embora muitas vezes não venham diretamente do adversário, são usadas por ele para nos distrair a atenção dos próprios preceitos de Cristo e de sua pessoa.  O apóstolo agradece ao Senhor pela postura daqueles irmãos ao receberem a palavra trazida por ele como palavra do próprio Deus. A Palavra quando vem de Deus atua com eficácia no coração daqueles que creem diferentemente daquilo que procede de homens. Que no meio de nossas lutas mais renhidas possamos estar focados no Cristo, sem nos deixar levar por palavras, preceitos ou direções daqueles que estão ao nosso redor e na “melhor das boas intenções” carnais querem nos aliviar o sofrimento. Deixemos que Cristo tome a dianteira e nos dê o alívio, que de fato precisamos! Nadia Malta

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A TESTEMUNHAR DE MODO SANTO, JUSTO E IRREPRENSÍVEL, MESMO COM PREJUÍZO PRÓPRIO! 


“Irmãos, vocês mesmos sabem que a visita que lhes fizemos não foi inútil.  Apesar de termos sido maltratados e insultados em Filipos, como vocês sabem, com a ajuda de nosso Deus tivemos coragem de anunciar-lhes o evangelho de Deus, em meio a muita luta. Pois nossa exortação não tem origem no erro nem em motivos impuros, nem temos intenção de enganá-los; pelo contrário, como homens aprovados por Deus, a ponto de nos ter sido confiado por ele o evangelho, não falamos para agradar a pessoas, mas a Deus, que prova os nossos corações. Vocês bem sabem a nossa linguagem nunca foi de bajulação nem de pretexto para ganância; Deus é testemunha. Nem buscamos reconhecimento humano, quer de vocês quer de outros. Embora, como apóstolos de Cristo, pudéssemos ter sido um peso, tornamo-nos bondosos entre vocês, como uma mãe que cuida dos próprios filhos. Sentindo, assim, tanta afeição por vocês, decidimos dar-lhes não somente o evangelho de Deus, mas também a nossa própria vida, porque vocês se tornaram muito amados por nós. Irmãos, certamente vocês se lembram do nosso trabalho esgotante e da nossa fadiga; trabalhamos noite e dia para não sermos pesados a ninguém, enquanto lhes pregávamos o evangelho de Deus. Tanto vocês como Deus são testemunhas de como nos portamos de maneira santa, justa e irrepreensível entre vocês, os que creem. Pois vocês sabem que tratamos cada um como um pai trata seus filhos, exortando, consolando e dando testemunho, para que vocês vivam de maneira digna de Deus, que os chamou para o seu Reino e glória”. 1 Tessalonicenses 2:1-12.



 A vida de um servo de Deus nesta terra não é nada fácil, especialmente os que se desgastam na obra do Senhor. Paulo é um exemplo disto, embora andasse santa, justa e irrepreensivelmente, era de todos os modos ultrajado, caluniado e perseguido tanto por gentios quanto por seus patrícios judeus. O que nos faz imaginar que conosco as coisas sejam diferentes? Quanto mais nos aproximamos da Segunda Vinda, mais e mais precisamos estar preparados para viver e morrer por Cristo e sua obra. Contudo, é imprescindível um viver testemunhal de nossa parte. Este viver implica em andar em santidade perante Deus, de forma justa perante o mundo e de maneira irrepreensível perante os irmãos. Esta palavra se aplica a todos, mas especialmente aos ministros de Deus. Andemos como filhos da Luz, de modo digno e equilibrado! Somos chamados a não nos inclinar para esquerda ou para a direita, mas sempre buscando o equilíbrio. A moderação em tudo é boa e se aplica a todas as áreas de nossa vida. Tenhamos cuidado com as nossas escolhas diante de Deus, diante do mundo e diante dos irmãos. Somos observados por homens e por anjos. Anjos eleitos e anjos caídos. Não nos iludamos há uma grande plateia espiritual maligna que rege a plateia de homens para nos fustigar e torcer por nossa queda. Cabe a nós vigiarmos e orarmos sem cessar. O ministro de Deus é antes de tudo um servo Dele e está ao seu serviço, não pode ser idolatrado nem buscar enriquecimento próprio por meio do trabalho que faz para o Senhor. Testemunho não é o que dizemos, mas o que somos diante de Deus, do mundo e dos irmãos! Sejamos sóbrios e vigilantes! Nadia Malta

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A FÉ PERSEVERANTE E OPERANTE, AO AMOR ABNEGADO E À ESPERANÇA NELE!


Sempre damos graças a Deus por todos vocês, mencionando-os em nossas orações. Lembramos continuamente, diante de nosso Deus e Pai, o que vocês têm demonstrado: o trabalho que resulta da fé, o esforço motivado pelo amor e a perseverança proveniente da esperança em nosso Senhor Jesus Cristo. Sabemos, irmãos, amados de Deus, que ele os escolheu porque o nosso evangelho não chegou a vocês somente em palavra, mas também em poder, no Espírito Santo e em plena convicção. Vocês sabem como procedemos entre vocês, em seu favor. De fato, vocês se tornaram nossos imitadores e do Senhor; apesar de muito sofrimento, receberam a palavra com alegria que vem do Espírito Santo. E, assim, tornaram-se modelo para todos os crentes que estão na Macedônia e na Acaia. Porque, partindo de vocês, propagou-se a mensagem do Senhor na Macedônia e na Acaia. Não somente isso, mas também por toda parte tornou-se conhecida a fé que vocês têm em Deus. O resultado é que não temos necessidade de dizer mais nada sobre isso, pois eles mesmos relatam de que maneira vocês nos receberam, como se voltaram para Deus, deixando os ídolos a fim de servir ao Deus vivo e verdadeiro, e esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos: Jesus, que nos livra da ira que há de vir”. 1 Tessalonicenses 1:2-10. 



A Igreja de Tessalônica foi fundada durante a segunda viagem missionária de Paulo. Era uma igreja formada de gentios e judeus convertidos. O apóstolo envia-lhes de Corinto uma carta com o propósito de admoestá-los, exortá-los e consolá-los, devido as notícias trazidas por Timóteo. Em todas as épocas no meio do povo de Deus sempre houve um remanescente fiel e o apóstolo começa sua epístola louvando o proceder destes e no corpo da carta trata dos assuntos específicos trazidos a ele. Enquanto alguns irmãos ali estavam desconsolados por causa da morte de entes queridos, outros andavam ociosos por causa de uma percepção equivocada quanto à Vinda do Senhor, muitos se sentiam tentados à voltar a velha vida, fazendo duras críticas ao apóstolo e havia os que ansiavam por sua presença. Quando lemos esta epístola, é inevitável pensarmos: “Em qual das listas estaríamos nós arrolados, se vivêssemos naquela igreja?”. Graças a Deus encontramos crentes fiéis em todas as épocas. São homens e mulheres que se doam pela causa do Senhor. São operosos e perseverantes em sua fé. No amor, abnegados. Têm em Cristo a sua Esperança viva, não se importando com os sofrimentos presentes, pois têm seus olhos na eternidade gloriosa. São os que abandonaram os ídolos e se voltaram para o Deus Vivo e Verdadeiro! Insisto, em qual das listas somos encontrados? Meditemos sobre isto! Nadia Malta

domingo, 12 de outubro de 2014

Sermão/Pra. Nadia Malta/JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A SEMEAR PARA O ESPÍRITO!

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A SEMEAR PARA O ESPÍRITO!
Gálatas 6:6-10


O texto nos chama a três atitudes:
  1. Sejamos reconhecidos com aqueles que nos ministraram a palavra, deixemos que eles saibam que crescemos na graça e no conhecimento de Deus. Isto é algo excelente que deve ser partilhado.
  2. Cuidado com as nossas semeaduras. Não zombemos de Deus exigindo dele um fruto diferente das sementes que semeamos. Semente bendita produz fruto bendito. Semente maldita produz fruto maldito. Semear para o Espírito gera vida. Semear para a carne gera morte!
  3. Estejamos atentos às necessidades à nossa volta. Temos responsabilidade pessoal uns com os outros. Contudo, não queiramos ser sempre o outro na relação de mutualidade!

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A CARREGAR EM NOSSO CORPO AS SUAS MARCAS! 


Vejam com que letras grandes estou lhes escrevendo de próprio punho! Os que desejam causar boa impressão exteriormente, tentando obrigá-los a se circuncidarem, agem desse modo apenas para não serem perseguidos por causa da cruz de Cristo. Nem mesmo os que são circuncidados cumprem a lei; querem, no entanto, que vocês sejam circuncidados a fim de se gloriarem no corpo de vocês. Quanto a mim, que eu jamais me glorie, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, por meio da qual o mundo foi crucificado para mim, e eu para o mundo. De nada vale ser circuncidado ou não. O que importa é ser uma nova criação. Paz e misericórdia estejam sobre todos os que andam conforme essa regra, e também sobre o Israel de Deus. Sem mais, que ninguém me perturbe, pois trago em meu corpo as marcas de Jesus. Irmãos, que a graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com o espírito de vocês. Amém”. Gálatas 6:11-18. 



Alguns estudiosos das Escrituras neotestamentárias sustentam a afirmação de que Paulo fazia uso de alguém para escrever-lhe as cartas ditadas por ele, devido a sua enfermidade nos olhos. No entanto, esta, ele faz questão de dizer que escreveu de próprio punho e com letras grandes para que não houvesse nenhuma dúvida do seu conteúdo. Na sua exortação final aos irmãos da Galácia, Paulo faz um jogo de palavras usando a marca da circuncisão exigida pelos judaizantes aos gentios, em contraponto com as marcas de Cristo que ele carregava em seu corpo. Essas marcas eram evidenciadas pelo muito sofrimento enfrentado pelo apóstolo por amor ao evangelho. Paulo era alguém que andava na contramão do mundo, afirmando mesmo que estava crucificado para o mundo e o mundo para ele. Do que adiantava a marca exterior da circuncisão imposta pelos judaizantes, se eles mesmos não conseguiam guardar as exigências da Lei? O que na verdade, eles queriam era se vangloriar de ter conseguido passar por cima da autoridade paulina e convencer os gentios, com seus argumentos ameaçadoramente persuasivos, a se submeterem ao que eles apregoavam de maneira imperativa, ou seja, a circuncisão daqueles irmãos.  Paulo afirma que o que importa na verdade é ser nova criatura. Todos nós somos chamados pelo Senhor a carregar em nosso corpo as suas marcas. A verdadeira prosperidade do cristão está no fato, de que ele cheio do Espírito Santo pode suportar todas as coisas por amor ao seu Senhor que o fortalece. Somos assim, prósperos em Deus. Olhar para a vida dos santos do passado nos revigora a fé. Todos os que querem viver piedosamente sofrerão perseguições, rejeições, afrontas, calúnias, oposições, lutas externas e temores internos. Todas essas coisas deixam marcas em nosso corpo que testificam do Cristo em nós. Que o Senhor nos sustente a fé e o equilíbrio emocional derramando em nós graça sobre graça. Nadia Malta.

sábado, 11 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A SEMEAR PARA O ESPÍRITO! 


O que está sendo instruído na palavra partilhe todas as coisas boas com quem o instrui. Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. Pois o que o homem semear, isso também colherá. Quem semeia para a sua carne, da carne colherá destruição; mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá a vida eterna. E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos. Portanto, enquanto temos oportunidade, façamos o bem a todos, especialmente aos da família da fé”. Gálatas 6:6-10. 



A Lei da semeadura e colheita apresentada aqui pelo apóstolo Paulo, mostra o quão ordeira e implacável ela é. Só colhemos aquilo que plantamos. É impossível colher um fruto de uma semente diferente da qual plantamos. Somos livres para fazermos a nossa semeadura da forma que queremos, mas seremos escravos da colheita que produziremos. Aqui fica um alerta para todos nós, indistintamente! Se desejarmos uma colheita diferente, mudemos a semente que estamos usando em nossa semeadura. É simples assim. A primeira parte do versículo tem sido muito mal aplicada pelos divulgadores da teologia da prosperidade. Há da parte deles sempre uma aplicação a bens materiais partilhados por aqueles que estão debaixo de sua autoridade espiritual, para seu deleite. Contudo, embora seja justo acudir aqueles que se desgastam no ensino das escrituras nas horas de suas necessidades, creio que o partilhar aqui descrito vai muito mais além de coisas materiais. Há um partilhar implícito como resultado daquilo que foi semeado no coração de quem recebeu a Palavra. É alentador para um pastor, missionário, ou mestre ver o resultado do seu penoso trabalho frutificando para a glória do Pai. Saber que não trabalhamos ou semeamos em vão é gratificante. O tema recorrente neste texto é semeadura e colheita. No final Paulo chama seus leitores mais uma vez a responsabilidade de fazer o bem a todos, mas especialmente aos da família da fé. Fomos alcançados por Deus para as boas obras. Elas em si não salvam, mas testificam daquilo que se operou em nós. A fé nos justifica diante de Deus, as obras diante dos homens. Por isso, o apóstolo insiste: “Não nos cansemos de fazer (semear) o bem, ao seu tempo, ceifaremos!”. Semear para o Espírito produz vida! Semear para a carne produz morte! Nenhuma semeadura fica sem colheita! Há vários tipos de sementes, algumas frutificam logo, outras levam anos para dar seu fruto. Mas cedo ou tarde a colheita vem! Portanto, tenhamos cuidado com as sementes que temos semeado! Nadia Malta.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A LEVAR OS FARDOS UNS DOS OUTROS!


“Irmãos, se alguém for surpreendido em algum pecado, vocês, que são espirituais deverão restaurá-lo com mansidão. Cuide-se, porém, cada um para que também não seja tentado. Levem os fardos pesados uns dos outros e, assim, cumpram a lei de Cristo. Se alguém se considera alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo. Cada um examine os próprios atos, e então poderá orgulhar-se de si mesmo, sem se comparar com ninguém, pois cada um deverá levar a própria carga”. Gálatas 6:1-5.


 O apóstolo Paulo começa o capítulo final da epístola trazendo da parte do Senhor um chamado à responsabilidade pessoal de uns para com os outros nos momentos difíceis e especialmente nos de tropeços. O exercício dessa responsabilidade pessoal dever ser em mansidão e jamais na postura de algozes ou juízes. O próprio Paulo diz em outro momento “que aquele que pensa estar de pé veja que não caia!”. Cada um examine seus próprios atos. Ninguém se glorie de sua própria condição espiritual, qualquer um de nós está sujeito a tropeços e quedas! Assim, todos somos responsáveis por todos! Somos também chamados ao dever de nos auxiliarmos mutuamente na hora das provas. A nossa travessia por esta terra é marcada por muitas dificuldades. São os muitos fardos que surgem como consequência de vivermos num mundo caído. Quantas dificuldades, perdas, estreitas e vales nós temos que enfrentar! Carecemos da assistência da graça sustentadora e fortalecedora do Senhor, especialmente através da instrumentalidade dos irmãos à nossa volta. Como é importante uma mão estendida ou um “eu estou aqui” silencioso ao nosso lado na hora da dificuldade! Até mesmo aquele telefonema sem razão aparente, apenas pra dizer: “estou orando por você!” ou “lembrei de você, tá precisando de alguma coisa”?  No entanto, há aqueles que querem ser o outro o tempo todo na relação da mutualidade. Querem ser ouvidos, mas nunca ouvem. Querem ser auxiliados, mas nunca auxiliam. Querem uma mão estendida em sua direção, mas estão sempre com a sua recolhida. Querem sempre receber, mas nunca trazem nada para dar. São as eternas vítimas dentro das comunidades. Como a sepultura, jamais se satisfazem. Cuidado com esses! Muitas vezes são frutos da semeadura maldita do adversário para roubar a atenção e o auxílio que devemos dar aos verdadeiros necessitados! Busquemos de Deus discernimento para cada situação! Nadia Malta.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta



JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A ANDAR NO ESPÍRITO! 


“Por isso digo: vivam pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne. Pois a carne deseja o que é contrário ao Espírito; e o Espírito, o que é contrário à carne. Eles estão em conflito um com o outro, de modo que vocês não fazem o que desejam. Mas, se vocês são guiados pelo Espírito, não estão debaixo da lei. Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; idolatria e feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes. Eu os advirto, como antes já os adverti, que os que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei. Os que pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e os seus desejos. Se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito. Não sejamos presunçosos, provocando uns aos outros e tendo inveja uns dos outros”. Gálatas 5:16-26.  



O apóstolo Paulo inicia o capítulo cinco falando de liberdade. Ele se reporta a liberdade adquirida para nós por meio da obra redentora de Cristo na Cruz do Calvário. No contexto citado, ele diz a maneira eficaz de experimentarmos essa liberdade como filhos de Deus. Andar no Espírito é o meio de andarmos libertos de tudo aquilo que nos aprisionava no trato passado. Quem desfruta desse novo andar? Todos os regenerados, recriados por meio do Espírito Santo. Uma velha criatura não pode desfrutar de liberdade, pois está encerrada em condenação eterna. Vive à mercê de suas inclinações e não pode por sua própria força livrar-se delas. As obras da carne são manifestas e Paulo as lista neste final de capítulo em contraponto ao Fruto do Espírito também manifesto em seus nove aspectos naqueles que são do Senhor! O surgimento desses aspectos do Fruto do Espírito vai acontecendo na vida da Nova Criatura à medida que ela busca mais e mais encher-se da Palavra e do Espírito no seu andar diário. O Senhor ordena esse andar no Espírito, que a única maneira de não satisfazer as inclinações da carne. Andar sugere movimento. Parecemos com aqueles com os quais andamos. Há uma tendência nos meios cristãos de atribuir todos os atos das pessoas à ações puramente demoníacas, deixando o homem de fora, como se ele fosse um mero fantoche nas mãos do adversário. Esquecemos que carne é pó e pó é comida de demônio. Ele vem buscar seu alimento predileto fornecido abundantemente pela nossa natureza carnal. Ele não age à nossa revelia. Assim, uns criam animais de estimação outros têm uma criação de demônios alimentados por suas inclinações carnais listadas por Paulo neste texto. Andemos no Espírito, só assim seremos livres! Nadia Malta.        

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta

JESUS, AQUELE QUE NOS CHAMA A LIBERDADE! 


Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão. Ouçam bem o que eu, Paulo, lhes digo: Caso se deixem circuncidar, Cristo de nada lhes servirá. De novo declaro a todo homem que se deixa circuncidar que está obrigado a cumprir toda a lei. Vocês, que procuram ser justificados pela lei, separaram-se de Cristo; caíram da graça. Pois é mediante o Espírito que nós aguardamos pela fé a justiça que é a nossa esperança. Porque em Cristo Jesus nem circuncisão nem incircuncisão têm efeito algum, mas sim a fé que atua pelo amor. Vocês corriam bem. Quem os impediu de continuar obedecendo à verdade? Tal persuasão não provém daquele que os chama. "Um pouco de fermento leveda toda a massa". Estou convencido no Senhor de que vocês não pensarão de nenhum outro modo. Aquele que os perturba, seja quem for, sofrerá a condenação. Irmãos, se ainda estou pregando a circuncisão, por que continuo sendo perseguido? Nesse caso, o escândalo da cruz foi removido. Quanto a esses que os perturbam, quem dera que se castrassem! Irmãos, vocês foram chamados para a liberdade. Mas não usem a liberdade para dar ocasião à vontade da carne; pelo contrário, sirvam uns aos outros mediante o amor. Toda a lei se resume num só mandamento: "Ame o seu próximo como a si mesmo". Mas se vocês se mordem e se devoram uns aos outros, cuidado para não se destruírem mutuamente”. Gálatas 5:1-15. 


A carta aos Gálatas bem poderia ser chamada de Carta da liberdade. Aqui, convém a pergunta: liberdade para que mesmo? A nossa liberdade é baseada na obra redentora de Cristo que nos transportou do reino de trevas para o seu Reino de amor. O Senhor nos livrou de todo jugo da Lei. Ele levou cativo o próprio cativeiro. Ele nos livrou do peso e da culpa que nos esmagava, nos livrou da penalidade, do poder do pecado e das forças infernais. Tudo se fez novo! Fomos libertados e capacitados para vencer, já andamos em vitória por meio daquele que nos libertou! Aqui vale um grande e sonoro aleluia! Os judaizantes propunham uma circuncisão aos gentios, fazendo-os retroceder da liberdade já alcançada. Hoje é com tristeza que vemos o ressurgimento de práticas legalistas e ascéticas que escravizam o povo de Deus fazendo-o se submeter a jugos, que há muito tempo já foram quebrados por Cristo. A guarda de dias, meses e anos. O tal “não proves isto ou não manuseies aquilo”. Os usos e costumes opressores. Dentro das sociedades da época haviam cerimônias de castração, e por causa das exigências dos judaizantes Paulo lembra dessas cerimônias praticadas e deseja que fossem mutilados os que incitavam os crentes gentios à rebeldia contra o que a  graça já havia realizado. Embora o apóstolo se refira à liberdade que seus leitores tinham em Cristo, ele faz questão de ressaltar, que essa liberdade não é licença para pecar. Ela é limitada pelo amor de uns para com os outros. Somos servos uns dos outros, não podemos esquecer esta verdade! As exigências dos judaizantes haviam provocado divisões e contendas no seio da igreja. O apóstolo alerta àqueles irmãos que contendiam se mordendo e devorando uns aos outros, para que não fossem mutuamente destruídos. Vale aqui uma parada para nos examinarmos a nós mesmos, a quantos jugos temos nos submetido depois de libertos? Será que o tempo de cativeiro que experimentamos no passado não tem tendido a emergir de nós, através da ação manipuladora de mestres opressores? Peçamos perdão ao Senhor e desfrutemos da Liberdade dos filhos de Deus conquistada por Cristo na Cruz do Calvário. “Permaneçamos firmes e não nos deixemos submeter de novo a jugos de escravidão!”. Celebremos a Liberdade em Cristo! Nadia Malta.

                                                                                                                                               

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Meditação/Nadia Malta


JESUS, AQUELE QUE É O VERDADEIRO FILHO DA PROMESSA PREFIGURADO EM ISAAC!


 “Digam-me vocês, os que querem estar debaixo da lei: Acaso vocês não ouvem a lei? Pois está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava e outro da livre. O filho da escrava nasceu de modo natural, mas o filho da livre nasceu mediante promessa. Isso é usado aqui como uma ilustração; estas mulheres representam duas alianças. Uma aliança procede do monte Sinai e gera filhos para a escravidão: esta é Hagar. Hagar representa o monte Sinai, na Arábia, e corresponde à atual cidade de Jerusalém, que está escravizada com os seus filhos. Mas a Jerusalém do alto é livre, e essa é a nossa mãe. Pois está escrito: "Regozije-se, ó estéril, você que nunca teve um filho; grite de alegria, você que nunca esteve em trabalho de parto; porque mais são os filhos da mulher abandonada do que os daquela que tem marido". Vocês, irmãos, são filhos da promessa, como Isaque. Naquele tempo, o filho nascido de modo natural perseguia o filho nascido segundo o Espírito. O mesmo acontece agora. Mas o que diz a Escritura? "Mande embora a escrava e o seu filho, porque o filho da escrava jamais será herdeiro com o filho da livre". Portanto, irmãos, não somos filhos da escrava, mas da livre”. Gálatas 4:21-31. 


Os acontecimentos do passado apontavam para o futuro como tipos, prefiguras e alegorias. Muito mais que meras ilustrações, esses acontecimentos sinalizavam, apontavam para aquilo que estava por vir. Paulo aqui recorre à alegoria cumprida em Cristo como o verdadeiro Filho da promessa de Deus ao seu povo, para mais uma vez chamar aqueles irmãos insensatos à razão.  A esse respeito o profeta Isaías diz em Isaías 9:6-7: “Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o governo está sobre os seus ombros. E ele será chamado Maravilhoso Conselheiro, Deus Poderoso, Pai Eterno, Príncipe da Paz. Ele estenderá o seu domínio, e haverá paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino, estabelecido e mantido com justiça e retidão, desde agora e para sempre. O zelo do Senhor dos Exércitos fará isso”.  A verdade que os profetas haviam exaustivamente anunciado estava agora sendo banalizada e esvaziada pela ação dos falsos mestres. Eles traziam imposições e jugos sobre o povo que não cabiam mais na Nova Aliança. Lamentavelmente hoje tem acontecido assim. As duas alianças estão neste texto alegórico, representadas por suas mulheres Hagar a escrava egípcia que gerou segundo a carne, para a escravidão, e se tornou mãe de todo aquele que é escravo e Sara a esposa livre que gerou o Filho da promessa, para a liberdade. Uma representa a Jerusalém terrena e a outra a Jerusalém espiritual, a qual é a nossa mãe. Olhar para essas verdades espirituais trazem alento ao nosso coração e nos faz rejeitar todo ensino que não se enquadre nas Sagradas Escrituras, nos levando a um retrocesso. Jesus é o Primogênito da segunda criação que é espiritual, sendo nós hoje filhos e herdeiros de Deus, também somos coerdeiros com Cristo. Somos Primogênitos com Ele! Assim fazemos parte da Igreja dos Primogênitos arrolada nos céus. Quebremos as cadeias e todo jugo imposto aos nossos pescoços, somos livres em Cristo! Nadia Malta

                                                                                                                                               

Você poderá gostar também de...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...